Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guarapari, terra de muitas histórias

Ruínas da Igreja Nossa Senhora da Conceição em Guarapari - Foto: Walter de Aguiar Filho, abril/2012

A história de Guarapri teve início em meados de 1569, quando o padre José de Anchieta, acompanhado do governador-geral Mem de Sá, visitou o litoral do Espírito Santo.

Após ter sido o fundador de várias vilas, o beato decidiu construir uma capela no morro mais alto, com vista para o mar. Em 1585, somente 16 anos depois, ao retornar a Guarapari, Anchieta inaugurou a pequena igreja dedicada a Sant'Anna e ao Sagrado Coração de Jesus, com a apresentação do auto em Tupi, escrito por ele mesmo, que falava de Pirataraka, um índio que falecera na época.

Vendo que a capela edificada por Anchieta estava arruinada, em 1677 o donatário da capitania, Francisco Gil de Araújo, mandou construir uma igreja dedicada a Nossa Senhora da Conceição, o que hoje são as ruínas no centro da cidade, tombadas pelo patrimônio histórico. A igreja não chegou a ser concluída devido a um incêndio.

Em 1751, o padre Antônio Siqueira de Quental reformou a igreja inaugurada pelo beato e mudou a padroeira de Sant'Anna para Nossa Senhora da Conceição, conhecida atualmente como igreja matriz velha. Quental era o proprietário de duas grandes fazendas, doadas pela Coroa Portuguesa em 1642, após a morte do antigo dono Marcos Fernandes Monsanto.

 

Fonte: A Gazeta - Especial Guarapari ,18/09/2005
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2012



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Luiza Grinaldi?

Luiza Grinaldi?

D. Luiza "Grinaldi", a governadora, firmou a doação da Penha ao franciscano Baltazar Lisboa. D. Luiza "Grinaldi" era filha de Pedro Alves ou Álvares Correia e de Catarina "Grinaldi"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo