Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A antiga localização de Santa Catarina das Mós

Mapa de parte do Rio de Janeiro e Espírito Santo, onde provavelmente se situava a Santa Catarina das Mós - Fonte: Biblioteca Nacional Digital

Desde a criação da vizinha capitania da Paraíba do Sul, o limite do sul do Espírito Santo foi estabelecido além do Rio Itabapoana e se chamava Santa Catarina das Mós que desapareceu do mapa no século XIX. A grande questão é saber onde Catarina das Mós estava situada, à margem do sul do Rio Itapemirim ou à margem, também sul, do Rio Itabapoana.

Em pesquisas encontramos um documento datado da Vila da Victoria, onze de julho de 1790, que nos informa sobre o assunto. O documento é uma informação do capitão-mor do Espírito Santo, Ignácio João Mongeardino, ao Governo da Bahia sobre a representação da Câmara de Vila de Nossa Senhora da Victoria e das outras vilas da capitania do Espírito Santo.

Vem ele acompanhado de três mapas coloridos e dá, inicialmente, informações sobre a economia regional, o ensino e as necessidades mais prementes do Espírito Santo. Fala ainda sobre todas as vilas da capitania, iniciando pela da Victoria e depois sobre a Vila de Nova Almeida, Vila do Espírito Santo, Vila de Grapararim (Guarapari), e Vila Nova de Benavente (Anchieta), sempre relatando suas atividades econômicas, população e informações de outras de interesse histórico. Fala ainda o documento sobre todo o litoral da então capitania, dando informação sobre a geografia local, informando sobre rios, montanhas, portos, barras, aldeias, de forma interessantíssima e com valiosas informações sobre a vida e a região com passagens curiosas. Ao quase findar o documento, após dar todas as informações possíveis para a época sobre o vale do Rio Itapemirim, fala o capitão-mor sobre a região entre este rio e o Itabapoana referindo-se à fazenda de Muribeca que pertenceu aos jesuítas. Após dissertar sobre a barra do rio Itabapoana diz ele textualmente: “E desta dita barra, distância de mais de legoa, no lugar chamado S. Catarina das Mós; limita a jurisdição desta Capitania...”

Esta informação é preciosa por estabelecer que Santa Catarina das Mós estava situada ao sul do rio Itabapoana, portanto, em território do atual Estado do Rio de Janeiro e era este local o ponto limite sul da Capitania do Espírito Santo no final do século XVIII. Entretanto cumpre informar que o Dicionário Histórico, Geográfico e Estatístico da Província do Espírito Santo, editado pela Topografia Nacional, no Rio de Janeiro, em 1878, diz o seguinte: “Santa Catarina das Mós – assim se chama o campo entre a Ponta de Manguinhos e o rio Itabapoana perto da Ponta do Retiro onde se acham vestígios de antiga povoação. Em cima da Ponta existe um comoro, com umas Mós, e daí vem o nome para este campo.”

No mapa oficial do Império Brasileiro, datado de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se imediatamente ao sul da foz do rio Itabapoana. O rio Itabapoana chamava-se na língua tupi Managé que significa “reunião do povo”. Santa Catarina das Mós desapareceu da geografia no século XIX.

 

Fonte: Espírito Santo: História, realização Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES), ano 2016
Coleção Renato Pacheco nº 4
Autor: João Eurípedes Franklin Leal
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

 

Nota sobre a foto do Mapa: 

Mapa com o título atribuído como “[Mapa de parte do Rio de Janeiro e Espírito Santo, descrevendo os Campos de Goytacazes]” foi feito por volta do século XVIII por autor anônimo.

Ele mostra Campos de Goytacazes – campos cheios de gado, além de mostrar São Salvador, paróquia que depois veio pertencer a Campos; a Ilha da Âncora, a Ilha de Santana, o Cabo de São Tomé; a lagoa da Paraíba; a Vila da Paraíba; o rio Paraíba do Sul; o rio Iritiba; a Ilha de Guarapari; o rio Guarapari; a Ilha Escalvada e a Ilha do Espírito Santo.

A região de Campos era, originalmente, habitada pelos índios Goytacazes, que significa, em tupi-guarani, para alguns, “corredores da mata”, para outros, “índios nadadores”, definição que bem se enquadra a essa nação, habitante das lagoas.

Campos dos Goytacazes começou a ser desbravada com a doação da Capitânia de São Tomé a Pero de Góis da Silveira, que havia chegado ao Brasil com a expedição colonizadora de Martim Afonso de Souza, em 1530, e posteriormente a seu filho Gil de Góis. No entanto, devido aos constantes ataques dos Goytacazes, que haviam destruído a população da Vila da Rainha, fundada em 1538, e depois Vila de Santa Catarina das Mós, próxima ao Rio Itabapoana, Pero Góis da Silveira acabou abandonando a povoação e retornando a Portugal, em 1570.

A efetiva colonização da região somente iria começar em 1627, quando o Governador-Geral, Martim Corrêa de Sá, doou algumas glebas da capitânia a sete capitães: Miguel Maldonado, Miguel da Silva Riscado, Antônio Pinto Pereira, João de Castilhos, Gonçalo Corrêa da Sá, Manuel Corrêa e Duarte Corrêa, que construíram, em 1633, currais para gado, próximos à Lagoa Feia e à Ponta de São Tomé em reconhecimento pelo seu heroísmo nas lutas contra os índios e piratas na colonização das terras.

Dos sete capitães, apenas Miguel Riscado se estabeleceu nas terras recebidas. Os demais alugaram as áreas que lhes cabiam a colonos ou as doaram aos padres jesuítas e beneditinos.

O Governador do Rio de Janeiro, Salvador Corrêa de Sá e Benevides, em 1648, conseguiu a doação das terras da Capitânia de São Tomé, que, desde 1615, passara a chamar-se Capitânia da Paraíba do Sul, para seus filhos Martim Corrêa de Sá e Benevides, Primeiro Visconde de Assecas, e João Corrêa de Sá. Em poucos anos, a povoação prosperou, sendo elevada à categoria de vila em 1677. Os limites originais da Capitânia não foram respeitados e os impostos e taxas criados fizeram com que muitos colonos fossem expulsos.

https://bndigital.bn.br/artigos/mapa-de-parte-do-rio-de-janeiro-e-espirito-santo-descrevendo-os-campos-de-goytacazes/

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo