Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Cruz das Almas – Por Adelpho Monjardim

Ruínas em Inhoá

No litoral vilavelhense, pouco abaixo das ruínas de antiga fábrica, em direção a Vitória, sobre pequeno e arredondado cabeço de pedra, à flor das águas, ergue-se uma cruz cimentada na rocha, caiada, como as que se encontram nos cemitérios. Pouco afastado da margem, o rochedo mergulha em águas profundas.

Era hábito, quando ali passávamos, observar a solitária cruz que tanto nos intrigava. Antigo morador de Jaburuna contou-nos a sua história. Há muitos anos, às tardes, um frade costumava pescar naquele rochedo. Lançada a linha, paciente esperava o peixe engolir a isca ajustada ao anzol.

Naquela hora costumeira da tarde, o bom frade não retornou ao Convento. Um atraso, coisa natural, não dava para preocupar, porém, noite e Frei Francisco não aparecia. A coisa mudou de figura e as apreensões cresceram. Amanheceu e nada de aparecer o pescador. Não restavam mais dúvidas, ele se afogara. O batelão lá estava junto à pedra. Certamente ao fisgar o peixe, num arranco mais brusco, desequilibrara-se, caindo ao mar. Lugar profundo e ele não sabia nadar.

Dias depois o corpo boiava nas imediações do Penedo. Fora a sua última pescaria.

Oficiada a missa de sétimo dia, começaram os boatos: todas as noites o finado surgia no local do sinistro. Trepado na pedra, lamentosamente pedia que o tirassem dali. Os que à noite freqüentavam aquelas paragens confirmavam o fato. Hoje, movimentadíssimo, o Porto de Vitória não tem mais lugar para assombrações. O fantasma da Cruz das Almas caiu no olvido.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

Brás Gomes, o pescador, desejoso de preparar-lhe um oratório, ou lugar adequado, conservava-o numa caixa de madeira, que lhe servia de banco, em sua casa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Folclore, cinema e teatro - Por Luiz Buaiz com texto de Sandra Medeiros

O teatro que sucedeu o Melpômene foi o Carlos Gomes, inaugurado em 1927, seis anos depois do nascimento de Luiz Buaiz

Ver Artigo
Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo