Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Cruz das Almas – Por Adelpho Monjardim

Ruínas em Inhoá

No litoral vilavelhense, pouco abaixo das ruínas de antiga fábrica, em direção a Vitória, sobre pequeno e arredondado cabeço de pedra, à flor das águas, ergue-se uma cruz cimentada na rocha, caiada, como as que se encontram nos cemitérios. Pouco afastado da margem, o rochedo mergulha em águas profundas.

Era hábito, quando ali passávamos, observar a solitária cruz que tanto nos intrigava. Antigo morador de Jaburuna contou-nos a sua história. Há muitos anos, às tardes, um frade costumava pescar naquele rochedo. Lançada a linha, paciente esperava o peixe engolir a isca ajustada ao anzol.

Naquela hora costumeira da tarde, o bom frade não retornou ao Convento. Um atraso, coisa natural, não dava para preocupar, porém, noite e Frei Francisco não aparecia. A coisa mudou de figura e as apreensões cresceram. Amanheceu e nada de aparecer o pescador. Não restavam mais dúvidas, ele se afogara. O batelão lá estava junto à pedra. Certamente ao fisgar o peixe, num arranco mais brusco, desequilibrara-se, caindo ao mar. Lugar profundo e ele não sabia nadar.

Dias depois o corpo boiava nas imediações do Penedo. Fora a sua última pescaria.

Oficiada a missa de sétimo dia, começaram os boatos: todas as noites o finado surgia no local do sinistro. Trepado na pedra, lamentosamente pedia que o tirassem dali. Os que à noite freqüentavam aquelas paragens confirmavam o fato. Hoje, movimentadíssimo, o Porto de Vitória não tem mais lugar para assombrações. O fantasma da Cruz das Almas caiu no olvido.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Defensor do patrimônio imaterial - Guilherme Santos Neves

Defensor do patrimônio imaterial - Guilherme Santos Neves

Apropriações realizadas pela indústria cultural – como se deu no caso da música Madalena do Jucu, adaptação feita por Martinho da Vila a partir de toada pertencente a banda de congos capixaba e, segundo ele, um dos maiores sucessos de sua carreira

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Ver Artigo
A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira

Ver Artigo
As Timbebas - Edward Athayde D’Alcântara

A Prainha era um berçário de mariscos; ali, você colhia com fartura o burdigão

Ver Artigo