Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A doação da ilha de Vitória - Considerações iniciais

Capa do Livro - A Doação da Ilha de Vitória - Autor: Luiz Guilherme Santos Neves

A fonte primária que dá surgimento à série Memórias da Ilha de Vitória, do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, é a Carta Régia de 1549 sobre a doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos por Vasco Fernandes Coutinho. Anterior à edificação da vila de Vitória, a doação da ilha, que já tinha o nome de Santo Antônio, marca o começo do seu povoamento oficial.

A carta régia, assinada por D. João III em 8 de janeiro de 1549, é fonte importante para o conhecimento da história de Vitória, trata-se de um documento oficial lavrado em estilo de tabelião com toda formalidade e solenidade de praxe. Firmado e selado pelo rei, mandado fazer à sua ordem por escrivão do Reino, acha-se arquivado na Torre do Tombo, em Lisboa.

O texto ora publicado é transcrito da História da Colonização Portuguesa no Brasil, edição comemorativa do centenário da independência política do país, publicada sob a direção e coordenação de Carlos Malheiro Dias, pela Litografia Nacional do Porto, em 1924. Nessa obra clássica, a carta figura como um dos apêndices (p. 265/6, volume III) ao Capítulo VI, O Regime Feudal das Donatarias anteriores à instituição do Governo Geral, de autoria do mesmo Malheiro Dias.

A leitura da carta remete à íntegra de dois documentos anteriores, de valor histórico também inestimável, mas desaparecidos talvez para sempre: o alvará de 15 de julho de 1537 e a escritura de doação da ilha de Santo Antônio, de 20 de agosto de 1540.

Pelo alvará, Vasco Fernandes Coutinho deu, em sesmaria, a Duarte de lemos “a ilha Grande que está da barra (de Vitória) para dentro, que se chama de Santo Antônio, a qual ilha dou fora (forra) e isenta, para si e todos os seus herdeiros e descendentes...”. Além da doação da ilha, o donatário abre-se em larguezas na concessão de favores a Duarte de Lemos.

A escritura, por sua vez, teve o objetivo de ratificar os termos do alvará, embora ensejasse a retificação dos excessos anteriormente cometidos por Coutinho. Trata-se, assim, de ato jurídico que oficializa a doação da ilha de Santo Antônio, corrigindo-a em alguns pontos.

Para chegar a ser transcrito na escritura, o alvará atravessou o Atlântico, na posse de Duarte de Lemos, quando este deixou o Espírito Santo de volta a Portugal. Exibido a Vasco Fernandes, que também se encontrava em Lisboa, o donatário reconheceu-lhe a veracidade e confirmou-lhe a validade, lavrando-se a escritura a instâncias de Duarte de Lemos.

O alvará de 1537 foi, portanto, a peça desencadeadora da escritura de 1540 e da carta régia de 1549. E o mesmo fato – a doação da ilha de Santo Antônio – liga os três documentos.

Pelos termos em que o alvará está escrito, percebe-se que Vasco Fernandes Coutinho, “no calor do entusiasmo pela colaboração” recebida de Lemos, para se recorrer às palavras do historiador José Teixeira de Oliveira, extravasou-se nas concessões feitas, estendendo poderes a Duarte de Lemos que, pela carta de doação da Capitania, eram privativos do donatário.

Na escritura de 1540, Coutinho corta os voos cometidos no alvará. Com esclarecimentos e resalvas, corrigiu-se e corrigiu a magnanimidade da primeira hora, fruto do condoreirismo alvoroçado com que recebeu Duarte de Lemos no Espírito Santo.

Tinham-se passado três anos entre um documento e o outro; tinham transcorrido três anos de convivência mútua entre Coutinho e Lemos. Foi tempo bastante para esmaecer a festejada receptividade que os aproximara quando Lemos chegou à Capitania.

Observa José Teixeira de Oliveira que, se quis Duarte de Lemos, com a celebração da escritura de 1540, garantir-se nos direitos recebidos pelo alvará, talvez ameaçados por razões que nos são ignoradas, “saiu-lhe às avessas a esperteza, pois, advertido ou agora ciente da exorbitância que praticara, Coutinho retroage da sua antiga liberalidade e coloca-se dentro das linhas das prerrogativas que lhe conferia o título real de doação”.

“Comparem-se os dois documentos”, prossegue o ilustre historiador. “O primeiro, isto é o alvará, está redigido em termos gerais; o segundo já é mais preciso e está cheio de restrições – nega a Lemos o direito de ‘fazer vila’ na Ilha, que ‘está limitada por termo da povoação do Espírito Santo’; a redízima, que no alvará lhe tem concedida, estava ao dito tempo entre eles assentado que não fosse senão a redízima da sua própria fazenda...”

Quando digo digo, não digo digo, digo Digo, parece sugerir a leitura da escritura.

 

Fonte: A Doação da Ilha de Vitória, 2002 - Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo
Autor: Luiz Guilherme Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2012
 



GALERIA:

📷
📷


Vasco Fernandes Coutinho

Ainda Vasco Coutinho Filho

Ainda Vasco Coutinho Filho

Coube aos ingleses pregar um susto a Vasco Coutinho (filho). Surgindo frente ao Espírito Santo, as três naus de que se compunha a expedição

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo
Empresa difícil, homens de fibra

Vasco Coutinho em busca de recursos. Em Lisboa ficou hospedado em uma casa na Rua do Barão de  Alvito (1540)

Ver Artigo
D. Jorge de Menezes à frente da capitania

Rocha Pombo resumiu o homem nestas palavras: “Valente, é exato, mas cheio de paixões incompatíveis com a compostura de uma autoridade

Ver Artigo