Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A grande enxova - Por Sérgio Figueira Sarkis

Imagem antiga da fachada da Confeitaria Colombo, no Centro de. de Janeiro, local em que eu e meu pai miamos encontrar os amigos dele

Papai Michel era uma pessoa com grande número de amigos. Estes, conhecedores dos tiques dele, viviam criando situações inusitadas para gozá-lo. A mais famosa ocorreu quando um grupo resolveu fazer uma viagem ao Rio de Janeiro.

A maior parte — Adamastor Bonfim, Doutor Beleza, Mário Pretti e Políbio Andrade — iria de automóvel. Papai, de avião, levando-me para tratamento de dentes com o doutor Dario Derenzi. Combinaram encontrar-se em frente à Confeitaria Colombo, no Centro da Cidade Maravilhosa.

Durante o voo, papai conversava comigo, sobre como teria sido a viagem dos amigos no carro. As estradas não eram pavimentadas e a falta de assistência, praticamente total: poucos postos para abastecimento, conserto de pneus etc. A expectativa de papai era muito grande. Estava doido para chegar e saber das novidades.

Este comportamento já era conhecido por todos em ocasiões parecidas com essa. Perguntava tudo. Que horas saíram? Como foi a viagem? Quantas vezes abasteceram o carro? Quanto tempo durou? E assim por diante...

Pousamos no Aeroporto Santos Dumont já anoitecendo e fomos direto para o hotel, na Cinelândia. Tomamos banho, descemos e saímos para jantar num dos muitos restaurantes existentes nas proximidades. Voltamos para dormir e, no dia seguinte, por volta das 10 horas, irmos ao encontro com o grupo de amigos.

A ansiedade de papai era enorme. Não parava de falar sobre o assunto, criando, inclusive, novas questões a serem submetidas a eles. Às 10 em ponto, chegamos à Colombo. E lá estavam todos aguardando a gente. Cumprimentos de praxe, papai inicia a conversa perguntando:

— E aí, como foi a viagem?

Imediatamente, doutor Beleza tira do bolso do paletó um envelope grosso e o passa para ele.

— O que é isso? — pergunta.

Doutor Beleza esclarece que, ao chegarem, sabedores da ansiedade de papai em relação a fatos como aquele, resolveram escrever tudo o que ele iria perguntar e colocaram as devidas respostas:

— Saímos a tal hora; a viagem foi muito boa; paramos duas vezes para abastecer; não furou pneu, chegamos... E assim foram respondendo todos os questionamentos, possíveis e imaginários que você poderia fazer. Agora, pega e lê tudo, do início ao fim.

Frustração total. Papai murchou. Mesmo assim, não se conteve e tentou perguntar algumas coisas. Ouvia como resposta para procurar na lista. Lá estava a resposta. Foi a maior enxovalhada que ele recebeu em toda sua vida.

 

Fonte: No tempo do Hidrolitrol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

A Majestade de Jorge

A Majestade de Jorge

Fiz minha vida trabalhando. E, por especial cortesia do destino, naquilo que amo. Nunca subestimei e nem maltratei a vida, e ela me correspondeu...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo
Juiz de Fora - João Bonino Moreira

Estávamos em 1947 e eu, deslumbrando-me com férias cariocas, fui assistir a um jogo de futebol no Estádio do Vasco

Ver Artigo
O Grande Jogo - Hércules Dutra de Campos Filho

Aos dez minutos, 1 a 1, aos quatorze, 2 a 1, aos vinte e cinco, 3 a 1, aos quarenta já ganhávamos por 6 a 2

Ver Artigo
Do campus, minhas lembranças em formol - Poe Anne Mahin

Fiquei para assistir à dissecação do cachorro, que, depois de ter os órgãos retirados e analisados, acabou com a carcaça numa caçamba de lixo

Ver Artigo