Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Guarda Nacional do ES – 1856

Capa do Livro: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008

Não obstante repetidas recomendações do governo central para que fosse organizada a Guarda Nacional, até 1855 nada se conseguira.

Após a insurreição do Queimado, o presidente Siqueira manifestara esperanças de convencer os capixabas da “necessidade de se alistarem, armarem e terem alguns conhecimentos dos manejos militares”.(42)

Coube, porém, a Pereira de Barros concretizar a idéia; e o fez com tamanho entusiasmo que, a dois de dezembro de 1856 – aniversário natalício do imperador – Vitória viu desfilarem em parada quinhentas e duas praças daquela corporação.(43)

 

NOTAS

(42) - Ofício de vinte e quatro de março de 1849, ao ministro do Império (Pres ES, VII).

(43) - “Quando para aqui vim não tinha realidade esta parte da força pública. Existiam apenas alguns oficiais fardados e outros que figuraram nas propostas, mas que não tinham tirado suas patentes e muito menos se achavam fardados [...] que existem fardadas mais de oitocentas praças e no dia dois do corrente, aniversário natalício de S. M. o Imperador, apresentaram-se em parada quinhentas e duas praças” (Do ofício de Pereira de Barros ao ministro Couto Ferraz, datado de onze de dezembro de 1856 – Pres ES, IX).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, novembro/2017

História do ES

Perlustrando a costa - Limites com a capitania de S. Tomé

Perlustrando a costa - Limites com a capitania de S. Tomé

Vasco Coutinho em 1539 passou um assinado a Pero de Góis – donatário de São Tomé – demarcando limites entre as duas capitanias

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo