Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A História do Jornal O DIÁRIO

Ilustração: Foto de época

Dos jornais diários que circularam e desapareceram no Estado, dois merecem ser citados: O Diário e Folha Capixaba. Como acontecia então, foram criados para representar correntes políticas e defendê-las. Como era comum, sobretudo e principalmente durante as épocas de instabilidade política, desapareceram.

O Diário existiu durante 25 anos, de 1955 a 1980. A Folha Capixaba, durante 19 anos, de 1945 a 1964, exatamente durante 19 anos, de 1945 a 1964, exatamente durante duas ditaduras: a do Estado Novo e a do golpe militar de 1964. Como era ligado ao Partido Comunista Brasileiro, o Partidão, sua morte foi uma das primeiras medida dos golpistas.

 

O DIÁRIO

 O Diário foi fundado para representar os interesses do Partido Social Democrático, o PSD, em 1955. Os membros desse partido compraram do extinto Folha do Povo e passaram então a rodar o novo matutino que era de oposição ao então governador Francisco Lacerda de Aguiar, o Chiquinho. Mas por pouco tempo. Em 1955, sofrendo de falta de verbas, ele seria comprado pelo empresário carioca Mário Tamborindegui, que atuava no setor de estradas. E passou a ser ardentemente pró Chiquinho.

O jornal combatia tudo o que era contrário ao governador. Principalmente os caciques políticos Carlos Fernando Monteiro Lindenberg e Jones dos Santos Neves. Fazia então a defesa do PSD. Em determinado momento o próprio Lacerda de Aguiar adquiriu o jornal e, para não aparecer à frente dele, passou-o para o seu filho Renato de Aguiar e a Setembrino Pelissari, à época um jovem advogado que militava na área jovem da União Democrática Nacional (UDN). Nessa ocasião, o jornalista Plínio Marchini foi contratado para dirigir O Diário. Mas, mesmo com a ação de ataque do jornal, Carlos Lindenberg foi eleito governador em 1958. E Marchini voltou contra ele sua metralhadora giratória:

“O Sr. Carlos Lindenberg é diretamente responsável por tudo quanto tem acontecido de violência policiais, durante seu Governo. Da sua inspiração política, dos exemplos de perseguição que tem dado, da proteção que está dispensando a esses belenguis policiais – de tudo isso é que nasce e se revigora o clima de terror e de morte.”

Com a chegada da ditadura militar, Edgard dos Anjos assumiu o jornal. Ele então era tido como esquerdista, um adjetivo que não cabia em seu figurino. Num tempo em que o jornalismo era feito essencialmente por textos, O Diário contratou fotógrafos e começou a dar valor às imagens. Também foi ele quem inaugurou o jornal vespertino no Estado, quando era dirigido por Cláudio Bueno Rocha. De experimentação por excelência, o diário da Rua 7 de Setembro notabilizou-se justamente por ter ficado à frente das inovações.

Também foi ele o primeiro – e talvez um dos únicos – jornal do Estado a dar amplia liberdade aos jornalistas para exprimirem suas idéias, o que não existe ainda hoje. E, talvez por causa disso, muitos trabalhavam lá sem se preocupar com a remuneração, que não era grande nem sequer constante em algumas ocasiões.

25 anos depois de sua fundação, pressionado por problemas financeiros insolúveis, o jornal fechou. Na época, era de propriedade do advogado José Maria Ramos Gagno. Na ocasião, ele explicou o fechamento dizendo que inadimplências de dez anos com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Previdência Social mataram a empresa, embora, quando ela fechou, dela dependessem ainda 64 famílias, como atesta Ramos Gagno.

 

Fonte: Revista a'angaba AnoI - Número 02 - dez/2008, publicação da Associação Espírito Santense de Imprensa (AEI)
Compilação: Walter de Aguiar Filho que pesquisou no Instituto Histórico e Geográfico do ES, do qual é membro - agosto/2011

História do ES

Consequências da expulsão dos Jesuítas – Por Serafim Derenzi

Consequências da expulsão dos Jesuítas – Por Serafim Derenzi

O jesuíta evoluía nos métodos de cultivo do solo e estimulava os vizinhos de boa vontade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo