Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A história moderna do Porto de Vitória

Punaro Bley recebe Afrânio de Mello Franco e comitiva nas obras do Cais de Atalaia, início da década de 40

De acordo com apontamentos obtidos no Ministério da Viação e Obras Públicas (1950), resume-se no seguinte a história moderna do porto de Vitória:

Os primeiros estudos sobre o porto de Vitória foram feitos pelo engenheiro norte-americano Milnor Roberts, em 1879. O projeto apresentado não foi aceito e em 1892, pelo Decreto n.º 1.173, de 17 de dezembro, o governo concedeu à Companhia Brasileira Torrens a concessão para as obras de melhoramento do porto, com as vantagens e encargos da lei n.º 1.746, de 13 de outubro de 1869. O plano estabelecido previa a construção de 1.000 metros de cais e aprofundamento do canal de acesso, mas sofreu alterações. A concessionária fez então uma contraproposta visando a construir o cais no antigo porto das Argolas, escolhido para ponto terminal da Estrada de Ferro Vitória-Minas. Interveio o Governo do Estado, propugnando para que o porto fosse localizado ao lado da cidade, com o que concordou o Governo Federal, autorizando pelo decreto 5.950, de 1906, a modificação pleiteada, bem como a transferência da concessão para a Companhia do Porto de Vitória. O decreto 6.559, de 11 de junho de 1907, aprovou os projetos anteriores após revisão. Mas um novo plano foi elaborado e aprovado pelo decreto 7.994, de 10 de maio de 1910, compreendendo a construção de 855 metros de cais, uma ponte com o comprimento de 399 metros com um vão móvel de 12 metros, dragagem da barra e outros serviços. O orçamento foi de 12.178 contos, moeda da época, e naquela base a Companhia [do] Porto de Vitória contratou com a firma construtora do porto do Rio de Janeiro a execução do projeto. Iniciados em 1911, os trabalhos foram paralisados em 1914, durante a Guerra Mundial, quando já estavam concluídos 348 metros de cais. Em 1916 o Governo Federal baixou o decreto 12.033, alterando o projeto anterior e o orçamento. Em 1924, atendendo a uma exposição do Estado, o governo da União expediu o decreto 16.739, de 31 de dezembro, autorizando a rescisão dos contratos e a encampação, pelo Estado, das obras e instalações. A nova concessão estipulava a extensão do cais para 1.840 metros e outras obras, mas o projeto voltou a sofrer as alterações ditadas pelos decretos n.º 17.836, de 16 de junho de 1927, e 18.342, de 10 de agosto de 1928. Em 16 de outubro de 1930 os serviços sofreram nova interrupção, já estando prontos 670 metros de cais, dois armazéns, nove guindastes montados e a ponte de ligação com o continente. Recomeçados os trabalhos em 11 de junho de 1935, o projeto das obras só foi definitivamente aprovado pelo decreto n.º 2.606, de 30 de abril de 1938. Em 29 de maio de 1941, o Governo do Estado pediu aprovação do projeto para a construção de um cais especial para embarque de minérios no morro da Atalaia, com capacidade para exportar anualmente até 3.000.000 toneladas, orçado em Cr$ 213.434.401,30, sendo atendido pelo decreto 2.606, de 30 de abril de 1938. De acordo com o decreto-lei n.º 1.645, de 2 de novembro de 1939, o Estado passou a explorar comercialmente o porto, a partir de janeiro de 1940. Pelo decreto-lei n.º 3.039, de 10 de fevereiro de 1941, foi aprovado novo contrato com o Estado.

1930-1943 – Punaro Bley governou o Estado até janeiro de 1943: de 1930 a 1935,(1) na qualidade de interventor federal; de 1935 a 1937, como governador constitucional; e de 1937 (2) a 1943 (3) novamente com o título de interventor.

Distingue-se, na obra administrativa desses doze anos, a atuação do secretário da Fazenda – Mário Aristides Freire. Culto, probo, objetivo e perseverante, geriu com sabedoria o dinheiro público e conseguiu limpar o Tesouro do Estado de todos os ônus financeiros de exercícios findos. E mais: resgatou, segundo um plano altamente benéfico para o Espírito Santo, todos os empréstimos que lhe corroíam o orçamento.

Pôde, então, o governo estadual realizar a construção de edifícios escolares, estabelecimentos de assistência médico-sanitária, penitenciária, patronato de menores, colônia de hansenianos, retomada de obras no porto de Vitória, hospital dos servidores públicos e estradas de rodagem, inclusive concluindo a estrada do Canaã, iniciada na administração Florentino Avidos.

É de justiça destacar, outrossim, a atenção dispensada aos problemas agrícolas – criação da Escola Prática de Agricultura (4) e do Banco de Crédito Agrícola do Espírito Santo (5) – e a construção do cais para embarque de minério, no morro de Atalaia, junto ao porto das Argolas.

De novembro de 1932 a abril de 1938, o Dr. Cristiano Ferreira Fraga esteve à frente do Departamento Estadual de Saúde, onde realizou trabalho memorável no campo da medicina preventiva e do aprimoramento técnico dos quadros de servidores da repartição. De citar-se a campanha de vacinação antidiftérica de toda a população infantil de Vitória e o recenseamento torácico pela abreugrafia – o segundo inaugurado no Brasil. (6)

Sob a orientação do professor Fernando Duarte Rabelo (7) – então secretário da Educação e Saúde – o Estado iniciou campanha da mais profunda significação, visando a nacionalizar o ensino nas zonas de colonização estrangeira. Problema secular – que até recentemente desafiou os governos do Império e da República – oferecia aspectos chocantes da incúria das administrações estaduais. (IV) Ainda em 1940 – quando do Recenseamento Geral – os funcionários que percorreram aquelas zonas surpreenderam populações inteiras que ignoravam o idioma nacional. (8) Na administração do município da Capital, há que frisar o trabalho do prefeito Américo Poli Monjardim, primeiro a se distinguir pelas obras de iniciativa do próprio governo da comunidade, pois que, até então, este se limitava a executar o que fora traçado pelos órgãos estaduais. A Companhia Vale do Rio Doce – iniciativa federal – pode ser incluída entre as grandes decepções do Estado Novo. Nada fez de positivo em prol da região que lhe dá o nome.

 

NOTAS

(1) - A Assembléia Constituinte Estadual – eleita por força da Constituição Brasileira de dezesseis de julho de 1934 – instalou-se a onze de abril de 1935 e, no dia seguinte, elegeu o governador do Estado, recaindo a escolha no interventor. A Constituição elaborada pela mesma Assembléia foi promulgada a onze de agosto de 1935 e vigorou até dez de novembro de 1937, data do golpe de Estado.

(2) - Nomeado interventor por decreto-lei federal de vinte e quatro de novembro de 1937.

(3) - Exonerado a vinte e um de janeiro de 1943.

(4) - Sediada em Santa Teresa. Criada por decreto-lei estadual número 12.147, de seis de setembro de 1940, e inaugurada a vinte e quatro de maio de 1942.

(5) - Instalado a quinze de outubro de 1937.

(6) - Para a organização dos serviços do Departamento, o Dr. Ferreira Fraga teve o concurso do higienista João de Barros Barreto. No acervo de suas realizações alinham-se mais: intensiva vacinação antivariólica em todo o Estado; cursos de educadoras sanitárias; cursos de enfermeiras e visitadoras sociais; cursos de obstetrícia de urgência para curiosas e apanhadeiras, numerosas e espalhadas por todo o Estado; curso radiofônico de educação sanitária; conferências sobre higiene nas sedes municipais, com distribuição de folhetos destinados a proporcionar ao magistério primário conhecimentos básicos para a divulgação de preceitos de higiene, de saúde e educação. Trabalho de pedagogia eficiente, inspirado pelo conhecimento direto da realidade ambiente.

(7) - Fernando Duarte Rabelo (10-8-1897 – 20-1-1971). Paradigma de dedicação a serviço da comunidade. Homem de origem humilde, galgou todos os degraus do magistério: desde a regência de uma cadeira de escola noturna à magnificência da Reitoria da Universidade Federal do Espírito Santo. Bacharel em Direito, impossibilitado de colar grau nas solenidades oficiais, devido à carência de recursos; interventor federal em seu Estado natal; secretário de várias pastas de governo; procurador-geral do Estado; deputado estadual; professor emérito da Faculdade de Direito. Além de outros cargos, que ocupou em diferentes períodos de sua vida modelar. Sócio fundador do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo.

(8) - “Ainda no Recenseamento de 1940 ficou célebre o setor número sete, do Distrito de Jequitibá, Município de Santa Leopoldina, onde um agente recenseador, percorrendo uma área de 425 quilômetros e recenseando cerca de duzentas propriedades, não encontrou uma só pessoa que falasse português; houve necessidade de contratar agentes recenseadores que falassem o alemão, e outros tiveram de contratar intérpretes para se entenderem com os alemães, isto é, com os descendentes de alemães ali localizados” (DIEGUES JÚNIOR, Influências Estrangeiras, 25).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Portos do ES

Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A dupla do milagre - Christiano Dias e Arthur Gerhardt

Seja quem for o pai do Espírito Santo moderno, Arthur e Christiano formaram uma dupla de sucesso nos primeiros momentos da Revolução de 1964

Ver Artigo
Dos trilhos para o mundo (Tradução para o inglês)

A história da ferrovia Vitória à Minas já estava essencialmente atada a CVRD quando dos quadros da ferrovia ascendeu para a presidência da empresa o engenheiro Eliezer Batista

Ver Artigo
A queda do Porto de São Mateus – Por Fernando Schwab Firme

Projetos não são problemas e sim a definição de sua utilidade e sua elaboração em resposta a uma demanda efetiva

Ver Artigo
Do Espírito Santo para o mundo

O Cais de Minério guarda muitas histórias, a começar pelas designações que possui. Alguns o chamam Cais do Atalaia

Ver Artigo
O que é o Fundap?

O Fundo é um sistema peculiar de incentivos ao desenvolvimento do Estado. Não se trata de um incentivo fiscal, porque não há bonificação, redução ou favor

Ver Artigo