Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Igreja do Rosário

Igreja do Rosário, Vila Velha, ES - Brasil

Situada na Praça Otávio Araújo, próxima à antiga "Prainha", em cujo local teve início a colonização do Espírito Santo, a Igreja do Rosário, testemunha silenciosa de fatos que marcaram a história de Vila Velha, é o mais antigo monumento religioso do Estado e um dos mais antigos do Brasil.

Ao contrário do que muitos supõem, ela é mais antiga que o Santuário da Penha, pois em 1558, quando desembarcou em Vila Velha o franciscano Frei Pedro Palácios, construtor da Ermida das Palmeiras, que deu origem, mais tarde, à construção do Convento, a Igreja do Rosário já existia.

Não se sabe precisamente a data em que foi construída. Sabe-se, porém, que em 1549, de passagem por Vila Velha, a caminho da Capitania de São Vicente, o padre jesuíta Leonardo Nunes registrou em carta a seus superiores hierárquicos que, a noite, quando fazia sermão, reunia todos em uma praça porque, sendo a igreja local muito pequena não comportava o grande número de pessoas às quais ele falava.Tratava-se, por certo, da Igreja do Rosário que, naquela época, devia ser bem menor, não tendo as dimensões que hoje possui.

Dos poucos registros históricos a respeito desse templo, sabe-se que, em 1709, ele foi reformado por determinação do Bispo do Rio de Janeiro. Foi despendida com as obras a quantia de 200$000 (duzentos mil réis). Quarenta e um anos depois, em 1750, a igreja foi elevada à categoria de paróquia. Não obstante o predicamento de paróquia que lhe fora concedido, o seu estado de conservação sempre deixou a desejar. E foi exatamente isso que impressionou o Imperador Pedro li, quando esteve em visita a Vila Velha, em janeiro de 1860. Do seu bolso, doou o monarca a importância de 400$000 (quatrocentos mil réis) para a reforma do templo, que se achava em estado deplorável.

Atualmente, a Igreja do Rosário está sendo restaurada pelo GOVERNO MAX MAURO, com obras que irão fortalecer sua estrutura e com trabalhos de arte, executados por especialistas, a fim de ser recuperada a beleza singela do seu interior.

As tradicionais famílias de Vila Velha sempre tiveram um carinho todo especial pela Igreja do Rosário. Até hoje, continua sendo a mais procurada para a celebração de cerimônias religiosas de casamento.

No nebuloso passado da Capitania, quando os colonos desbravavam a mata inóspita e traiçoeira, entre suas paredes muitos se refugiavam para se protegerem das flechas dos Goitacazes. Várias vezes funcionou como hospital, abrigando os enfermos indigentes para que fossem tratados.

Dentro dela ajoelhou e orou o velho Vasco Coutinho, primeiro donatário da Capitania, antes tão cheio de esperanças e depois desiludido diante dos insucessos, cansado e doente, à espera da morte.

Vasco Coutinho (o filho), segundo donatário, sua mulher, Luísa Grinalda, Belchior de Azeredo, Miguel de Azeredo, Padre Anchieta, quando vinha a Vila Velha, e tantos outros cujos nomes ficaram perdidos na noite dos tempos, se prostraram de joelhos em prece fervorosa, sob o teto desse templo, numa demonstração de humildade religiosa!

Todos os fatos ocorridos na vila ou acontecidos fora dela, o povo tomava conhecimento quando se reunia na igreja, principalmente aos domingos ou dia santificado. Sendo o local que por força dos costumes da época atraia a maior concentração de pessoas, era natural que aí também veiculassem noticias sociais e de natureza política. Por isto é que a primeira Constituição brasileira, outorgada por Pedro I, a 25 de março de 1824, foi jurada pelas autoridades e o povo vilavelhense na Igreja do Rosário, no dia seguinte ao Domingo de Páscoa.

Na ampulheta do tempo as horas formaram dias, os dias viraram anos e os anos somaram séculos. E a igreja, que ostenta o nome da padroeira de Vila Velha, aí está, na grandeza de sua simplicidade, como se desejasse em seu mutismo secular revelar a história dos nossos antepassados.

Por tudo isso, é um templo que vale a pena ser visitado.


Autor: Dijairo Gonçalves Lima
Compilação: Edward Alcântara, novembro/2012
Fotos: Walter de Aguiar Filho, novembro/2012 



GALERIA:

📷
📷


Igrejas

Igreja da Misericórdia – Por Elmo Elton

Igreja da Misericórdia – Por Elmo Elton

Transferida, anos antes, a sede do governo da capitania, de Vila Velha para Vitória, construiu-se, nesta vila, em 1605, a igreja de Nossa Senhora da Misericórdia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha - Por Elmo Elton

Um esclarecimento: A Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Prainha situava-se, exatamente, onde, mais tarde, foi edificado o Hotel Império, ainda funcionando. A demolição do Teatro Melpômene se verificou em 1924

Ver Artigo
Igreja de Santa Luzia – Por Elmo Elton

Assim se explica a construção da igreja de Santa Luzia, a mais antiga da cidade 

Ver Artigo
Igreja e Convento do Carmo – Por Elmo Elton

Em 1913 demoliram a capela da Ordem Terceira, que lhe ficava ao lado, aquela mesma que merecera a admiração de Dom Pedro II

Ver Artigo
Igreja de São Gonçalo – Por Elmo Elton

Esta igreja chamou-se antes capela de Nossa Senhora do Amparo e da Boa Morte, ali funcionando uma Irmandade sob estas duas invocações

Ver Artigo
Igreja de São Tiago - Por Elmo Elton

A primitiva igreja de São Tiago, em Vitória, com o passar dos anos, foi ampliada, recebeu reconstruções sucessivas, até adquirir o aspecto que lhe registram fotografias tiradas no fim do século passado e começo deste, pouco antes de sua demolição

Ver Artigo