Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A instrução após a expulsão dos Jesuítas – Por Serafim Derenzi

Anchieta - catequese

O Colégio, as Reduções e Aldeias ministravam aulas de ler, escrever e contar, gratuita e pacientemente, além das lições de catecismo que obrigavam o professor a dar noções de moral e uma série de conhecimentos humanos, indispensáveis ao entendimento da doutrina. A música e o teatro, nas horas de recreio, também faziam parte da didática jesuítica. A arte de carpinteiro e a escultura em madeira foram praticadas com êxito pelos alunos.

O Colégio teve cadeira de Gramática Latina, cujas lições eram verdadeiros cursos de humanidade. Todas essas iniciativas inacianas caíram no abandono. A aula de latim e uma cadeira de ler e escrever foram restabelecidas depois da Carta Régia de 2 de Maio de 1771, (8) que criou o "subsídio literário". O ensino, que era gratuito, passou a pesar sobre certos produtos de consumo.

Pombal, o reconstrutor de Lisboa arrasada pelo terremoto de 1755, traumatizou o Brasil e notadamente o Espírito Santo com seu ódio aos Jesuítas.

E O INVENTÁRIO...

Todas as causas, invocadas pelo Marquês de Pombal e encarecidas por seus áulicos, cessaram com o processo iníquo e arbitrário de se condenarem os padres ao cárcere e ao exílio. Nenhuma providência jurídica de imediato foi tomada em relação aos bens e haveres da Companhia de Jesus em proveito da Coroa. Só em 1776, depois do morte de D. José e a queda do ministro poderoso, D. Maria 1 instruiu o Vice-Rei D. Luís de Vasconcelos e Souza, nomeando o Dr. Manuel Carlos da Silva Gusmão, Ouvidor e Corregedor, para inventariar, arrecadar e avaliar os bens dos Jesuítas no Espírito Santo. Procedeu-se ao feito em abril de 1780. Decorrido tanto tempo, teriam sido exatas as cabeças de gado, os utensílios, alfaias e objetos de culto? Da biblioteca há registro: foi preciso deitar bando (9) para que os inescrupulosos devolvessem os volumes desviados. Boa livraria, diz Serafim Leite, ..queimado no incêndio de 1795, informa Daemon.

As propriedades rurais, os chãos urbanos, os móveis e utensílios, os escravos e objetos do culto, com exclusão do Colégio e igreja Santiago, incorporados ao patrimônio nacional, somaram em 58:4503$480. (10)

 

NOTAS

(8) Um "real" a canada de vinho, ou quartilho de água-ardente, 160 réis por pipa de vinagre, um "real" arratel de carne. P. Galanti. H. B. O primeiro professor nomeado foi Pita Rocha, logo depois substituído pelo Padre Marcelino Pinto Ribeiro — Daemon.

(9) B. N. XXXII — Anais.

(10) Daemon.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

História do ES

A Tribuna de Anchieta

A Tribuna de Anchieta

Domingo, 3 de fevereiro de 1889. Nessa data, começou a circular, em Anchieta, um periódico semanal: A Tribuna

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos e Curiosidades do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

De noite não se permitia o porte de armas. Leva-me isso a admitir que as rixas, à luz do sol, eram menos dolosas e mais toleradas

Ver Artigo
Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino...

Ver Artigo
A Irmandade de São Gonçalo Garcia – Por Serafim Derenzi

Na planta de Vitória, levantada em 1767, já figura a igreja, antecipada de um cemitério

Ver Artigo
Um Major turbulento, mas honesto – Por Serafim Derenzi

Reconstruiu a aldeia de Coutins, destruída pelos índios, dando-lhe a denominação de Linhares

Ver Artigo
Números Miúdos de Vitória de 1790 – Por Serafim Derenzi

Números miúdos, porém, significativos. A população de vitória, em 1790, é de 7.225 habitantes

Ver Artigo