Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A instrução após a expulsão dos Jesuítas – Por Serafim Derenzi

Anchieta - catequese

O Colégio, as Reduções e Aldeias ministravam aulas de ler, escrever e contar, gratuita e pacientemente, além das lições de catecismo que obrigavam o professor a dar noções de moral e uma série de conhecimentos humanos, indispensáveis ao entendimento da doutrina. A música e o teatro, nas horas de recreio, também faziam parte da didática jesuítica. A arte de carpinteiro e a escultura em madeira foram praticadas com êxito pelos alunos.

O Colégio teve cadeira de Gramática Latina, cujas lições eram verdadeiros cursos de humanidade. Todas essas iniciativas inacianas caíram no abandono. A aula de latim e uma cadeira de ler e escrever foram restabelecidas depois da Carta Régia de 2 de Maio de 1771, (8) que criou o "subsídio literário". O ensino, que era gratuito, passou a pesar sobre certos produtos de consumo.

Pombal, o reconstrutor de Lisboa arrasada pelo terremoto de 1755, traumatizou o Brasil e notadamente o Espírito Santo com seu ódio aos Jesuítas.

E O INVENTÁRIO...

Todas as causas, invocadas pelo Marquês de Pombal e encarecidas por seus áulicos, cessaram com o processo iníquo e arbitrário de se condenarem os padres ao cárcere e ao exílio. Nenhuma providência jurídica de imediato foi tomada em relação aos bens e haveres da Companhia de Jesus em proveito da Coroa. Só em 1776, depois do morte de D. José e a queda do ministro poderoso, D. Maria 1 instruiu o Vice-Rei D. Luís de Vasconcelos e Souza, nomeando o Dr. Manuel Carlos da Silva Gusmão, Ouvidor e Corregedor, para inventariar, arrecadar e avaliar os bens dos Jesuítas no Espírito Santo. Procedeu-se ao feito em abril de 1780. Decorrido tanto tempo, teriam sido exatas as cabeças de gado, os utensílios, alfaias e objetos de culto? Da biblioteca há registro: foi preciso deitar bando (9) para que os inescrupulosos devolvessem os volumes desviados. Boa livraria, diz Serafim Leite, ..queimado no incêndio de 1795, informa Daemon.

As propriedades rurais, os chãos urbanos, os móveis e utensílios, os escravos e objetos do culto, com exclusão do Colégio e igreja Santiago, incorporados ao patrimônio nacional, somaram em 58:4503$480. (10)

 

NOTAS

(8) Um "real" a canada de vinho, ou quartilho de água-ardente, 160 réis por pipa de vinagre, um "real" arratel de carne. P. Galanti. H. B. O primeiro professor nomeado foi Pita Rocha, logo depois substituído pelo Padre Marcelino Pinto Ribeiro — Daemon.

(9) B. N. XXXII — Anais.

(10) Daemon.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

História do ES

200 Anos da chegada da Família Real

200 Anos da chegada da Família Real

Em 2008, estamos completando 200 anos da chegada da Família Real portuguesa ao Brasil, liderados por D. João VI e D. Carlota Joaquina 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
Ano de 1536 e 1537 – Por Basílio Daemon

Faz Vasco Fernandes Coutinho doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos, que em sua vinda o acompanhara da Bahia 

Ver Artigo