Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Justiça e o Ministério Público Capixabas no início do Século XX

Des. Antônio Ferreira Coelho

Em 1907, a Corte de Justiça, hoje Tribunal, compunha-se de cinco Ministros, atualmente Desembargadores.

O Ministério Público era chefiado somente por membro da Corte, com a denominação de Procurador-Geral do Estado, exigindo-se para o ocupante dessa função, além de outros requisitos, a idade mínima de 35 anos.

Com a reforma da Lei, o cargo de Procurador-Geral passou a ser exercido por formados em Direito, embora não fizessem parte do Poder Judiciário.

Pertenciam à nossa Corte em 1907, os Drs. Luiz Manoel Mendes Veloso, Presidente, baiano; Getúlio Serrano, paraibano; Gregório Magno Borges da Fonseca, baiano; Antônio Ferreira Coelho e Barcímio Paes Barreto, pernambucanos; por coincidência, todos nordestinos.

Com exceção do Dr. Veloso, que contava 71 anos, os demais Ministros estavam na faixa etária de 50 anos, não havendo limite de idade para a permanência no serviço ativo, motivo de alguns tribunais contarem com magistrados octogenários.

Nomeado pelo Presidente Henrique Coutinho, o advogado José Belo de Amorim assumiu, a 12 de julho de 1907, o cargo de Procurador-Geral do Estado, presentemente Procurador-Geral da Justiça.

Tratava-se de um cachoeirense, com 32 anos, Deputado Estadual e chefe político no município de Alegre.

A posse do novo chefe do Ministério Público, contando menos da metade da idade do Presidente da Corte, a fim de evitar explorações políticas, quanto aos seus verdes anos e a acumulação, foi justificada devido ao precedente aberto: os Drs. Afonso Cláudio e Sérgio Loreto exerceram essas funções com pouco mais de 30 anos e, sobre o mandato legislativo, a lei da época permitia a acumulação.

Assumindo o Governo do Estado a 23 de maio de 1908, o Dr. Jerônimo Monteiro proibiu, para evitar a acumulação, que os auxiliares de sua administração desempenhassem qualquer função legislativa.

Dos parlamentares incursos nessa hipótese, apenas José Belo de Amorim optou pelo mandato, enquanto Antônio Ataíde, Araújo Aguirre, Clodoaldo Linhares e Olímpio Lírio optaram pelos cargos que exerciam.

No Diário da Manhã, de 3 de junho de 1908, lemos a seguinte nota sobre a posição do Deputado Belo Amorim:

"Por ter optado pelo cargo de Deputado ao Congresso Legislativo, exonerou-se anteontem das funções de Procurador-Geral junto à Corte de Justiça, este nosso distinto amigo que durante o lapso de tempo em que exerceu o fez sempre com critério e competência, de modo a merecer as justas simpatias a que tem incontestável jus o seu caráter franco e leal".

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Nº 42, ano 1992/1993
Autor: Por: J. Pires Amorim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2013

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Peroás e Caramurus – Por Areobaldo Lellis Horta

 "Peroás" e "Caramurus" constituíram dois grandes partidos populares, de caráter eminentemente religioso e social, em que se dividiam os habitantes de Vitória

Ver Artigo
O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo
Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Ver Artigo
O Titânio na Costa do Espírito Santo – Por Archimimo Mattos

Os depósitos litorâneos de Benevente, Guarapari, Itapemirim  são de fácil exploração comercial, como, aliás, já foi feito com as areias monazíticas

Ver Artigo
A origem do nome Morro da Manteigueira

A Casa da Manteigueira, um antigo solar que tinha fama de ser assombrado pelos espíritos de dois amantes...

Ver Artigo