Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Misericórdia – Por Serafim Derenzi

Igreja do Rosário, 2017

No último lustro da centúria do povoamento do Espírito Santo, aqueles poucos emigrados que não lograram economizar para a velhice e os pobres índios, nascidos imprevidentes, sofriam as misérias da fome e os mazelas das doenças, que não saram. Só a generosidade, sempre mal distribuída, dos corações compassivos, já não era suficiente. Miguel de Azeredo, capitão-mor, a instância do P. Anchieta (1595), funda a Casa de Caridade, (1) em Vila Velha, onde a decadência do povoado se afinava com a penúria dos moradores remanescentes. Teve como residência provisória a igreja do Rosário. (2) Construiu-se depois a Casa da Misericórdia, na Rua Pedro Palácio, diz o informadíssimo Daemon. Mudou-se a instituição ou Irmandade da Misericórdia, para Vitória: quando e onde são duas incógnitas. Prestou relevantes serviços ao tempo das invasões, socorrendo feridos; nas epidemias, assistindo os doentes e enterrando os mortos. O alvará régio de 1 de junho de 1605, de Felipe II deu-lhe as vantagens da Misericórdia de Lisboa. (3) Teve capela e casas. (4) Construção modesta, quase toda de taipa. A ladeira que lhe guarda o nome, terminava junto à igreja, demolida, no governo de Jerônimo Monteiro, para construção da Assembléia Legislativa. (5)

MIGUEL DE AZEREDO

Ao retirar-se para Lisboa, em 1593, D. Luisa Grimaldi, arma a Miguel de Azeredo de Capitão-mor, passando-lhe o governo.

Coube, ao sobrinho do cavaleiro Belchior, derrotar definitivamente os goitacases, no ano seguinte, com alcance significativo para o progresso do Sul da Capitania. Miguel e seu irmão Marcos, ricos fazendeiros, estão ligados aos fatos da administração da Vila de Vitória e da Capitania em geral por muitos anos.

Assistem os religiosos, jesuítas, franciscanos e beneditinos dando-lhes auxílios, promovem entradas no sertão e combatem os ingleses. Miguel de Azeredo presenciou o golpe, que enlutou o Brasil, a Capitania e notadamente as Reduções indígenas: a morte do Venerável José de Anchieta, ocorrida em 9 de julho de 1597, na sua querida Reritiba, aldeia de sua eleição.

 

NOTAS

 

(1) Daemon, pág. 91.

(2) Cezar Marques pág. 245.

(3) Mário Freire.

(4) Cezar Marques diz que: "Em 1575 fundou-se uma sociedade particular com o nome de Filantrópica, para cuidar dos atacados pela cólera-morbus". Naturalmente o autor queria dizer no local, pois o Convento só foi construído em 1591.

(5) "Não consta a fundação da igreja de Santa Casa da Misericórdia, porém, o Alvará de 1° de julho de 1605, de Felipe II, Rei de Castella, em que lhe concede os mesmos privilégios da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa, se vê que sua fundação foi mais antiga." Rubim. IHGES Nº 7.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2017

Igrejas

O Padre Anchieta e minhas reminiscências - Por Ormando Moraes

O Padre Anchieta e minhas reminiscências - Por Ormando Moraes

A simpática figura do padre Anchieta, como incansável andarilho de nossas praias, desperta-me velhas reminiscências de minha infância a beira mar vivida

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

A Misericórdia de Lisboa – A Origem

Sobre o modelo da de Lisboa se fundaram, em seguida, todas as outras misericórdias, tanto do Reino como das possessões ultramarinas

Ver Artigo
A Santa Casa da Misericórdia do Espírito Santo

Na antiga fazenda do Campinho, doado por sua proprietária D. Maria de Oliveira Sutil à Irmandade da Misericórdia, foi construído o Hospital da Santa Casa

Ver Artigo
A Irmandade da Misericórdia do Espírito Santo

Em 1543 criava Brás Cubas, a primeira Confraria da Misericórdia. Fundaram-se depois, entre os anos de 1545 e 1551 a do Espírito Santo; em 1560 a de Olinda

Ver Artigo
A criação da Santa Casa de Misericórdia

Levy Rocha (Viagem de D. Pedro II ao Espírito Santo) parece endossar esta opinião, quando afirma que ela, a princípio, recebia doentes pobres e desamparados, passando depois a funcionar no Morro do Campinho

Ver Artigo
Palácio Domingos Martins

Construído em 1606 para abrigar a antiga Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, na Cidade Alta, Centro de Vitória

Ver Artigo