Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra do Diabo

Ilustração de Alexandre Augusto e Henrique Campaneli

A PEDRA DO DIABO localizada em Inhaguetá, na Estrada do Contorno, em Vitória.

Era uma vez um homem muito rico e avarento. Estava convencido de que não precisava de Deus, apenas do dinheiro.
Acreditava que os escravos vieram ao mundo para trabalhar, caso contrário, seriam castigados. Seus vizinhos, pobres devedores, iam perdendo terras e animais para esse pão-duro.
Chegou, porém, o castigo dos céus. Uma praga, nunca vista, começou a destruir suas fazendas. Ao ver seus rebanhos dizimados e suas plantações destruídas, o homem ficou desesperado.
Foi quando o Diabo lhe apareceu num sonho impondo-lhe o sacrifício do seu único filho, para que a praga fosse embora. O homem então poderia recuperar sua fortuna.
Ele acordou animado e contou para a mulher o sonho que tivera: “Podemos recuperar tudo!” Dizia ele. Ela, que amava muito o filho, tentou fazer marido mudar de idéia, mas não conseguiu. O homem enlouquecera.
Ela colocou no bolso da criança um retrato de Santo Antônio. Na noite seguinte, o velho convidou o filho para passear pelas fazendas. A meia noite o velho o abandonou sobre a pedra indicada pelo Diabo.
Surgiu então o Diabo para arrastar o menino à sua caldeira.
Apareceu, no mesmo momento, Santo Antônio que imediatamente riscou uma cruz na pedra, que afugentou o demônio, fazendo-o desaparecer numa nuvem de fumaça negra. Ainda hoje pode-se ver, sobre a pedra, a cruz riscada por Santo Antônio e as marcas dos pés do Diabo e do Santo triunfante.

 

Fonte:Lendas Capixabas,2004
Autor: Rodrigo Campaneli
Produção:Campaneli
Ilustração: Alexandre Augusto e Henrique Campaneli
Compilação: Walter de Aguiar Filho,abril/2011

 












Matérias Especiais

Pocou!!!

Pocou!!!

Em qualquer lugar do Brasil a bola ESTOURA; para o capixaba ela "POCA" (pronuncia-se "POCA", com enfase no "o", por sinal, "pocar" é um verbo que só existe na lingua Capixabesa: Eu poco, tu pocas, ele poca...).

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Madrugada Chuvosa – Por Areobaldo Lellis Horta

Falava-se, à boca pequena, haver o comandante do 3° Batalhão de Infantaria, recebido ordem para depor o presidente do Estado e ocupar o Palácio

Ver Artigo
Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo