Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Pedra do Diabo

Ilustração de Alexandre Augusto e Henrique Campaneli

A PEDRA DO DIABO localizada em Inhaguetá, na Estrada do Contorno, em Vitória.

Era uma vez um homem muito rico e avarento. Estava convencido de que não precisava de Deus, apenas do dinheiro.
Acreditava que os escravos vieram ao mundo para trabalhar, caso contrário, seriam castigados. Seus vizinhos, pobres devedores, iam perdendo terras e animais para esse pão-duro.
Chegou, porém, o castigo dos céus. Uma praga, nunca vista, começou a destruir suas fazendas. Ao ver seus rebanhos dizimados e suas plantações destruídas, o homem ficou desesperado.
Foi quando o Diabo lhe apareceu num sonho impondo-lhe o sacrifício do seu único filho, para que a praga fosse embora. O homem então poderia recuperar sua fortuna.
Ele acordou animado e contou para a mulher o sonho que tivera: “Podemos recuperar tudo!” Dizia ele. Ela, que amava muito o filho, tentou fazer marido mudar de idéia, mas não conseguiu. O homem enlouquecera.
Ela colocou no bolso da criança um retrato de Santo Antônio. Na noite seguinte, o velho convidou o filho para passear pelas fazendas. A meia noite o velho o abandonou sobre a pedra indicada pelo Diabo.
Surgiu então o Diabo para arrastar o menino à sua caldeira.
Apareceu, no mesmo momento, Santo Antônio que imediatamente riscou uma cruz na pedra, que afugentou o demônio, fazendo-o desaparecer numa nuvem de fumaça negra. Ainda hoje pode-se ver, sobre a pedra, a cruz riscada por Santo Antônio e as marcas dos pés do Diabo e do Santo triunfante.

 

Fonte:Lendas Capixabas,2004
Autor: Rodrigo Campaneli
Produção:Campaneli
Ilustração: Alexandre Augusto e Henrique Campaneli
Compilação: Walter de Aguiar Filho,abril/2011

 












Matérias Especiais

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte I

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte I

Pedro Álvares Cabral saiu de Lisboa a 9 de março de 1500, com 10 caravelas e 3 navios, tendo por guarnição 1.200 homens

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jerônimo Monteiro - Capítulo II

Na foto ilustrativa, o casal Francisco de Sousa Monteiro e Henriqueta Rios de Sousa, pais de Jerônimo Monteiro (fim do séc. XIX). APEES — Coleção Maria Stella de Novaes

Ver Artigo
Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte III

Conclui-se, afinal, que o navio em que viera Diogo Álvares (Caramuru) não ultrapassou a baía de Todos os Santos, onde naufragara

Ver Artigo