Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A pescaria do tatu - Por Sérgio Figueira Sarkis

Vista da enseada da Praia do Canto com a Ilha do Frade, à esquerda, e a Ilha do Boi, á Direita. Ao centro, as gaetas. Aquela menor, mais à esquerda, Foi onde

Foi realmente uma época muito romântica! O American Bar Michel estava em pleno vigor. Era o preferido de todas as moçoilas da época, que lá iam não só para os devidos flertes, como também e sempre para tomar o delicioso sorvete de coco verde — diga-se de passagem, criado por nós.

A regra para qualquer estabelecimento deste gênero, naqueles anos, era funcionar ao menos seis dias na semana, fechando geralmente na segunda ou terça, para limpeza e descanso. Começava às oito da manhã e terminava após a meia-noite, dependendo do número de fregueses renitentes.

Não é necessário dizer que, durante o dia, de segunda a sexta, o bar ficava às moscas. Mas tínhamos que permanecer abertos, pois, senão, daríamos a impressão de estarmos fechados também à noite.

Diante deste far-niente, combinei com alguns amigos que costumavam marcar presença por lá para papos, de arranjar um caiaque e varas de pesca, para irmos tentar a sorte na Ilha do Boi. Na época, realmente uma ilha, separada da de Vitória. A turma, formada por Nenel Miranda, Rodolfo Teixeira e Brasil Washington Araújo, topou a parada e, em torno das duas horas da tarde, saímos para a aventura.

 Nesta ocasião, Nenel trabalhava com o pai, o senhor Miranda, na venda de cal fabricada pelo mesmo na Ilha das Caieiras. Para não demonstrar ao pai que iria matar o serviço, preparou-se como se fosse trabalhar normalmente, colocando a roupa usual, só que com o calção por baixo.

Estávamos colocando os apetrechos no barco quando Nenel chegou. Apressado, tirou a roupa ali mesmo na calçada, em frente ao Michel. Justo naquele momento, passa por ali, na Avenida Saturnino de Brito, o ônibus do Colégio Sacré Couer, cheio de freiras e alunas. Elas quase desmaiaram ao ver aquele homem de cuecas, ao ar livre.

É que ele havia colocado a cueca samba canção por cima do calção. Nenel, tentando melhorar a situação, ao mesmo tempo em que gritava para elas que não era aquilo que estavam pensando, rapidamente, tirou a cueca. Aí, elas desmaiaram mesmo.

Passado o susto, entramos no barco e começamos a remar, rumo à Ilha do Boi. Embora o trecho fosse pequeno, a tarefa foi um pouco árdua para nós, marinheiros de primeira viagem. Quando passávamos próximos à Ilha do Frade, vimos a Gaeta de Fora ali existente, e resolvemos aportar na mesma, para iniciar a pescaria. Uma pequena explicação: gaeta é toda ilhota de pedra, sem vegetação, localizada em mar aberto e difícil para se encostar barcos.

Brasil Washington, com habilidade, conseguiu pular na pedra, enquanto nós tentávamos encostar o caiaque. Quando estávamos conseguindo, ouvimos os gritos do Brasil. Ele havia se distanciado, e estava nos chamando para ajudá-lo. Ao chegarmos mais próximos, fomos surpreendidos com a presença de um tatu na ilhota.

Foi um corre-corre danado! Tatu na frente e nós atrás com os remos, pedras, varas, para pegar o dito cujo. Após algum tempo, conseguimos acertar com o remo na cabeça dele. E agora: o que fazer? Pescar? Nem pensar! Amarramos o tatu com a corda da âncora, pois ele poderia ainda estar vivo, e empurramos o barco para fora, seguindo de volta à terra, já trocando ideias do como contar para os outros sobre o acontecido.

Afinal, saímos para pescar e pegamos um tatu. Colocamos as linhas n'água e fisgamos um tatu. Neste meio tempo, o tatu acordou e desvencilhou-se das cordas. Pulamos fora e passamos a empurrar o bote, nadando ao seu lado. O tatu, fagueiro, parecia o Capitão Gancho comandando a embarcação.

Após algum tempo e muito esforço, chegamos à praia. Pegamos um saco no bar e colocamos o tatu dentro dele. Nem bem tínhamos terminado, a notícia já tinha corrido celeremente. Todos queriam ver a caça. O Bar Michel nunca teve um movimento tão bom à tarde quanto aquele.

Resolvemos comer o tatu naquele mesmo dia e procuramos o melhor cozinheiro de caça da época: Pedrinho, chofer do senhor Xinga Tommasi, antes de ser dono do melhor restaurante de frutos do mar da época. Foi uma festa memorável!

 

 

Fonte: No tempo do Hidrolitol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2019

Especiais

Açorianidade Capixaba

Açorianidade Capixaba

O escritor açoriano Vitorino Nemésio (1901-1978), por ocasião do V Centenário do Descobrimento dos Açores (1932), instituiu o termo “Açorianidade” para conceituar a força e a autenticidade do povo açoriano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VI

Em 1530 partiu de Lisboa Martim Afonso de Souza, comandando uma esquadra composta de cinco navios, que vinha ao Brasil guardar as suas costas 

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte IV

A 8 de outubro de 1515, João Dias de Solis, pela segunda vez, era autorizado por D. Fernando de Castela e Aragão a explorar toda a costa sul do Brasil

Ver Artigo
Ano de 1552 e 1553– Por Basílio Daemon

Afonso Brás nunca mais de lá saiu nem aqui voltou, e tendo ali falecido, foi enterrado no Colégio de São Tiago que ele como outros fundaram   

Ver Artigo
Estudo Introdutório ao livro de Daemon – Por Estilaque Ferreira dos Santos

Foi Basílio Daemon quem de fato levantou pela primeira vez, e de forma consequente, a problemática da “descoberta” inicial do Espírito Santo

Ver Artigo
Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo