Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Província no Império

Vitória no século XIX - Pintura do Acervo do Museu Solar Monjardim

No período monárquico imperial o capixaba se aperfeiçoou politicamente, criou consciência cívica, clamou pelo progresso moral e material, mas os recursos financeiros estavam na dependência de sua economia rural estacionária, senão, em decadência. Não havia indústria. Os engenhos diminuíam em número e os alambiques de cachaça mal produziam para o consumo. O algodão, cujo plantio hoje não passa de reminiscência, foi fonte de renda apreciável na era colonial. Fiava-se em casa e era ocupação das mulheres a tecerem seus panos grosseiros, exportando alguns para a Bahia e Rio de Janeiro. A produção principal era a da farinha de mandioca, cuja fama se firmava, notadamente, a de S. Mateus e Conceição da Barra. O corte de madeira tornava-se difícil e a exploração para construção naval embaraçada por leis restritivas. O café mal produzia as primeiras arrobas, e reclamava mão-de-obra e estradas. A Província se embaraçava em problemas graves. O povo pedia, a Assembleia Provincial vociferava, os presidentes relatavam com fulgor literário tudo de que a Província carecia. Contudo, a cidade de Vitória continuava a se tornar cada vez menos habitável. A Província viveu décadas dos favores minguados da Coroa a cobrir-lhe parte dos débitos orçamentários.

Percorreu o Espírito Santo e, consequentemente, sua Capital, anos obscuros até o início da República, quando, por coincidência, as colônias extralitorâneas começaram a produzir as primeiras safras ponderáveis de café, fonte de riqueza e amargura também para Estados monocultores. Mas, com todos os tropeços de sua pobreza econômica e financeira, a cidade foi-se enriquecendo de repartições públicas e agitando-se politicamente.

 

Fonte: Biografia de uma Ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

História do ES

Bandeirantes esquecidos – População

Bandeirantes esquecidos – População

Domingos Fernandes Barbosa Pita Rocha operava no comércio de Minas Gerais que se fazia pelo Rio Doce para os portos do Espírito Santo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo