Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Revitalização do Cais de Minério

O presidente Eurico Dutra (primeiro à direita) visita o Cais de Minério, com o governador Carlos Lindenberg (chapéu branco), em 1947 - Fonte: Mazzei / Arquivo Público

Antever uso digno para o Cais de Minério não é difícil. O projeto de restauração certamente contemplará questões urbanísticas, paisagísticas, arquitetônicas, de iluminação cênica para que ele se destaque mais ainda no entorno da baía de Vitória.

Também não é complicado imaginar as pessoas, a partir do Museu Vale, visitando a antiga estação da Leopoldina, que um dia também será restaurada, e depois caminhando pelo leito desativado da via férrea, devidamente protegidas por guarda-corpo seguro e esteticamente adequado. Elas contemplarão Vila Velha e Vitória a partir do belíssimo viaduto em curva fincado na rocha viva. E enriquecerão o corpo e a alma, após magnífico passeio pela natureza e pela história.

Aqui cabem perguntas essenciais: a quem pertence o Cais de Minério? Quem assumirá sua revalorização? A providência não implica em investimentos muito elevados, que podem ser feitos por etapas. Por especial favor da sorte, o aproveitamento das antigas instalações portuárias para incrementar iniciativas culturais, de lazer e turísticas em nada interferirá nos espaços atuais da movimentação de cargas, devido às alturas diversas em que se situam.

O Cais do Atalaia serviu para trazer progresso material para o Brasil ao gerar muitas divisas. Agora as mesmas edificações incentivarão na gente capixaba outro tipo básico de progresso — o do espírito — ao harmonizar o desenvolvimento cultural com o econômico e elevar nossa autoestima, ações essenciais para que tenhamos existência mais produtiva e com melhor qualidade. Quando receber visitantes em ambiente aprazível, aquele local voltará a ser um dos mais relevantes cartões postais do Estado.

História é vida. O valioso conjunto de obras da engenharia, ora desprezado, merece uma revitalização competente para de novo servir à sociedade. Depende apenas do empenho dos capixabas e dos seus dirigentes. Se não formos omissos, o extinto Cais de Minério se transformará em fecundo Cais de Histórias, pleno de cultura, lazer e turismo. Um porto a mais para ancorarmos nosso amor pela baía de Vitória.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, História, 31/01/2015
Autor: Fernando Achiamé

Portos do ES

O regime militar e a abertura ao capital estrangeiro

O regime militar e a abertura ao capital estrangeiro

Logo após a posse do marechal Humberto Castelo Branco na Presidência da República, foi constituída uma comissão interministerial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A criação da Vale - Parte III (História da Vale)

A CVRD seria constituída como uma sociedade anônima, de economia mista, com capital inicial de 200 mil contos de réis. Sua diretoria seria composta por cinco membros: um presidente e dois diretores de nacionalidade brasileira e mais dois diretores norte-americanos

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte I (História da Vale)

Em 1º de junho de 1942, o Brasil estava imerso em uma crise institucional que tinha como ponto central a decisão sobre a entrada do país na Segunda Guerra Mundial

Ver Artigo
A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Ver Artigo
Corredor de Transportes, impulso para crescer

Corredor de Transportes, Uma ferrovia, sete portos e uma esperança

Ver Artigo
Novo barão explorou areias monazíticas até em Vitória

As jazidas com maior atividade ficavam em Carapebus, na Serra, mas também há registros de retirada de areia em Vitória

Ver Artigo