Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Voz do Gigante – Por Maria Stella de Novaes

Fazenda Monte Líbano - Foto: Euthychio dOlivier, 1908 - Fonte: José Luiz Pizzol no FB

Recolhemos esta lenda, em nossa infância, quando, na Fazenda Monte-Líbano, em Cachoeiro de Itapemirim, íamos, à tarde, passear, no Caminho-da-Roça, estrada de acesso à colônia italiana, encarregada de cultivar os cafezais, após a Abolição.

Era maravilhoso o panorama que se nos deparava: — desfiladeiros escuros, tomados ainda pela mata virgem, entre montanhas em cujas escarpas se ostentavam os alinhados cafezais promissores de farta colheita. — "No fundo, — dizia-nos a senhora acompanhante, — estão os sacis, que, à noite, vêm guardar as estradas". (O "fundo" eram os desfiladeiros).

Entre essa verdura de serranias, destacava-se um cabeço inacessível, em virtude das lajes que o revestiam. Era o "Morro-do-Gigante", conforme nossa guardiã. Morava ali, enclausurado, um poderoso gigante, personagem fabulosa, que destruiria todo o trabalho humano, caso a terra tremesse, porque as lajes, desprendidas, o libertariam. Deus o havia segregado, providencialmente, para que o homem pudesse viver e prosperar, naquela região bela e fértil. O gigante, porém, respondia, só duas vezes, ao que lhe gritavam.

Então, as crianças "faziam canudo", com as mãos, e experimentavam:

— Oh!...

O eco repetia: — Oh!... Oh!...

— Vamos!...

— Vamos! Vamos!...

O gigante continua enclausurado, nas lajes das escarpas, no Monte Líbano.

Representa, decerto, esta lenda, o avanço da civilização, através da História. Os seres fantásticos, na imaginação popular, vão-se afastando, à medida que o homem desbrava a terra, para cultivá-la, estabelecer sua residência, abrir novos rumos à vida.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2016

Folclore e Lendas Capixabas

Ilha do Boi – Por Adelpho Monjardim

Ilha do Boi – Por Adelpho Monjardim

Hoje, ligada a Vitória, a Ilha do Boi perdeu as suas características, formando um dos seus mais belos e pitorescos bairros 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Fantasmas no Adro Esquecido – Por Adilson Vilaça

Nossa Senhora da Conceição disse que não. Fez ouvidos moucos ao derradeiro ofício e recusou-se ir para a igreja do Rosário dos Homens Pretos

Ver Artigo
Juparanã – Por Maria Stella de Novaes

A Lagoa Juparanã está saturada de fantasia, criada pela imaginação do povo, e que se tem perpetuado, através das gerações

Ver Artigo
A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo