Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

Chafariz da Fonte da Capixaba

Os presidentes da Província se diferenciaram dos antigos capitães-mores e governadores, pelo nível cultural e espírito democrático. Houve muitos que alcançaram projeção no Império. Mas, pouco fizeram em benefício da administração provincial. Analisaram, escreveram relatórios minuciosos, apontaram necessidades básicas, enalteceram a exuberância do solo e suas possibilidades mas os resultados práticos foram diminutos. Os gabinetes ministeriais ensurdeciam-se às vozes do Espírito Santo: utilizavam-no para premiar amigos. A pequena densidade demográfica e o mutismo da bancada, nas duas câmaras do Império, não intimidavam os ministérios. José Bernardino Batista Pereira, deputado pela Província, em 1828 foi feito ministro da Fazenda; nem, ao menos, melhorou a dotação orçamentária para as necessidades primárias da unidade, que o elegera. No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo. Podiam conhecer, de fato, as necessidades da Província e provê-las em ordem de prioridade? Materialmente impossível, A instrução pública, a mais barata atribuição do governo naquela época, pela pouca exigência pedagógica, seduziu todos os presidentes, porém, com resultados ínfimos. Os pais sonegavam os filhos pá escola; preferiam-no ao cabo da enxada. Professores eram poucos e ruins. Os ordenados não compensavam.

As estradas, depois do sistemático Francisco Alberto Rubim, eram lembradas como necessidade de Estado, mas, ninguém se atrevia a construí-las. O conselheiro José Fernandes da Costa Pereira, quando presidente em 1864, aproveitando o entusiasmo que o cargo de Ministro da Agricultura lhe deixara, atirou-se à tarefa de interligar o sertão com a Capital. Mal pôde construir o caminho para Santa Leopoldina, chegando pouco além de Mangaratiba. O aproveitamento do Rio Doce escoadouro natural da zona mineira, tributária respectiva da bacia, não passou de sonho lírico, superior à compreensão e inteligência administrativa do governo monárquico. Em nada aproveitaram à Província homens da estatura de José Tomás Nabuco de Araújo, Pedro Leão Veloso, Herculano Marcos Inglês de Souza, Martim Francisco Ribeiro de Andrade Júnior, e tantos outros, que mal tiveram tempo de se ambientarem no palácio. Governo é o resultado da continuidade executiva de um plano.

 

Acontecimentos da Época Monárquica

Alfândega

Em 10 de janeiro de 1820, instala-se a Alfândega de Vitória, cuja primeira sede foi no fortim do Carmo ou São Diogo, mudando-se pouco tempo depois, para o convento do Carmo, já transformado em quartel da tropa de linha. Em 1875 adquire sede própria, onde se acha a Guardamoria. Foi armazém do Dr. Florêncio Francisco Gonçalves, inspetor da Saúde Pública e ex-médico das tropas em operação no Paraguai.

Ururau

O brigue de guerra “Ururau”, no dia da procissão do “Corpus Christi”, em 1827, ancorou em Vitória. Recrutava voluntários para a campanha Cisplatina. Ao anoitecer, quando a procissão passava pela Misericórdia, junto ao Palácio, estabeleceu-se em terra, pânico doloroso: os marinheiros, ajudados por soldados do comandante das Armas, Francisco Antônio de Paula Nogueira da Gama, aproveitando o respeito pela função religiosa, deram-se a prender, indistintamente, moços e velhos, livres e escravos, embarcando-os em batelões atracados no Cais das Colunas. O pânico foi de tal ordem que abandonaram o andor de S. Jorge, em plena praça. Recolheram-no à Cadeia Pública, donde só foi transladado em 1864. Por muitos anos se deixou de realizar a maior festa religiosa da igreja cristã em Vitória. O acontecimento foi narrado pelos cronistas com muita paixão.

Chafarizes

Acióli de Vasconcelos foi quem mandou construir o pórtico protetor da nascente potável da Fonte Capixaba. A obra teve início em 12 de fevereiro de 1828 e o executor foi Francisco Pinto de Jesus, mestre pedreiro. A água era abundante, fresca e pura, com a mata que vicejava, no desfiladeiro do morro da Vigia, a garantir-lhe a perenidade, As tomadas d’água da Lapa e da Fonte Grande foram refeitas, por sua vez, na mesma ocasião.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2012 

Variedades

Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos da Época Monárquica no ES

No regime monárquico, que durou sessenta e sete anos, nada menos de noventa e seis presidentes, entre efetivos e substitutos, governaram o Espírito Santo

Ver Artigo
Regência - Por Rubem Braga (1949)

Os motores novos pulsam no rio, a estrovenga limpa o mato, os americanos fazem contratos, os baianos chegam ávidos de dinheiro

Ver Artigo
O Dia Internacional da Mulher - Origem

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco. Comemoramos esse dia com vocês, pois sabemos que fazemos parte da vida de um grupo de mulheres especiais

Ver Artigo
Escotismo – Legislação no Estado do ES, 1930

O senhor Dr. Attilio Vivacqua, alma do escotismo espírito-santense e aos chefes Gabriel Skinner e Eurico Gomide

Ver Artigo
A História do Carnaval

Foi em fins do século XIX e início do séc. XX que o carnaval do Brasil começou a conquistar fisionomia própria: nessa época já declinava o carnaval europeu

Ver Artigo