Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Adolfinho, tipo popular - Por Elmo Elton

Cemitério de Santo Antônio 1940

Alto, forte, feio, lento, morava no bairro de Santo Antônio, então o "paraíso" de inúmeros tipos populares. Tinha cabeça raspada, andava sempre descalço, mas de roupa limpa. Fazia biscates.

Era do conhecimento público que ensandecera pegando touro à unha para o Matadouro Municipal, localizado no Porto de Santana. Numa dessas ousadas pelejas, levara tamanha chifrada na cabeça, que, daí para diante, nunca mais teve juízo perfeito.

A característica principal de Adolfinho era salientada no carnaval, quando preparava, com desvelo, uma "burrinha" que iria ficar famosa nos festejos momescos de Santo Antônio e centro de Vitória. Nesses dias, encarnava-se na burrinha, virava a própria burrinha, era a burrinha.

Em certo carnaval, depois de umas boas pingas (só bebia nessa época), sentiu-se mais burrinha que das outras vezes e começou a empinar-se e a rinchar como o dito animal. De repente, mandou que os que o circundavam saíssem da frente que a burrinha iria derrubar uma cerca próxima. Dito e feito. Desembestado contra o cercado de madeira, aquela massa de carne humana rompeu com todo o madeirame, zurrando e dando coices. Acabou machucadíssimo, sendo levado para o hospital vizinho, desfalecido.

Era educado. Falava pouco, voz dócil. Um ingênuo. No final da vida, andava com o auxílio de duas muletas, já que as pernas mal lhe aprumavam o corpo pesado. Faleceu, um traste humano, na década de 60. (Informação de Marco Del Maestro.)

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Literatura e Crônicas

Devaneio

Devaneio

Muito se falou essa semana, em toda mídia, sobre a música Devaneio. Leia a crônica de seu autor, Cariê Lindenberg

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Ver Artigo
Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso

Ver Artigo
Quarta-feira no Parque - Por Maria Helena Hees Alves

Admiro as peças antigas que o Parque ainda guarda: um sinaleiro apagado, um chafariz sem água e um relógio parado

Ver Artigo
Fumaça nos meus olhos - Por Marzia Figueira

A jovem de longo vestido branco, em renda e tule,...correm os anos dourados, suave é a noite, o salão é do Clube Vitória e a debutante sou eu...

Ver Artigo
O Fim - Por Maria Amélia Dalvi

A imagem mais recorrente quando eu pensava nele era: nós dois prendendo as bicicletas com correntes nas calçadas da Rua Sete

Ver Artigo