Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Agricultura no ES – Século XIX

Madniocas

A maior parte da população dedicava-se à agricultura, rudimentarmente praticada. Principais produtos: cana-de-açúcar, mandioca, algodão, milho, café, feijão e arroz. Para a cultura do arroz preferiam as terras baixas e alagadiças; matos virgens para a mandioca. Quanto às mais plantações, qualquer terreno era considerado bom.(60)

Em média, uma sesmaria de meia légua quadrada valia 500$000. A colheita se fazia “sem a menor arte” e os transportes usados eram o carro de bois, bestas, cavalos e canoas. Os instrumentos empregados pelos lavradores nos seus misteres: enxadas, foices, facões e machados.

Observou o presidente que “os agrícolas pouco ou nada se empregam em plantas alimentares, sem embargo – acrescentou – fazem alguns mais curiosos suas plantações de abóboras, alfaces, batatas, couves, ervilhas, favas, mostardas, inhames, repolhos, pepinos, melões, melancias, ananazes, mandubis, gergelins, bananeiras de árvores frutíferas (sic), laranjeiras, limeiras, limoeiros, cidreiras e figueiras, mangueiras, jaqueiras, romeiras, tamarindos, coqueiros de diferentes qualidades, sendo espontâneas as goiabeiras e cajueiros, agriões, beldroegas, bredos, serralhos e erva moira”.

Adotavam-se viveiros apenas para as mudas de café e tabaco.(61)

A preparação das terras para lavoura continuava a se basear no machado e no fogo, ignorando-se a existência dos adubos e a necessidade das reservas florestais. Não obstante a incipiência dos métodos, a terra – dadivosa e boa – recompensava generosamente o trabalho do homem: o alqueire de arroz produzia cem; o de milho, cinqüenta; o de feijão, quarenta.

 

NOTAS

(60) - “As primeiras plantações se fazem de março até abril, e as segundas de setembro até outubro, não esquecendo a lua nova que muitos querem que influa nelas” (INÁCIO ACIÓLI, Memória).

(61) - Referindo-se ao café, dizia a Memória que o “desta Província não é o melhor”. Quanto ao tabaco, anotou: “Também se cultiva no país, sendo tão pouco que é gênero que ainda se importa”.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Motins e desatinos no ES, anos 20 do século XIX

Motins e desatinos no ES, anos 20 do século XIX

José Marcelino de Vasconcelos – Sargento-mor de Artilharia de Linha, servia no Espírito Santo como oficial de Engenharia, em comissão 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo
Milagres Acontecem - Por Geert Banck

Estamos todos na sala de um sítio de Alto Corumbá, no município de Castelo, Espírito Santo

Ver Artigo
De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício na parte lateral da tulipa

Ver Artigo
Por que Canela-Verde?

O nome canela-verde era dado exclusivamente ao cidadão nascido na sede de Vila Velha, estendendo-se hoje para os de todo o município. O termo canela-verde tem sua origem nos portugueses 

Ver Artigo
Abastecimento d’água na década de 50 - Por Celso Caus

Reversão e transferência dos serviços públicos de água e esgotos da Prefeitura de Vitória para o Estado. Criação do Departamento de Água e Esgoto (DAE)

Ver Artigo