Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Agricultura no ES – Século XIX

Madniocas

A maior parte da população dedicava-se à agricultura, rudimentarmente praticada. Principais produtos: cana-de-açúcar, mandioca, algodão, milho, café, feijão e arroz. Para a cultura do arroz preferiam as terras baixas e alagadiças; matos virgens para a mandioca. Quanto às mais plantações, qualquer terreno era considerado bom.(60)

Em média, uma sesmaria de meia légua quadrada valia 500$000. A colheita se fazia “sem a menor arte” e os transportes usados eram o carro de bois, bestas, cavalos e canoas. Os instrumentos empregados pelos lavradores nos seus misteres: enxadas, foices, facões e machados.

Observou o presidente que “os agrícolas pouco ou nada se empregam em plantas alimentares, sem embargo – acrescentou – fazem alguns mais curiosos suas plantações de abóboras, alfaces, batatas, couves, ervilhas, favas, mostardas, inhames, repolhos, pepinos, melões, melancias, ananazes, mandubis, gergelins, bananeiras de árvores frutíferas (sic), laranjeiras, limeiras, limoeiros, cidreiras e figueiras, mangueiras, jaqueiras, romeiras, tamarindos, coqueiros de diferentes qualidades, sendo espontâneas as goiabeiras e cajueiros, agriões, beldroegas, bredos, serralhos e erva moira”.

Adotavam-se viveiros apenas para as mudas de café e tabaco.(61)

A preparação das terras para lavoura continuava a se basear no machado e no fogo, ignorando-se a existência dos adubos e a necessidade das reservas florestais. Não obstante a incipiência dos métodos, a terra – dadivosa e boa – recompensava generosamente o trabalho do homem: o alqueire de arroz produzia cem; o de milho, cinqüenta; o de feijão, quarenta.

 

NOTAS

(60) - “As primeiras plantações se fazem de março até abril, e as segundas de setembro até outubro, não esquecendo a lua nova que muitos querem que influa nelas” (INÁCIO ACIÓLI, Memória).

(61) - Referindo-se ao café, dizia a Memória que o “desta Província não é o melhor”. Quanto ao tabaco, anotou: “Também se cultiva no país, sendo tão pouco que é gênero que ainda se importa”.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2018

História do ES

Museu Homero Massena

Museu Homero Massena

A desapropriação da residência do pintor Homero Massena e a instalação de um Museu Atelier naquele espaço na Prainha foi sonho e luta antiga, iniciada pela viúva do artista, Dona Edy Massena

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Capitanias Hereditárias

Quando Vasco Fernandes Coutinho chegou à sua capitania, 35 anos após o descobrimento, todo o litoral brasileiro já era conhecido pelos principais navegadores europeus. Em 1501, o rei D. Manoel organizou uma frota de três caravelas com a missão de fazer a primeira exploração de todo o litoral das terras enunciadas por Cabral, cujo comando principal entregou ao experiente navegador português , Gonçalo Coelho...

Ver Artigo
A Reforma do Ensino Público na era Muniz Freire

Em substituição ao Colégio Nossa Senhora da Penha e ao Ateneu Provincial foram criadas em Vitória duas novas Escolas Normais

Ver Artigo
Entre a Militância e o Clientelismo - Por Geet Banck (Parte IV)

Em 1977 um grupo de 34 famílias invadiu o manguezal e construiu em São Pedro barracos improvisados

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte I)

Uma análise dos resultados um tanto surpreendentes das eleições de 1988 para o cargo de prefeito de Vitória

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte II)

As eleições de 1988 para as prefeituras municipais brasileiras redundaram num notável avanço do Partido dos Trabalhadores

Ver Artigo