Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ainda Vasco Coutinho Filho

Guerreiro preparado para o combate

Descimento de índios – O que não cessava nunca era o descimento dos índios. Em 1573, Belchior de Azeredo fez uma excursão pelo interior levando a guerra às tribos inimigas. Em sua companhia, vieram para o litoral, voluntariamente, mais de duzentos.(35) De outra feita, em 1575 ou 1576, um padre da Companhia desceu mil índios do sertão.(36) Aqui, como alhures, eram aproveitados pelos jesuítas nos trabalhos das suas lavouras.

Nova arremetida dos franceses – Em 1581, quando três naus francesas investiram contra a capitania, foram os catecúmenos aldeados pelos inacianos que saíram a campo em defesa da terra, matando e ferindo a muitos dos assaltantes. “Os moradores, atemorizados, não acharam quem os defendesse senão quase só, diz Anchieta, os índios das aldeias jesuíticas”.(37)

Também os ingleses experimentam – Dois anos depois, coube aos ingleses pregar um susto a Vasco Coutinho (filho) e sua gente. Surgindo frente ao Espírito Santo, as três naus de que se compunha a expedição dispararam às doidas e fizeram-se de novo ao Oceano.(38)

Nesse mesmo milésimo de 1583 irrompe “grave discórdia entre o governador e o povo”. A intervenção conciliatória de Anchieta pôs fim ao conflito,(39) cujos motivos ficaram ignorados.

 

NOTAS

(35) - LEITE, HCJB, I, 232.

(36) - Brasiliae Historia 1549-1599, apud LEITE, HCJB, I, 232.

– O padre HÉLIO VIOTTI, narrando a vida de Diogo Fernandes, também jesuíta, informa que este “entrara sete ou oito vezes pelo sertão, entradas até de 180 léguas e das quais uma delas durou oito meses, descendo das montanhas dos atuais Estados de Minas e Goiás, para a orla marítima quantidade de mais de dez mil almas” (Anchieta, 215).

– Diogo Fernandes é o primeiro padre da Companhia de Jesus nascido no Brasil. Os assentamentos da Ordem davam-no natural de Porto Seguro. Posteriormente, porém, fixaram o Espírito Santo como sua terra natal. SERAFIM LEITE reuniu os dados essenciais de sua biografia no capítulo 5 (Primazias, das suas Novas Páginas de História do Brasil).

(37) - Apud LEITE, HCJB, I, 219.

(38) - LEITE, HCJB, I, 219.

(39) - LEITE, HCJB, I, 225. Embora se aceite, em princípio, a informação veiculada pelo padre Serafim Leite, de que a rusga entre Coutinho (filho) e seus jurisdicionados fora sanada por Anchieta, recorde-se que, naquele ano, isto é, em 1583, Anchieta devia estar no Rio de Janeiro, segundo a biografia da lavra de Simão de Vasconcelos. Entretanto, cumpre acentuar, ainda uma vez, que Serafim Leite é a maior autoridade contemporânea em assuntos ligados à história jesuítica no Brasil.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

Vasco Fernandes Coutinho

A doação da ilha de Vitória - Considerações iniciais

A doação da ilha de Vitória - Considerações iniciais

A Carta Régia de 1549 sobre a doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos por Vasco Fernandes Coutinho

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Crise – Armando os engenhos

Basta dizer que, em 1552, a capitania não rendia o suficiente para pagar ao padre Gomes Ribeiro

Ver Artigo
Ainda a carta de delação de Duarte de Lemos

Vem, a seguir, a delação da fuga de Coutinho para a França, que calamos por inconseqüente

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo