Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Anchieta - Símbolo da fé no Brasil

Símbolo de fé no Brasil

O município de Anchieta foi onde o beato José de Anchieta deu seus primeiros passos no Espírito Santo.

A cidade começou como uma aldeia indígena da tribo Reritiba, fundada pelo então padre Anchieta, em 1561.

Além do trabalho de catequização dos índios, também foi em Anchieta, para onde o padre se mudou definitivamente em 1587, que ele produziu grande parte de sua obra literária e dramática, sendo considerado o pioneiro na literatura nacional.

Nascido em 1534, em La Laguna de Tenerife, nas Ilhas Canárias, José de Anchieta estudou na Universidade de Coimbra e veio ao Brasil em 1553, para auxiliar a Companhia de Jesus, em São Paulo.

Lá, o padre dedicou-se à alfabetização dos filhos dos colonos e dos índios, sendo o primeiro professor brasileiro. Desde então, começou a estudar a língua indígena, chegando a escrever uma gramática e um vocabulário tupi.

Em 1589, foi nomeado superior da Província do Espírito Santo, onde ficou até sua morte, em 1597. Antes disso, percorreu o litoral capixaba, catequizando os índios. Em junho de 1980, o padre foi beatificado pelo papa João Paulo II, por causa de vários milagres atribuídos a ele. Hoje, um grupo luta pela canonização.

Todos os anos, andarilhos percorrem os 105 quilômetros entre os municípios de Vitória, Vila Velha, Guarapari e Anchieta, pelo litoral, refazendo o caminho que o beato percorreu no Estado. A maioria deles se une no evento organizado pela Associação Brasileira dos Amigos dos Passos de Anchieta (Abapa).

O beato se tornou símbolo da catequese no Brasil e referência por suas contribuições literárias, inclusive com poesias e obras teatrais, que usava nas pregações aos nativos, tendo produzido também um dicionário de tupi/guarani.

Com a expulsão da Companhia de Jesus das terras portuguesas em 1759, a aldeia de Reritiba se tornou a Vila Nova de Benevente.

O local cresceu a partir da chegada dos italianos, pelo porto de Benevente, entre os anos de 1874 e 1895. Além do município de Anchieta, a vila também deu origem aos municípios Alfredo Chaves, Piúma e Iconha.

Rio na história da imigração

O rio Benevente foi caminho de entrada para as primeiras colônias de italianos que chegavam ao sul do Estado. Buscando terras para plantio e fugindo do ataque de índios, eles subiam o rio para se fixarem nos vales mais altos, onde hoje está Alfredo Chaves.

A colonização do município de Alfredo Chaves começou no século XIX por portugueses, quando Dom Pedro II doou ao guarda de honra da corte, o português Augusto José Álvares e Silva, 500 alqueires de terra.

De acordo com registros históricos da Prefeitura de Anchieta, quando o português morreu, a mulher dele doou parte das terras para os escravos que não tinham moradia, e a área passou a ser chamada de “Povoado de Nossa Senhora da Assumpção”. Mais tarde, com a chegada dos jesuítas a Benevente (atual Anchieta), passou a ser chamado de “Povoação de Nossa Senhora da Conceição”.

Os italianos chegaram em1877. Eles subiam o rio em canoas até o povoado de Alto Benevente. Alguns europeus, com medo do ataque dos índios, continuaram subindo o rio, para se instalarem em uma área mais elevada, batizada de Vila de Todos os Santos.

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rios de Guarapari, Rio Benevente e Rio Novo  09/09/2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaborador de texto: Flávia Martins
Diagramação: Carlos Marciel Pinheir
Edição de fotografia: Sérgio Venturin
Autor: Gleberson Nascimento
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2016 

Religiosos do ES

Exposição Online - O Capitão e o Santo

Exposição Online - O Capitão e o Santo

Admira-se a capacidade de Anchieta de aproximar-se dos índios, de atraí-los com sua bondade falar-lhes em sua própria língua, desdobrar-se para protegê-los dos abusos, da exploração e dos maus tratos infligidos pelos colonos

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Belezas naturais na Bacia Hidrográfica do Rio Benevente

A natureza foi generosa com os municípios que formam a Bacia do Rio Benevente. Em seu curso, estão belas cachoeiras e um famoso litoral, que movimentam o turismo de aventura, o ecoturismo e o agroturismo

Ver Artigo
Rios Iconha e Novo: união faz a diferença

Da junção dos dois rios surge o Piúma, que desempenha papel fundamental na sobrevivência dos pescadores da região

Ver Artigo
Guarapari, rios pequenos e importantes

Os mananciais que formam a bacia de Guarapari têm manguezais, passam em área de preservação e são essenciais ao abastecimento

Ver Artigo
Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Benevente mostra resultados

O comitê do rio Benevente é o primeiro do Estado a iniciar a discussão para elaboração de um plano de bacia

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Anchieta, Cultura e Santidade

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa 

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
Anchieta e Balleur – Por Levy Rocha

Realidade ou invencionice, verdade é que tão grande e admirável se tornou a vida do taumaturgo que ela não se transforma com esse episódio

Ver Artigo