Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano da França no Brasil

Colégio dos Maristas, tradição francesa no ES, década de 1970 - Acervo João Emílio

Neste ano de 2009, em que temos ano da França no Brasil, com a visita do presidente Sarkozy, o acordo militar brasil frança, conheça mais sobre a influência da França no Espírito Santo.

Por ser o Brasil vizinho indireto da França, devido a Guiana Francesa, que é considerado um Departamento Ultramarino francês, essa potência mundial tem grande interesse pelo Brasil. Daí dá para entender as relativas facilidades nos acordos em curso.

E no caso da influência da França em Vila Velha, temos a presença do Colégio Marista, dado que a ordem dos Irmãos Maristas das Escolas foi fundada na França, e por aqui atuaram alguns irmãos franceses, como o Irmão Claudino e o Irmão George Louis Barberet.

Cabe sempre divulgar que o fundador dos Maristas foi o Padre Champagnat, francês, que viveu o período revolucionário e a época napoleônica. Ele era um seminarista que com alguns colegas se consagraram a Virgem Maria, a semelhança que fizera Inácio de Loyola quando fundava a Companhia de Jesus (Jesuítas).

Champagnat ficara penalizado com a situação degradante da juventude em sua época, e resolveu fundar escolas a serem dirigidas por irmãos educadores religiosos. Com o sucesso que teve, sem contar com inúmeras e imensas dificuldades, antes de morrer viu seu projeto vigorar e ir expandindo para outros países.

Em Vila Velha, a rua onde fica o Colégio N.S. da Penha, leva seu nome: Av. Champagnat, que tem toda uma história. Ele nunca veio ao Brasil, é bom frisar.

No final do século XIX, D. Silvério Arcebispo de Mariana - MG, convidou a Congregação para que viesse abrir escolas, e assim desembarcaram em Santos e seguiram para Congonhas do Campo onde iniciaram seu trabalho no país, que logo foi espalhando-se.

Em Vila Velha iniciaram o ensino em meados dos anos 50 do século XX, por esforço inicial do antigo Prefeito Municipal Domício Mendes. Há toda uma história a contar.

Como na Europa a Congregação cresceu também na Itália e na Espanha, muitos irmãos que atuaram em Vila Velha eram italianos ou espanhóis e em número muito maior que de franceses, sem contudo a influência da França esmoreçer, como em toda educação nacional acontecia.

 

Por: Roberto Brochado Abreu. Membro da Casa da Memória de Vila Velha. (08/09/2009)

Editor Roberto Abreu

A voz de Vila Velha

A voz de Vila Velha

Havia uma corneta no telhado do Dispensário na Prainha, e outra, no alto da obra paralisada do edifício Elisa, na esquina da rua Cabo Aylson Simões com a Avenida Jerônimo Monteiro no Centro de Vila Velha. Havia fio que ia da Prainha até lá!

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Apelidos em Vila Velha

Os canela verde não eram fáceis, impiedosos e colocavam facilmente apelidos

Ver Artigo
Rua do Sacramento

Contando-se a história de logradouros antigos de Vila Velha, conta-se a história do respectivo bairro, e assim por diante até chegar-se à história do Município a partir de seus moradores

Ver Artigo
Capelão da Marinha

Neste ano em que a Marinha capixaba completa 60 anos (dezembro de 2010 ), vale a pena conhecer a biografia do Padre Monsenhor Herbert Victor Burns, que foi capelão da EAMES.

Ver Artigo
Grutas de Vila Velha

É bom frisar que gruta não chega ser uma caverna. Elas sempre provocam alguma curiosidade no ser humano. A gruta mais famosa de Vila Velha é a de Frei Pedro Palácios, na Prainha, junto ao portão antigo do Convento, que a utilizou a partir de 1558 quando aqui chegou, com a idade de cerca de 58 anos, um ancião para os padrões da época...

Ver Artigo
Ilha Maria Catoré

É uma ilha que fica em frente da EAMES – Escola de Aprendizes de Marinheiros do ES, na Prainha, desprovida de vegetação...

Ver Artigo