Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

Início da Carta Régia de 1549 sobre a doação da Ilha de Santo Antônio a Duarte Lemos, por Vasco Fernandes Coutinho

1539. Neste ano estabeleceu-se Pedro da Silveira nas terras que lhe foram doadas, que julgamos ter sido no município de Itapemirim, no lugar denominado Caxanga,(31) e onde por muito tempo se viam ruínas de antiga povoação. Alguns cronistas querem que fosse esse estabelecimento perto das margens do rio Itabapoana, mas outros o dão a cinco léguas da donataria de Pero de Góis.

1540. Vivendo Pero [de] Góes em sua capitania da Paraíba do Sul, por espaço de dois anos em paz com os índios goitacases e outros, vê-se forçado a romper com eles, visto os contínuos ataques que deles sofria. Refugiando-se em Santa Catarina das Mós, na nova povoação ali levantada a duas léguas do rio Itabapoana, ali mesmo foi incomodado, pelo que, à vista dos muitos prejuízos sofridos, mortes e consternação dos companheiros, deliberou-se a vir a esta capitania em uma caravela que com reforços lhe enviou Vasco Fernandes Coutinho, por saber os apertos em que aquele donatário estava. Aqui demorou-se Pero de Góis algum tempo, seguindo depois para Portugal, tendo Vasco Coutinho prestado a ele e a seus companheiros os recursos de que podia dispor.(32)

1547. Conquanto haja controvérsias sobre as viagens feitas por Vasco Fernandes Coutinho a Portugal, a buscar reforços e utensis(33) para esta capitania, achamos provável ter sido em meados ou fins deste ano que ele fez a primeira àquele reino, e cuja volta foi em 1549, como abaixo se verá; contudo não afiançamos a época por encontrarmos divergências.(34)

1549. Chegando Vasco Fernandes Coutinho de volta da viagem que fizera, e aportando em Santa Cruz, em Porto Seguro, em navio seu, no qual trazia companheiros e objetos para a sua capitania, apresentam-se a bordo e são pelo donatário recebidos alguns indivíduos, que haviam sido presos na capitania dos Ilhéus por crime de pirataria e ainda outros que da prisão onde se achavam puderam se escapar, os quais sabendo da chegada de Vasco Coutinho vieram pedir-lhe homizio, visto ter o mesmo esse direito pela carta de doação. Recebeu-os, pois, a bordo e com eles chegou à sua capitania do Espírito Santo. Parece que nesta viagem é que se entendera com a Corte sobre a doação feita a Duarte de Lemos, e que consigo trouxera a carta régia; o que é certo é ter feito esta viagem e ter aportado a Porto Seguro, como se encontra em alguns cronistas e historiadores.(35)

Idem. Neste ano principiam as diversas hordas de gentios a incomodar os povoadores da capitania, os quais, pelas guerras que entre si continuamente sustentavam, forçavam os povoadores a decidirem-se a favor de um dos lados, quase sempre por aquele com quem estavam em paz, já também motivadas tais guerras pela venda e compra dos índios prisioneiros, que sujeitavam a maus-tratos, o certo é que não cessavam os aborígines de incomodar de quando em vez aos povoadores, pelo ódio que tinham aos dominadores do país, onde sempre gozaram a mais ampla liberdade e domínio.

Idem. Partem da Bahia no 1º de novembro deste ano, a mandado do vice-provincial dos jesuítas, padre Manoel da Nóbrega, e recomendação do governador geral do Brasil, os padres jesuítas Leonardo Nunes e Diogo Jácome que iam em direção à capitania de São Vicente a catequizar os índios que viviam como que abandonados de conhecimentos religiosos, e uma grande parte como escravos.(36) Aportando a esta capitania o navio, desembarcam os dois padres; demorando-se alguns dias fazem provisões, tomam consigo alguns índios, recebendo ainda aqui por noviço um moço ferreiro de nome Mateus Nogueira, que posteriormente tornou-se célebre como padre jesuíta.(37) Embarcados todos, prosseguiram viagem para São Vicente, onde principiaram a levantar uma casa colegial; ali Mateus Nogueira, afora os misteres do sacerdócio, ocupava-se em pedir esmolas e em trabalhar numa ferraria, fazendo anzóis, cunhos, facas e outros utensis, cujo produto aplicava ao sustento dos meninos, que frequentavam as aulas do seminário dos jesuítas, e ao fornecimento de provisões aos indígenas

 

Notas

 

31 O topônimo consagrou-se como Caxangá.

32 (a) “Rebentou então a guerra, que durou cinco anos […] Fracos e inteiramente desanimados estavam os colonos: começaram a clamar que se abandonasse o estabelecimento, e Góis teve de ceder a seus clamores. Do Espírito Santo se obtiveram navios para conduzi-los, e extingiu-se o nome da capitania.” [Southey, HB, I, p. 67]. (b) Neste ano de 1540, devido à relevância do fato, deveria ter sido incluído um parágrafo com a informação de, em agosto, ter sido assinada, perante o notário geral da Corte em Lisboa, a escritura de doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos. O donatário definiu limites precisos e restabeleceu suas prerrogativas do título real de doação. A estadia de Coutinho em Portugal pode ter-se prolongado até 1547 ou 1548. “...e porque ele, Duarte de Lemos, lhe pede que lhe faça sua escritura e carta de doação conforme ao dito alvará” [Escritura de confirmação de vinte e dois de agosto de 1540, in Baião, A., e Malheiro, C., HCP, III, p. 266, apud Oliveira, HEES, p. 44, nota 36]

33 Plural de utensil, forma em desuso de utensílio.

34 Daemon parece ter-se equivocado quanto às datas relacionadas com a primeira viagem do donatário, pois já em 1540 ele estaria em Lisboa para firmar doação da ilha a Duarte de Lemos, e em 1547 ou 1548, segundo documentos citados por Teixeira de Oliveira, ele já teria retornado: “Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois.” [HEES, p. 53]

35 A escritura de doação foi firmada ainda em 1540 (ver nota 32 acima), no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos. [Carta de confirmação de doação de uma ilha grande ou lesíria que está da barra para dentro, e que se denominava “Santo Antônio”, datada em Almeirim aos oito dias de janeiro de 1549]

36 (a) Nery, Carta pastoral, p. 77. (b) Copia de unas cartas, índice 11. (c) Freire, Vitória e a capitania, RIHGES, n. 8, p. 4-5.

37 Vasconcelos, S., Crônica, I, p. 40, apud Oliveira, HEES, p. 62, nota 4.

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2019

História do ES

4º Centenário do ES no Senado Federal

4º Centenário do ES no Senado Federal

Discurso proferido pelo Dr. Jerônimo Monteiro no Senado Federal, em 22 de maio de 1935, em homenagem ao IV Centenário da Colonização do Espírito Santense.

"Ao subir hoje a esta Casa do Parlamento brasileiro, não era meu propósito ocupar a tribuna e a atenção preciosa do Senado Federal...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1558 ainda – Por Basílio Daemon

Fernão de Sá, desembarcou à margem do rio Cricaré, hoje São Mateus, unindo-se logo às forças que o donatário Vasco Coutinho enviara a auxiliar as de Mem de Sá   

Ver Artigo
Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo