Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1588 e 1589 - Por Basílio Daemon

Pedra das Caiçaras - Local onde residiram Vasco, Vasco Filho e Luiza Grinalda

1588. A 5 de maio deste ano faz testamento nesta então vila da Vitória o donatário da capitania do Espírito Santo, Vasco Fernandes Coutinho Filho, pedindo nele que quando morresse, fosse enterrado no cemitério do colégio dos padres da Companhia de Jesus, atestando à sua mãe, Ana Vaz, que ainda vivia, uma tença de 30$000 anuais, e o mais à sua mulher. Fazemos nós reparo que alguns historiadores apresentem a deixa dessa tença a D. Luíza Grinalda, o que é inexato.(114)

1589. Falece neste ano, na vila do Espírito Santo, então Vila Velha, em sua Fazenda da Costa, o segundo donatário da capitania do Espírito Santo, Vasco Fernandes Coutinho Filho, tomando posse do governo da mesma sua mulher, D. Luíza Grinalda, tendo por seu adjunto o capitão de ordenanças Miguel de Azeredo, pertencente a uma família de fidalgos em Portugal.(115) Fazemos ainda aqui uma observação e é que encontrando em modernos escritos como sendo morador na vila da Vitória este donatário, retificamos este engano, pois bem se vê que, depois de sua morte, a viúva, D. Luíza Grinalda, continuou a residir em sua fazenda na então Vila Velha, a qual era junto ao monte Moreno e pouco distante da colina do Convento da Penha.

Idem. Neste ano chega a esta capitania, no mês de novembro, o padre custódio, franciscano do Convento de Pernambuco, frei Belchior de Santa Catarina, que viera para o Recife em abril de 1585 com mais cinco companheiros, por pedido de D. Jorge de Albuquerque, que lhe cedera a posse da Ermida da Senhora das Neves em 25 de outubro desse ano.(116) Frei Belchior vinha com o fito de fundar um convento de franciscanos nesta então vila da Vitória, por pedido que antes lhe fora feito pelo donatário Vasco Fernandes Coutinho Filho pouco antes de falecer; pelo que, em cumprimento da vontade de seu finado marido, cedeu D. Luíza Grinalda para esse fim as terras em que hoje se acha colocado o Convento de São Francisco, assim como os terrenos adjacentes que fazem parte de seu patrimônio. Foi este o primeiro franciscano aqui chegado para aquele mister, pois fora ele que obtivera as letras apostólicas de 13 de março de 1584, para o fim de fundar conventos no Brasil.

 

Notas

 

114 (a) Consta no Arquivo Real de Ajuda o documento intitulado Testamento de Vasco Fernandes Coutinho “Filho”, Lisboa, 19 de abril de 1573, no qual o donatário registra que “E assim mais dará o sucessor da dita capitania de tença a Dona Luíza minha mulher em sua vida dela dez mil réis pagos pelos rendimentos da dita capitania, os quais lhe pagará na dita capitania, ou no reino onde ela mais quiser. [...] De toda minha fazenda que se achar pertencer-me, a deixo por herdeira da metade [Dona Luíza] e outra a metade deixo a dona Ana minha sobrinha a quem tenho obrigação...” [Lisboa, códice 44-XIV-6, folha 68, in Espírito Santo: documentos coloniais, v. 1, p. 26] (b) Vasconcelos menciona o testamento de Vitória: “Este último Coutinho fez testamento na vila da Vitória em 5 de maio de 1588, determinando ser sepultado na igreja dos padres da Companhia, e deixando 30$rs de renda anual a sua mãe, que ainda vivia.” [Ensaio, p. 20]

115 Rubim, F. A., Memórias, p. 6

116 (a) Rubim, F. A., Notas, p. 263. (b) Röwer, Convento, p. 34.

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019


Variedades

Território livre da Ufes - Por José Roberto Santos Neves

Território livre da Ufes - Por José Roberto Santos Neves

Eram as tardes garimpando livros na Biblioteca Central, as sessões no Planetário, as visitas aos colegas do Centro de Artes, o ócio nas pedrinhas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Semana Santa – Por Edward Athayde D’Alcântara

Quinta- Feira, saem da Igreja do Rosário, em procissão, as Filhas de Maria conduzindo o andor de Nossa Senhora das Dores

Ver Artigo
Personagens Originais - Por Areobaldo Lellis Horta

Éramos, nós, eu, meu pai e meu irmão, os seus companheiros de pescaria na Barrinha, fronteiro ao Monte Moreno

Ver Artigo
Casamentos – Por Areobaldo Lellis Horta

Era eu muito criança, quando assisti, pela primeira vez um casamento em Vitória

Ver Artigo
Peroás e Caramurus – Por Areobaldo Lellis Horta

 "Peroás" e "Caramurus" constituíram dois grandes partidos populares, de caráter eminentemente religioso e social, em que se dividiam os habitantes de Vitória

Ver Artigo
O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo