Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1598 - Por Basílio Daemon

Capa do Livro - Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT2010

1598. É passada neste ano a carta régia encarregando a Salvador Correia de Sá da superintendência das minas de ouro, diamantes e pedras preciosas descobertas na capitania do Espírito Santo, em Santos e Paranaguá, dando-se-lhe regimento, e sendo dispensado então do governo. Como se vê, por muitos escritores e historiadores se acham confundidas as épocas de certos fatos de nossa história, por tomarem Salvador Correia de Sá pelo governador Salvador Correia de Sá e Benevides.

Idem. Parte da Bahia, no mês de outubro deste ano, o governador geral do Estado do Brasil, D. Francisco de Souza, em direção a esta capitania, tendo incumbido do governo ao capitão-mor Álvaro de Carvalho, trazendo consigo para aqui a sua guarda, um engenheiro alemão de nome Geraldo, e mais um mineiro profissional, também alemão, chamado Jaques, com o fim de explorar as minas de ouro, não só aqui, como na capitania de [São] Vicente. Chegando, fez por meses residência nesta capitania, passando no 1º de dezembro deste ano uma provisão em que ordenava ao Almoxarifado de Santos que fornecesse todo o necessário e dinheiro ao capitão Diogo Aires Aguirra, que desta hoje capital seguia para ali como seu enviado, indo acompanhado de duzentos índios destinados à lavragem das minas de ouro em Santos. Feito isto, ainda foi enviado Diogo Martins Cão a percorrer esta capitania a descobrir as minas existentes aqui e a examinar, principalmente, as minas das Esmeraldas na serra do mesmo nome, descobertas por Sebastião Tourinho e averiguadas por Dias Adorno. Este governador por si mesmo foi verificar algumas minas, servindo-se do engenheiro e mineiro que trazia. Seguiu depois para o Rio de Janeiro, onde pouco se demorou, chegando à capitania de São Vicente em maio do ano seguinte de 1599.

Idem. Neste ano, Olvier Von Noord,(134) célebre negociante holandês, em viagem à roda do mundo, aporta ao rio Doce a tomar víveres que lhe faltavam, mas, sendo hostilmente recebido por seus habitantes, fez-se de vela a continuar a sua dificultosa viagem.(135)

 

Notas

 

134 Olivier van Noord é a grafia correta.

135 Ao que tudo indica, Olivier van Noord teria iniciado viagem em 1598, chegando na Guanabara em 1599 e posteriormente ao rio Doce [Netscher, P. M. Holandeses no Brasil. Companhia Editora Nacional, 1942, p. 40, apud Oliveira, HEES. p. 124, nota 62]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2019

 

Matérias Especiais

Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Cidade em outros tempos

Bondes, lanchas, manguezais e catraeiros nos remetem há uma época que creio não retornará. Vou citar alguns fatos e nomes de alguns personagens

Ver Artigo
Mercados e Feiras

Entreposto de vida nas cidades. Os mercados e feiras fazem a ligação, do campo para a cidade, do pão nosso de cada dia. É onde a cidade vai buscar o seu alimento...

Ver Artigo
Vitória da Bossa

O mundo inteiro sabe que o nascimento da Bossa Nova se deu na Zona Sul do Rio, mas poucos se dão conta de que Vitória exerceu papel de coadjuvante na criação do movimento

Ver Artigo
A lenda do judeu pescador

O judeu, natural do Algarve, era católico, e atribuía a sua boa sorte à devoção de São Tiago e Santa Marta, cujas imagens mantinha num oratório

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo