Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1828 – Por Basílio Daemon

Reforma do Chafariz da Capixaba, na Administração do Prefeito Américo Monjardim que exerceu dois mandatos: 1937 a 1944 1946 a 1944

1828. É mandado construir o chafariz da Capixaba em 12 de fevereiro, que nada mais era que uma pequena fonte; assim também foram consertados os chafarizes da Lapa e Fonte Grande, a que se deram maiores proporções, tendo estes sido erigidos no século XVIII. Estas reedificações foram feitas por Francisco Pinto de Jesus, sendo-lhe ainda agradecida a fatura e prontidão destas obras pelo presidente Acióli de Vasconcelos em data de 2 de março deste mesmo ano.438

Idem. Por decreto de 27 de março deste ano é demitido do lugar de secretário do Governo José Henrique de Paiva e nomeado para igual cargo com outras incumbências o cidadão Ildefonso Joaquim Barbosa de Oliveira.

Idem. Oficia o presidente desta província Inácio Acióli de Vasconcelos ao governo, demonstrando a fertilidade das terras desta província, dando como melhores as das comarcas de Itapemirim e Cachoeiro, informando ainda sobre terrenos devolutos e margens dos rios navegáveis.

Idem. São mandados em data de 11 de abril deste ano 20 praças à requisição do sargento-mor Manoel José Esteves, para guarnecerem os quartéis do Cachoeiro de Itapemirim e Duas Barras por ordem do Conselho Geral, a fim de obstarem os ataques dos índios puris e botocudos que infestavam aqueles lugares, assim como contra os diversos salteadores e assassinos que naquelas paragens cometiam muitas atrocidades.

Idem. São marcadas a 12 de abril deste ano as divisas definitivas da província do Espírito Santo ao norte, sul, este e oeste, em virtude do aviso de 23 de novembro de 1827, de conformidade com o parecer da Comissão de Estatística da Câmara dos Deputados, sendo ainda dividido o território, em comarcas, cidades, vilas, povoações e paróquias.

Idem. É provido efetivamente em 16 de junho deste ano no lugar de diretor do Ensino Mútuo o professor José Joaquim de Almeida Ribeiro, que estava interinamente ocupando aquele cargo, e para o que tinha ido à Corte estudar o sistema juntamente com o finado alferes reformado Manoel Serafim Ferreira Rangel, que abandonou a carreira do magistério. Foi José Joaquim de Almeida Ribeiro o primeiro professor aqui do sistema de Lencastre, tendo sido provido, segundo a carta de lei de 15 de outubro de 1827, com o ordenado de 500$000 anuais, pedindo-se a dispensa do mesmo professor do lugar de 2º sargento do Batalhão nº 12 de Caçadores de 1º Linha a que pertencia.

Idem. É nomeado neste ano ministro da Fazenda o deputado por esta província bacharel José Bernardino Batista Pereira, mandando-se por esse fato em aviso de 19 de junho deste ano proceder à eleição de um deputado.

Idem. Fazendo-se neste ano a eleição a fim de ser eleito o deputado de todo território pertencente ao Espírito Santo, deu o Colégio de Campos e São João da Barra um eleitorado de 70 cidadãos.

Idem. Por carta de lei de 27 de agosto deste ano é sancionado o decreto da Assembleia Geral, estabelecendo definitivamente o Conselho Geral da província.439

Idem. São extintos na província pela lei de 30 de agosto deste ano os lugares de provedor-mor de Saúde, físico-mor e cirurgião-mor do Império, assim como os seus delegados, ficando incumbidas as câmaras da inspeção de saúde pública.440

Idem. É suspenso em 23 de setembro deste ano, do cargo de juiz de órfãos, Francisco Coelho de Aguiar em cumprimento ao aviso do governo geral, por crime de desobediência cometido pelo dito juiz e por ter-se retirado da comarca sem participação, sendo esta ordem mandada cumprir pelo ouvidor da comarca.

Idem. Garra à barra desta capital na noite de 20 para 21 de outubro o brigue de guerra Pampeiro, comandado pelo capitão-tenente Pedro Ferreira de Oliveira, tendo sido incontinenti dadas providências a fim de ver se era possível salvá-lo, indo lanchões e catraias da sumaca Vigilante para esse fim. Esse naufrágio deu causa a que alguns marinheiros vindos para terra desertassem e outros promovessem grandes desordens, sendo necessário mandá-los prender por ordem do presidente, em 15 de novembro do mesmo ano. Veio a socorrer o brigue Pampeiro o brigue Beaurepaire, que junto à oficialidade daquele promoveram a atividade, servindo-se de aparelhos, salvando assim as barricas de dinheiro que trazia, o casco do navio e mais pertences.

Idem. É cantado na Capela Nacional um solene Te Deum, iluminando-se toda a cidade, formada a tropa existente na província, salvando as fortalezas e demonstrando com outros festejos feitos nesta capital no dia 22 de novembro, o regozijo havido por haver-se concluído a guerra e assinado a paz entre o Império e a República Argentina.

Idem. Parte a visitar o sul da província no dia 31 de dezembro deste ano o presidente bacharel Inácio Acióli de Vasconcelos, ficando interinamente na administração o vice-presidente capitão-mor Francisco Pinto Homem de Azevedo.

438 “Acióli de Vasconcelos foi quem mandou construir o pórtico protetor da nascente potável da fonte da Capixaba. A obra teve início em 12 de fevereiro de 1828 e o executor foi Francisco Pinto de Jesus, mestre pedreiro.” [Derenzi, Biografia, p. 116]

439 Lei de 27 de agosto de 1828 – Dá regimento para os Conselhos Gerais de província. Atos do Poder Legislativo

440 Lei de 30 de agosto de 1828 – Extingue os lugares de provedor-mor da saúde, físico-mor, e cirurgião-mor do Império, passando para as câmaras municipais e justiças ordinárias as atribuições que lhes competiam.

 

Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2018

História do ES

Povoamento do ES

Povoamento do ES

No período colonial o povoamento do Espírito Santo ficou limitado ao litoral. Os lugares mais afastados do mar eram São Mateus e Linhares. No século XIX, o interior do ES ainda era coberto de matas virgens. No rio Doce foram instalados quartéis militares para a defesa dos colonos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo