Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1836 – Por Basílio Daemon

Porto de São Mateus já em decadência, anos 1960 (Jeep na foto) - Acervo Maciel Aguiar

1836. São feitas no mês de fevereiro deste ano as divisas da cidade de São Mateus, de conformidade com a resolução de 1º de fevereiro490 e em cumprimento às determinações de 1832 feitas pelo Conselho do Governo.

Idem. É criada pela lei provincial nº 5, datada de 23 de fevereiro, a Tesouraria Provincial, hoje Tesouro.491

Idem. É neste ano barbaramente assassinada na vila de Guarapari a fazendeira D. Isabel Angélica de Lírio, de que resultou um grande processo em que foram envolvidas muitas pessoas gradas daquela vila.

Idem. Por decreto de 9 de junho deste ano é nomeado o 1º juiz de direito da comarca de Itapemirim, bacharel José Florêncio de Araújo Soares, que prestou juramento e entrou em exercício a 12 de setembro do mesmo ano.

Idem. É levantada uma planta pelo engenheiro Henry Humphrens,492 para demonstração à Companhia Inglesa que se formava para a navegação do rio Doce.

Idem. Assume a 23 de setembro deste ano a administração o 1º vice-presidente padre Manoel da Assunção Pereira,493 por ter sido exonerado o presidente bacharel Joaquim José de Oliveira. Este sacerdote possuía talento e foi considerado filósofo consumado, e do qual se contam fatos importantes de sua vida pública e particular.

Idem. É nomeado pela Regência em nome do imperador, por carta de 3 de outubro deste ano, para presidente da província, o Dr. José Tomás Nabuco de Araújo, que entrou em exercício a 8 de novembro deste ano,494 e foi exonerado a 26 de março de 1838.

Idem. Tendo sido criada e instalada a Tesouraria Geral é nomeado o diretor e lente da Aula do Comércio da Corte Joaquim José Gomes da Silva Filho, para inspetor, o qual tomou posse a 3 de fevereiro deste ano, sendo exonerado a 2 de março de 1841.

Idem. Neste ano são exportados pelo município de São Mateus, 50.896 alqueires de farinha, 31 caixas de açúcar e 14 sacas de milho, não incluindo a exportação feita dali para a Vitória e outros lugares.

 

490 “A divisão desta vila com a cidade de S. Mateus far-se-á pelo riacho da – Pedra d’Água debaixo –, ficando pertencendo a esta vila a parte do território, que se acha a leste do mesmo riacho.” Artº. 4º. da resolução presidencial do 1º de fevereiro de 1836.” [Vasconcelos, Compilação da Legislação, p. 18]

491 Tinha o título de “Administração das Rendas Provinciais.” – Lei nº 5 de 1836, Artº. 3º, mudado para “Tesouro Provincial” pela lei nº 17 de 1859. [Idem, p. 135]

492 Humphreys.

493 Vasconcelos, Ensaio, p. 64.

494 Idem, p. 64

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2018

 

 

   

História do ES

A oligarquia dos Monteiro

A oligarquia dos Monteiro

As principais decisões políticas tomadas a partir do final da primeira década do século XX no Estado do Espírito passavam necessariamente pelo crivo dos Monteiro. Havia um inconteste predomínio dessa oligarquia familiar cujos protagonistas principais eram os irmãos Jerônimo de Souza Monteiro e Bernardino de Souza Monteiro.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo