Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1841 – Por Basílio Daemon

Capa do Livro: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008

1841. Levanta neste ano o presidente José Joaquim Machado de Oliveira seis cartas topográficas da província. Este presidente muito se interessou por ela, como ainda provam os seus trabalhos técnicos e literários, que aí correm com seu nome.(512) Estas cartas descrevem: duas a baía e barra da Vitória, três o Rio Doce, seu território e barra do mesmo rio e outra a cidade de São Mateus.

Idem. Sendo exonerado a 2 de abril deste ano [do cargo] de presidente desta província o bacharel José Joaquim Machado de Oliveira é nomeado por carta imperial da mesma data o bacharel José Manoel de Lima, que tomou posse da administração em outubro deste mesmo ano. Aqui notamos em diversos escritos a confusão havida na data da nomeação e posse deste presidente, o que nota-se pelos que foram nomeados anterior e posteriormente.(513)

Idem. Fina-se nesta capital, a 25 de junho deste ano, o ex-alferes Aires Vieira de Albuquerque Tovar, que nesta capital ocupou diversos cargos de eleição popular e de nomeação do governo, tendo sido deputado provincial em diversas legislaturas. Assentando praça ainda moço, chegou ao posto de alferes ajudante. Em um levante da Tropa de Linha do Batalhão nº 12 a que pertencia, dado a 23 de setembro de 1831, foi envolvido e comprometido na sedição, respondendo a Conselho de Guerra e sendo pronunciado seguiu para a Corte onde envolveu-se ainda na revolução de 3 de abril de 1832. Tendo sido absolvido no júri da Corte em 24 de agosto de 1833, foi enviado para esta província, onde foi também absolvido em 1834 quanto à primeira sedição. Pediu demissão do exercício e entregou-se à vida da lavoura, então já casado com a respeitável Sra. D. Córdula, que ainda hoje existe. Foi o alferes Aires Vieira de Albuquerque Tovar quem mandou vir a primeira tipografia que houve nesta província. Moço de talento e alguma instrução, gozou de geral estima, já por sua lhaneza como por seu caráter severo e patriotismo reconhecido. Era filho do governador Manoel Vieira de Albuquerque Tovar. Seu companheiro de armas e com ele envolvido nas sedições, o major Manoel Carvalho da Fonseca, aqui casado nessa época com D. Maria Ortiz, descendente da célebre heroína desse nome, ainda hoje existe, afazendado em Marcos da Costa no Pati do Alferes.

Idem. Pelos serviços prestados como patrão-mor da barra da Vitória, é nomeado em 22 de julho deste ano, por S. Majestade o imperador, para mestre-de-nau de número efetivo Narciso José Teixeira.

Idem. É nomeado para 1º auditor da gente de guerra desta província, por carta de 9 de julho deste ano, o chefe de Polícia e juiz de direito desta comarca Francisco Jorge Monteiro.

 

NOTAS

(512) Machado de Oliveira, Notícia sobre a estrada, que da província do Espírito Santo segue para a de Minas.

(513) Segundo Vasconcelos, a data da posse do presidente José Manoel de Lima seria 27 de abril de 1841. [Ensaio, p. 64-5]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2018

História do ES

Ano de 1850 – Por Basílio Daemon

Ano de 1850 – Por Basílio Daemon

Antônio Tomás de Godói chefe de Polícia e reconhecendo estar a província infestada de criminosos, dá logo as mais enérgicas providências no município de Itapemirim 

 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo