Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1860 – Por Basílio Daemon

Cais do Imperador

1860. Neste ano, no dia 26 de janeiro, às oito e meia horas da manhã, aportam a esta cidade vindos no vapor de guerra Apa, em visita a esta província, S.S.M.M.I.I. o Sr. D. Pedro II e D. Teresa Cristina Maria, sendo recebidos com o maior regozijo pelo povo desta capital, saltando no cais do imperador, para esse fim construído e preparado.642 Foram S.S.M.M. hospedar-se no Palácio do Governo, prontificado e ornamentado no melhor gosto pela comissão para esse fim nomeada,643 tendo muito concorrido para serem S.S.M.M. recebidas com a maior grandeza muitos cidadãos, distinguindo-se entre eles por seus avultados donativos o coronel João Nepomuceno Gomes Bittencourt, Barão de Itapemirim e major Mateus Cunha. Visitou S.M., o imperador, os principais lugares da província, tanto ao norte como ao sul e oeste da capital, como fossem Serra, Nova Almeida, Santa Cruz, Linhares, Espírito Santo, Guarapari, Benevente, Itapemirim, Rio Novo, Santa Isabel e Santa Leopoldina. À sua chegada formaram-se os batalhões da Guarda Nacional para fazerem as devidas honras, comparecendo e visitando a S.S.M.M. quase toda a população.

Idem. Chega S. M. o imperador às 6 horas da tarde do dia 1º de fevereiro deste ano à vila de Nova Almeida, indo da vila da Serra, onde chegara nesse mesmo dia e ali almoçara. Em Nova Almeida jantou e pernoitou, tendo visitado a Igreja dos Santos Reis Magos, cuja arquitetura interior é de muita simplicidade. Foi S. Majestade recebido em ambas as vilas à distância de doze quilômetros por inúmeras pessoas; no dia 2, S. Majestade, ao amanhecer, depois de ouvir missa na Matriz, celebrada pelo ilustrado vigário Manoel Antônio Ribeiro [no original, Bibeiro], partiu para Santa Cruz às seis horas, chegando à tarde desse dia, onde foi igualmente recebido por diversos cavalheiros.

Idem. Chegam S. S. M. M. I. I. a 7 de fevereiro deste ano à vila de Itapemirim, de volta da capital, tendo S. Majestade, o imperador, desembarcado do vapor Apa,644 em sua passagem, para visitar as vilas de Guarapari e Benevente. Foram em Itapemirim recebidas S. S. M. M. imperiais pela Câmara Municipal, juiz de direito Lima e Castro, juiz municipal Campos Melo, coronel-comandante superior da Guarda Nacional João Nepomuceno Gomes Bittencourt, e mais autoridades e pessoas gradas daquela vila, estando as ruas por onde transitaram S. S. M. M. atapetadas e a casa para recepção de tão altos personagens preparada com esmero e luxo. No dia 8 seguiu S. M. o imperador a cavalo para a Colônia do Rio Novo acompanhado do empresário daquela colônia, major Caetano Dias da Silva, e grande número de cavaleiros, sendo ali recebido pelos colonos com muita alegria; na volta percorreu o Itapemirim e seus principais monumentos, seguindo para a Corte no dia 9 do dito mês. Durante a estada dos ilustres visitantes nesta província mandaram distribuir muitas esmolas, fazendo algumas doações.645

Idem. Neste ano, no dia 14 de março, sai à luz da publicidade nesta capital o primeiro número de um periódico sob o título O Mercantil, 646 e de propriedade de Francisco Emílio Guizan, o qual durou algum tempo.

Idem. Por carta imperial de 20 de março deste ano é nomeado presidente da província o bacharel Antônio Alves de Souza Carvalho,647 que prestou juramento e tomou posse a 25 do mesmo mês e ano, sendo exonerado a 20 de fevereiro de 1861.

Idem. Neste ano, a 8 de abril, é publicado nesta capital o primeiro número de um periódico sob o título A Liga, 648 sendo o mesmo político, recreativo e noticioso.

Idem. É nomeado em 1º de abril deste ano, juiz de direito da comarca de São Mateus o bacharel Joaquim Jacinto de Mendonça,649 que prestou juramento a 25 e entrou em exercício a 27 de setembro deste mesmo ano.

Idem. Assume a administração da província a 14 de abril deste ano o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, por ter sido transferido para as Alagoas em igual cargo o presidente Pedro Leão Veloso.650

Idem. Instala-se a 23 de maio deste ano a 1ª sessão da 13ª legislatura da Assembleia Legislativa Provincial, concernente aos anos de 1860 a 1861, sendo composta a Assembleia dos deputados: coronel Dionísio Álvaro Resendo, coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, padre Joaquim de Santa Maria Madalena Duarte, bacharel José de Melo e Carvalho, capitão João Crisóstomo de Carvalho, capitão Manoel Goulart de Souza, major José Marcelino Pereira de Vasconcelos, capitão Venceslau da Costa Vidigal, capitão Manoel Francisco da Silva, vigário Miguel Antônio de Brito, bacharel Antônio Joaquim Rodrigues, Joaquim Marcelino da Silva Lima, bacharel José Camilo Ferreira Rebelo, Manoel de Morais Coutinho e Castro, bacharel Francisco Gonçalves Meireles Bastos, José Freire de Andrade, Carlos Augusto Nogueira da Gama, Domingos Lourenço Viana, vigário João Ferreira Lopes Wanzeller, Dr. Francisco Gomes de Azambuja Meireles. Foi composta a mesa no primeiro ano da legislatura: presidente bacharel José Camilo Ferreira Rebelo, 1º secretário major José Marcelino Pereira de Vasconcelos, 2º secretário Venceslau da Costa Vidigal. No segundo ano foi composta a mesa: presidente bacharel José Camilo Ferreira Rebelo, 1º secretário major José Marcelino Pereira de Vasconcelos, 2º secretário Venceslau da Costa Vidigal.651

Idem. É publicado neste ano, a 13 de junho, o primeiro número de um periódico político sob o título O Indagador, tendo durado pouco tempo a sua publicação.

Idem. A 11 de agosto deste ano é publicado nesta capital o primeiro número de um periódico sob o título O Marimbondo , 652 sendo o mesmo político e noticioso, mas virulentíssimo.

Idem. É publicado a 7 de setembro deste ano o primeiro número de um periódico nesta capital sob o título O Provinciano, e de propriedade de Francisco Emílio Guizan, sendo mais tarde defensor das ideias conservadoras; um dos seus principais redatores, o finado bacharel José Joaquim Fernandes Maciel, que ocupava o lugar de administrador da Recebedoria, e mais tarde foi diretor da Instrução Pública, secretário da Polícia e chefe de seção da Secretaria da Agricultura, muito escreveu, vindo a falecer em 1874, em Minas Gerais, onde fora tomar as águas minerais de Baependi.

Idem. Por decreto de 22 de setembro deste ano é nomeado chefe de Polícia da província o bacharel Antônio Barbosa Gomes Nogueira, que prestou juramento e entrou em exercício em 10 de novembro do mesmo ano, sendo exonerado em 1861.

Idem. Neste ano, a 26 de outubro, sai à luz da publicidade nesta capital o primeiro número de um periódico sob o título O Picapau, 653 sendo o mesmo político e recreativo, mas muito virulento.

 

642 “A província teve a ventura de ser visitada por seus soberanos, que aportaram a esta capital no dia 26 de janeiro, e seguiram para a Corte, da vila de Itapemirim, a 9 do seguinte mês de fevereiro.” [Relatório com que o Exm. Sr. comendador Pedro Leão Veloso ex-presidente da província do Espírito Santo passou, 14 de abril de 1860, p. 1-2] (b) Rocha, Viagem, p. 58-9 e 66.

643 “O inspetor da Tesouraria, João Manoel da Fonseca e Silva, e o juiz de direito da comarca de Vitória, Lourenço Caetano Pinto, eram os mestres da cerimônia, encarregados de dirigir a formação e o andamento do cortejo.” [Rocha, Viagem de Pedro II, p. 66]

644 O Apa, construído na Inglaterra, pertencia à Companhia Brasileira de Paquetes a Vapor e foi fretado para aquela excursão dos imperadores. [Rocha, Viagem de Pedro II, p. 58]

645 (a) “Sua Majestade o imperador deixou-me de seu bolsinho algumas esmolas, para reparos das igrejas, das quais já foram entregues aos respectivos párocos, 500$000 réis para a da Serra, e 500$ para a de Santa Cruz...” [Relatório com que o Exm. Sr. comendador Pedro Leão Veloso ex-presidente da província do Espírito Santo passou..., 14 de abril de 1860, p. 5] (b) “... três contos de réis àquela casa de misericórdia, dinheiro destinado à compra de outras apólices, e deu um conto de réis para as obras do cemitério...” [Rocha, Viagem, p. 75.] (c) “Doou seiscentos mil réis de esmolas, deu igual quantia para o cemitério, e trezentos mil réis ao padre Adriano, para a compra dos paramentos da igreja.” Colônia de Santa Leopoldina. [Rocha, Viagem, p. 125]

646 “O primeiro número saiu aos 14 de março de 1860. Periódico de propriedade de Emílio Francisco Guizan. Durou pouco tempo e entre seus colaboradores estava Basílio Carvalho Daemon.” [Pereira, Imprensa, p. 33]

647 “...tomou juramento e deu posse ao Exmo. Dr. Antônio Alves de Sousa Carvalho do cargo de presidente desta província para que fora nomeado por carta imperial de 25 de abril passado” [Ofício de Assembleia Legislativa: Comunicando juramento e posse do bacharel Antônio Alves de Souza Carvalho para presidente da província. 25 de maio de 1860.]

648 “Apareceu aos 8 de abril de 1860. Ocupava-se somente de literatura, porém no nº 2 apresentou-se como paladino da reeleição do Dr. Antônio Pereira Pinto à deputação geral, começando então a discorrer sobre questões públicas.” [Pereira, Imprensa, p. 33]

649 “A comarca de São Mateus está vaga pela nomeação de presidente da província de Sergipe que S. M. o imperador houve por bem honrar o bacharel Joaquim Jacinto de Mendonça que ali exercia jurisdição.” [Relatório apresentado à Assembleia Legislativa Provincial do Espírito Santo no dia da abertura da sessão ordinária de 1861 pelo presidente José Fernandes da Costa Pereira Júnior, parte 1, Administração da Justiça, p. 8]

650 “...tenho em grande parte de reportar-me ao relatório com que me entregou a administração da província o Exm. Sr. comendador Dr. Pedro Leão Veloso nomeado presidente da província de Alagoas por carta imperial de 20 de março último.” [Relatório que o Exm. Sr. comendador José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim 2º vice-presidente da província do Espírito Santo apresentou..., 24 de maio de 1860, p. 1]

651 Ofício de Assembleia Legislativa: Relação dos senhores deputados que compõem a mesa na presente sessão legislativa. 23 de maio de 1860.

652 “Saiu à luz da publicidade aos 11 de agosto de 1860. Órgão político, noticioso e recreativo, de pequeno formato, redigido por M. Baptista Pires. Defendia as ideias do Partido Capixaba. Ao que se consta, foi fundado para defender a candidatura do comendador José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim à deputação geral [...] Do segundo número em diante, datado de 30 de novembro, estampou no cabeçalho uma vespa alusiva ao título...” [Pereira, Imprensa, p. 33-4]

653 “Periódico político e recreativo cujo primeiro número saiu aos 26 de outubro de 1860. O cabeçalho era ilustrado com um pica-pau tendo no bico uma vespa, que representava O Marimbondo.” [Pereira, Imprensa, p. 33-4]

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/201
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

 

 

Especiais

Açorianidade Capixaba

Açorianidade Capixaba

O escritor açoriano Vitorino Nemésio (1901-1978), por ocasião do V Centenário do Descobrimento dos Açores (1932), instituiu o termo “Açorianidade” para conceituar a força e a autenticidade do povo açoriano

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Agapito - Por Sérgio Figueira Sarkis

Agapito, nos idos tempos das décadas de 30 e 40, era uma figura folclórica de Vitória. Pau pra toda obra!

Ver Artigo
A pescaria do tatu - Por Sérgio Figueira Sarkis

Foi realmente uma época muito romântica! O American Bar Michel estava em pleno vigor

Ver Artigo
História do Carnaval Capixaba

O primeiro desfile de escolas de samba do Espírito Santo aconteceu em 1955. Em 1992, a tradição foi interrompida, e retomada em 1998

Ver Artigo
Ano de 1861 – Por Basílio Daemon

Pelo decreto nº 2.890 de 8 de fevereiro, é criada nesta província a Companhia de Aprendizes Marinheiros 

Ver Artigo
Ano de 1860 – Por Basílio Daemon

No dia 26 de janeiro, às oito e meia horas da manhã, aportam a esta cidade vindos no vapor de guerra Apa, em visita a esta província, S.S.M.M.I.I. o Sr. D. Pedro II e D. Teresa Cristina Maria

Ver Artigo