Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Ano de 1867 – Por Basílio Daemon

Convento da Penha - Webcam Morro do Moreno, 2018

1867. Em consequência de uma forte trovoada havida a 14 de fevereiro deste ano, caíram dois raios na tarde deste dia no antigo e monumental Convento de Nossa Senhora da Penha,(695) ereto no pico de um outeiro a 120 metros de altura sobre o nível do mar e em frente a uma enseada existente na antiga vila do Espírito Santo, sendo guardião do dito Convento frei Teotônio de Santa Humiliana. Já no mês de janeiro deste mesmo ano havia caído uma outra faísca elétrica, que não causara grandes danos. Os estragos feitos por um dos raios no zimbório nas obras de talha e parede lateral foram lamentáveis, e assim esteve até quatro anos atrás, em que o provincial do convento dos franciscanos da Corte, frei João do Amor Divino Costa, deu começo às obras para restabelecimento daquelas peças arquitetônicas que faltavam, mandando restaurar todo o zimbório, obras de talha e altar da Senhora das Dores, colocando novos retábulos pintados pelo hábil pintor Vítor Meireles e assoalhando todo o corpo da igreja; essas obras, porém, ainda não foram concluídas neste ano de 1879 pela grande dificuldade na condução de materiais e obtenção de oficiais peritos que se sujeitem àqueles trabalhos difíceis no lugar em que se acha o convento. Contudo, essas obras ficarão concluídas em 1880.(696)

Idem. Neste ano, pela lei nº 8, de 18 de março, é novamente organizado o estabelecimento de instrução secundária da província, criando-se o lugar de um diretor com outras prerrogativas, dando-se ao mesmo estabelecimento a denominação de Colégio Espírito Santo, em substituição ao de Liceu que tinha desde 1843, em que fora criado. Foi nomeado diretor o engenheiro Deolindo José Vieira Maciel. Mais tarde, em 1872, houve nova reforma neste estabelecimento, sendo nós um dos que mais pugnou para seu maior desenvolvimento, criando no projeto por nós apresentado à Assembleia Provincial novas cadeiras, e autorizando a Presidência a reformar o regulamento, que foi logo confeccionado pelo ilustrado presidente Dr. João Tomé da Silva, que mudou o nome desse estabelecimento para o de Ateneu Provincial, dando-lhe ainda muitas garantias e criando um internato.(697)

Idem. É instalado a 25 de março deste ano o município de São Pedro do Cachoeiro pelo presidente da Câmara Municipal da vila de Itapemirim, tenente Joaquim José Gomes da Silva Neto, sendo seus primeiros vereadores o coronel Francisco Xavier Monteiro Nogueira da Gama, tenente-coronel José Pinheiro de Souza Werneck, major Misael Ferreira de Paiva, capitão Francisco de Souza Monteiro, Dr. Antônio Olinto Pinto Coelho, capitão José Vieira Machado, bacharel Joaquim Antônio de Oliveira Seabra e capitão Pedro Dias do Prado.

Idem. Assume a administração da província em 8 de abril deste ano o 1º vice-presidente bacharel Carlos de Cerqueira Pinto, por lha ter passado o presidente bacharel Alexandre Rodrigues da Silva Chaves, que se retirou com licença para a Corte.(698)

Idem. Continuando ainda neste ano, como no antecedente, revoltados os escravos da Fazenda da Safra, devido em parte à incúria de algumas autoridades e em parte ao terror que causavam aos proprietários ou administradores da dita fazenda, foi assassinado no dia 28 de abril deste ano o cidadão José Fernandes Anchieta, na fazenda União, junto à da Safra, por um escravo dos que andavam fugidos em número de vinte e um. Ainda no dia 14 do mês seguinte, maio, apareceu enforcado o pardo Joaquim, com o látego de um relho, mostrando ou conhecendo-se pelo corpo de delito ter sido o mesmo arrastado ao lugar do delito. Ainda a 30 de maio foi ferido gravemente Frederico Pinto Saraiva, quebrando-se-lhe uma perna.

Idem. São eleitos e tomam assento em maio deste ano como deputados na 13ª legislatura da Assembleia Geral o comendador Carlos Pinto de Figueiredo e bacharel José Feliciano Horta de Araújo.(699)

Idem. É nomeado por decreto de 8 de junho deste ano, juiz de direito da comarca de São Mateus o bacharel José Maria do Vale Júnior, que prestou juramento a 27 e entrou em exercício a 30 do mesmo mês e ano. Serviu como chefe de Polícia e administrou a província como seu 1º vice-presidente, sendo removido para a comarca de Nossa Senhora da Graça, em Santa Catarina.

Idem. É concedido, a 12 de julho deste ano e pelo governo imperial, exequatur(700) à nomeação de Óton Leonardo para agente consular do reino da Itália nesta província.

Idem. Neste ano, no mês de julho, principia a ser publicado na vila de Benevente um periódico de propriedade e redação de Francisco Emílio Guizan, sob o título A Estrela do Sul, publicado ali até o nº 27, que saiu a 22 de dezembro. Este mesmo periódico, a 5 de janeiro do ano seguinte, mudada a tipografia para a cidade da Vitória, continuou a ser publicado sob o mesmo título, dando nesse dia e mês o nº 28 e seguintes, mas tendo pouca duração.

Idem. Pela lei provincial nº 27, de 27 de julho deste ano, é criada a freguesia de Santa Leopoldina, no perímetro da colônia do mesmo nome e seus distritos anexos, servindo provisoriamente de Matriz a capela da mesma colônia.(701) Hoje é aquela freguesia uma das mais importantes da província, já por sua lavoura, comércio, criação e pequena indústria, como por seus edifícios.

Idem. É publicado, a 24 de agosto deste ano, na vila de Itapemirim, o primeiro número do primeiro periódico ali havido, sob o título Sentinela do Sul,(702) de propriedade de uma associação, sendo o mesmo órgão da política liberal daquela antiga comarca. Este periódico semanal era em grande formato, e nele colaboravam os bacharéis Horta de Araújo, Maximiano Bueno, Macedo, Pires de Amorim, Antão, Manoel Joaquim de Lemos, Dr. Clímaco Barbosa e outros. Tornou-se, afinal, virulento como O Itabira, com quem discutia e polemizava.

Idem. É inaugurada neste ano, na vila de São Pedro do Cachoeiro de Itapemirim, uma sociedade literária sob o título de Tirocínio Literário, sendo seus estatutos aprovados no dia 7 de setembro. Foi duradoura esta sociedade, prestou serviços às letras e deu desenvolvimento literário a muitos de seus sócios, sendo a mesma sociedade frequentada até por notabilidades. Como todas as coisas em nosso país, morreu esta sociedade no fim de três anos de existência, pela falta de recursos e guerra feita pelos tartufos e invejosos.

Idem. É nomeado por carta imperial de 29 de setembro deste ano presidente desta província o bacharel Francisco Leite Bittencourt Sampaio, que prestou juramento e tomou posse a 11 de outubro do mesmo ano, sendo exonerado a 22 de agosto de 1868.(703)

Idem. Por decreto de 6 de novembro deste ano é removido para esta província para servir o lugar de chefe de Polícia o bacharel Antero Cícero de Assis, que não consta ter prestado juramento nem entrado em exercício, sendo removido para a Bahia em 25 de julho do ano seguinte.

 

NOTAS

(695) “Antes, porém, de referi-las, permiti que, aproveitando este ensejo, deplore e acompanhe o sentimento geral de que se acham possuídos os devotos da Virgem da Penha, que se venera no convento do mesmo nome, colocado na vila do Espírito Santo, pelos estragos causados por dois raios que caíram sobre o referido convento nos dias 29 de janeiro e 14 de fevereiro deste ano.” [Relatório com que foi aberta a sessão ordinária da Assembleia Legislativa Provincial pelo Exm. Sr. Dr. Carlos de Cerqueira Pinto, 1867, Culto Público, p. 11]

(696) Jornal da Vitória, 16 de fevereiro de 1867, p. 2.

(697) “Pelo art. 1º da lei provincial nº 13 de 1867 foi o presidente da província autorizado a contratar com qualquer cidadão idôneo o estabelecimento e direção de um colégio de instrução primária e secundária com o título supra.” [Marques, Dicionário, p. 150]

(698) Jornal da Vitória, 6 de abril de 1867, p. 3.

(699) “Foram eleitos deputados à Assembleia Geral o Dr. José Feliciano Horta de Araujo e o comendador Carlos Pinto de Figueiredo.” [Relatório com que foi aberta a sessão ordinária da Assembleia Legislativa Provincial pelo Exm. Sr. Dr. Carlos de Cerqueira Pinto, 1867, Eleições, p. 4]

(700) Documento que autoriza o exercício de função consular.

(701) Jornal da Vitória, 10 de agosto de 1867, p. 1.

(702) Sentinela do Sul, Itapemirim, 1867.

(703) Ao que tudo indica, Sampaio permaneceu nesse cargo de outubro de 1867 a abril de 1868, quando partiu para o Rio de Janeiro, sendo então substituído pelo 1º vice-presidente, José Maria do Vale Júnior: “Honrado, por carta imperial de 21 de dezembro do ano próximo passado, com a nomeação de primeiro vice-presidente, e tendo assumido a administração na manhã do dia 16 de abril deste ano, no impedimento do Exm. Sr. presidente Dr. Francisco Leite Bittencourt Sampaio, que na madrugada desse mesmo dia seguiu para a Corte, a fim de tomar assento na câmara temporária, como um de seus membros...” [Relatório com que o Exm. Sr. Dr. José Maria do Vale Júnior entregou a presidência da província do Espírito Santo..., 1º de setembro de 1868, p. 3]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2019

História do ES

Breves notícias sobre o Contestado

Breves notícias sobre o Contestado

A Comissão Geográfica do Exército iniciou os trabalhos demarcatórios do Contestado, acompanhada pelo engenheiro Cícero Moraes pelo Espírito Santo e Benedito Quintino por Minas Gerais

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Dois planos urbanísticos de Vitória - Por Geet Banck (Parte I)

Dois planos urbanísticos de Vitória: Saúde e Praia como metáforas do Imaginário Urbano

Ver Artigo
No tempo do Hidrolitol - Por Sérgio Figueira Sarkis

Dentro da Confeitaria Colombo, encontrava-se a charutaria dos Benezath

Ver Artigo
Festival de Verão de Guarapari Janeiro 1971

A ideia tinha partido de dois jornalistas, Antônio Alaerte e Rubens Gomes Filho

Ver Artigo
A Fundação de Vitória

Aquela provisão lança por terra a tradição de que foi o triunfo alcançado pelos ilhéus a 08/09/1551 que deu nome a Vitória

Ver Artigo