Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Anos de 1575,1576,1577,1578,1580,1582 e 1584 - Por Basílio Daemon

Anchieta - Porto Benevente 1874

1575. Dá a alma a Deus, a 2 de maio deste ano, na Ermida das Palmeiras, hoje Convento da Penha, depois de dezessete anos de estada ali, e sendo o seu fundador, frei Pedro Palácios,(106) sendo encontrado morto, dobrado sobre os joelhos e reclinado sobre a pedra d’ara. Divulgada que foi a sua morte avultou o povo e indígenas ao santuário, que fora erigido por aquele religioso com insano trabalhar, já carregando ele mesmo os materiais para a obra e dirigindo-a, já catequizando e animando aos indígenas para o coadjuvarem, e a quem ele muito tinha servido e valido. Com gritos, choros e lamentações, demonstravam todos o sentimento por aquela morte, que por muitos anos não foi esquecida; foi este grande fundador e catequista enterrado debaixo do alpendre da portaria, em uma cova que dizem as crônicas já estar aberta para receber o seu cadáver, e talvez por ele mesmo feita.

1576. Continua neste ano Vasco Fernandes Coutinho Filho a fazer doações de terrenos e concessões àqueles que se quisessem entregar à lavoura, que ia em progressivo andar, devido não só ao donatário como aos poderosos auxílios prestados pelos padres da Companhia de Jesus, que não se poupavam a esforços a fim de que a capitania prosperasse.

1577. É doada neste ano, por Vasco Fernandes Coutinho Filho, a Vicente Vaz e à sua mulher D. Ana Vaz, uma sesmaria de terras no lugar denominado Carapina, hoje freguesia, não só para si como em sucessão a seus filhos. Julgamos serem os doados parentes muito próximos do doador, visto a mãe de Vasco Fernandes Coutinho Filho também chamar-se Ana Vaz e ainda existir neste tempo.

1578. Neste ano é ainda doada pelo mesmo Vasco Coutinho mais uma data de terras demarcadas a Gaspar do Couto, com sucessão a seus filhos, as quais eram anexas às de Vicente Vaz e sua mulher doadas em Carapina no ano antecedente.

Idem. É neste ano elevado ao grau de provincial da Companhia de Jesus, desta província do Brasil, o padre José de Anchieta, que estava nesta então capitania, e já promovia a fundação de outras casas religiosas, como a de Benevente, Reritiba, que principiara a construir na esplanada de uma bela colina à beira-mar, ao lado norte do rio do mesmo nome, e onde em 1569 reunira grande número de índios e formara essa aldeia e mais outra perto dali, em Orobó. Benevente fora sempre o lugar de sua predileção.(107)

1580. Neste ano fundam os padres da Companhia o Colégio e Igreja dos Reis Magos, à margem do rio Apiputanga, depois Reis Magos, Aldeia Nova e hoje de Nova Almeida, e onde já se achavam muitos indígenas estabelecidos desde 1557. É desta época que data a fundação daquela povoação, hoje vila de Nova Almeida.(108)

1582. Supõem todos os nossos cronistas e historiadores que foi neste ano, no 1º de julho, que teve origem a fundação da Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, e sob a direção do padre provincial José de Anchieta, porque tendo chegado àquele porto uma armada saída da Castela, composta de dezesseis embarcações de guerra, em que vinham três mil homens sob o comando do general Diogo Flores Valdez, havendo sofrido a expedição um grande temporal na longa travessia, chegaram quase todos doentes e necessitados de tratamento e agasalho, pelo que, achando-se ali o padre provincial José de Anchieta, que desta capitania tinha para ali ido de visita ao Colégio da Ordem, fundado, como vimos, em 1567, movido de compaixão e extremada caridade, condoeu-se tanto do lastimoso e precário estado em que se via toda aquela gente que, tomando a peito a sua cura, deu providências à ereção de uma casa em que fossem os doentes recolhidos, assistidos e curados, para cujo fim destinou logo alguns religiosos, concorrendo também ele com sua própria pessoa em valer-lhe com seus conhecimentos médicos e cirúrgicos para o seu restabelecimento, e assim continuou este estabelecimento fundado por este venerável sacerdote a servir de asilo aos doentes, tendo pelo tempo adiante sido aumentado este estabelecimento, com grandes conexões, e chegado ao ponto em que hoje o vemos.(109)

1584. Neste ano, por alvará datado de 1º de dezembro, é demarcado o patrimônio dos índios aldeados de Reritiba, hoje Benevente, a instâncias e esforços do padre José de Anchieta.

 

Notas

 

106 Segundo Röwer [Convento, p. 27] e Francisco Rubim [Memórias, p. 5], a data seria 1570. Já Freire [Vitória e a capitania, in RIHGES, 1935, 8:11], Nery [Carta pastoral, p. 22] e Machado de Oliveira [Notas, apontamentos, RIHGB, 1856, 19:262] mencionam a data de 2 de maio de 1575. Pizarro informa apenas o ano (1575). [Memórias, II, p. 12]

107 Segundo D. João Nery, a data de fundação da igreja de Nossa Senhora da Assunção em Benevente, hoje Anchieta, seria 1579 e não 1578. [Carta pastoral, p. 15]

108 “É fundada pelos padres jesuítas a igreja dos Reis Magos, em Nova Almeida, onde se localiza em um local alto com belo panorama”. 1580. [Leite, HCJB, I, p. 243]

109 “Foi Anchieta quem, depois de ter fundado a Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, fundou também com Miguel de Azeredo a casa de caridade de Vila Velha...” [Stenzel, Apóstolo do Brasil, RIHGES, 8:90]

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2019

 

Variedades

Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Na borda do infinito – Por Luiz Carlos Almeida Lima

Bebia num bar... SCANDINAVE... outro porto, outra terra a proteger caravelas... preso como âncora no lodaçal

Ver Artigo
Semana Santa – Por Edward Athayde D’Alcântara

Quinta- Feira, saem da Igreja do Rosário, em procissão, as Filhas de Maria conduzindo o andor de Nossa Senhora das Dores

Ver Artigo
Personagens Originais - Por Areobaldo Lellis Horta

Éramos, nós, eu, meu pai e meu irmão, os seus companheiros de pescaria na Barrinha, fronteiro ao Monte Moreno

Ver Artigo
Casamentos – Por Areobaldo Lellis Horta

Era eu muito criança, quando assisti, pela primeira vez um casamento em Vitória

Ver Artigo
Peroás e Caramurus – Por Areobaldo Lellis Horta

 "Peroás" e "Caramurus" constituíram dois grandes partidos populares, de caráter eminentemente religioso e social, em que se dividiam os habitantes de Vitória

Ver Artigo