Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Antônio de Ataíde (ou Conde de Castanheira): O homem que mandava no Rei

D. João III de Portugal

Antônio de Ataíde inventou o Brasil

Um dos mais extraordinários personagens do Brasil colonial permanece desconhecido de 99,9% dos brasileiros. Seu nome não é encontrado em virtualmente nenhum livro didático, e mesmo os acadêmicos o ignoram quase por completo. No entanto, durante mais de 30 anos nada se fez no Brasil que não por ordem de dom Antônio de Ataíde. Entre 1525 e 1558, Ataíde era de fato o homem que mandava no Brasil simplesmente porque era o homem que mandava no rei.

Em 1530, partiu de Lisboa a primeira expedição colonizadora enviada ao Brasil. Quem a organizou? Dom Antônio de Ataíde - que escolheu seu primo-irmão Martim Afonso de Sousa para chefiá-la. Em 1534, a colônia foi dividida em capitanias hereditárias. Por ordem de quem? De dom Antônio - que distribuiu os lotes entre seus colaboradores mais próximos. Em 1549, fracassado o regime das donatarias, estabeleceu-se o Governo-Geral.

De quem foi a idéia? De Ataíde - que, além de nomear outro primo-irmão, Tomé de Sousa, para o cargo de governador-geral, redigiu o "regimento" que tem sido chamado de "primeira Carta Magna do Brasil".

Quem, afinal, era dom Antônio de Ataíde e como chegou a adquirir tanto poder? Nascido em 1502, era um fidalgo que virou o melhor amigo do então princípe-herdeiro dom João (nascido em 1503). Os dois garotos passaram a infância e a juventude juntos. Tão íntimos eram que, julgando que a influência de Ataíde sobre dom João "pudesse ser feitiço", o rei dom Manuel não só afastou o primeiro-amigo da corte como mandou prendê-lo. Mas em fins de 1521 dom Manuel morreu. Ao assumir o trono, com o nome de dom João III, o novo rei transformou Ataíde no homem mais influente de Portugal.

O poder sem fronteiras do conde de Castanheira

Além de virar conde de Castanheira, dom Antônio de Ataíde tornou-se vedor, cargo equivalente ao de ministro da Fazenda, e o principal articulador político do Império. Foi dele a idéia de "investir" no Brasil e desocupar as fortalezas lusas no Marrocos. Foi ele quem escolheu os três primeiros governadores-gerais do Brasil e quem determinou a expulsão dos franceses. Morreu em 1558, não sem antes fazer de seu filho, Antônio de Ataíde, o segundo conde de Castanheira e seu bravo sucessor.

-------------------------------------------------------------------------------
Nota do Site: Em certo livro de história (História do Brazil 1500-1891, AUTOR: DE ANDRADE), consta que Vasco Fernandes Coutinho, donatário da capitania do Espírito Santo, era vizinho de um amigo do conde de Castanheira em Alenquer, local onde morava em Portugal. O referido conde é que pediu ao rei que desse uma Capitania para Coutinho, por ter sido um homem de Armas, e agido com Afonso de Albuquerque nas conquistas da Índia.
-------------------------------------------------------------------------------
Não confundir Antônio de Ataíde (conde de Castanheira) com Antônio Francisco de Athayde, que foi prefeito de Vila Velha entre 1918 e 1921, e hoje empresta seu nome à famosa rua de Vila Velha.

 

Fonte: Revista É poca/2001
Autor: Eduardo Bueno
Compilação: Walter de Aguiar Filho, 2001

História do ES

A Samarco

A Samarco

A Samarco, localizada em Anchieta, segunda maior produtora de pelotas de minério de ferro do país, mantém terminal marítimo próprio para exportar seus produtos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo