Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Apreciação do livro de Dna Glorinha - Por Eurípides Queiroz do Valle

Eurípides Queiroz do Valle, foto do acervo do IHGES, modificada

"A Professora Maria da Glória de Freitas Duarte teve a delicadeza de confiar-me, ainda no original dactilografado, o estudo que empreendeu sobre o “Folc.-lore de Vila Velha”, premiado no concurso “Jayme Duarte Nascimento – 1970”, instituído pela Academia Humberto de Campos daquela antiga Vila, hoje oficialmente cidade do Espírito Santo.

Abriu o seu trabalho com o capítulo que intitulou “Um pouco da história de Vila Velha”. Seguiram-se a este os referentes à “Vila Velha, suas tradições e sua fé”, as Festas Tradicionais no qual inclue a Festa da Penha, e de São Benedito e a do Divino Espírito Santo; ao Natal e seus festejos; Contra-danças; Brinquedo de Boi; Reisado; Marujada; Reis; o Teatro em Vila Velha; Festas Juninas; Carnaval; Canções; Contos e estórias; Mitos e lendas; Enigmas e advinhas; Anedotas bentinhos; Trava-linguas e provérbios; Expressões e inscrições; Costumes de nossa gente; Serenatas; Folguedos infantis e Mnemonicas.

Todos esses capítulos estão ilustrados com farta messe de exemplos curiosos e transcrições interessantes que revelam a riqueza dessa “ciência do povo” naquela velha e quatricentenária cidade-mater espírito-santense. A ilustre Professora Maria da Glória revelou, com este seu paciente trabalho, o grande conhecimento que possue da história de sua terra e, de envolta com esse conhecimento, o grande amor e estima que dedica as suas tradições mais caras, mais expressivas e queridas.

O seu livro cheio de curiosidade e de interesse para os espirito-santenses em geral e, em particular, para o estudioso do nosso passado histórico, vai representar, sem dúvida, valiosa contribuição para um melhor conhecimento do Espírito Santo e maior divulgação de suas riquezas e seus valores culturais.

O estudioso do Folc-lore brasileiro vai encontrar nele fonte preciosa de conhecimentos, dada a riqueza de informes e dados que conseguiu reunir e coordenar. Bem compreendeu a sua ilustre autora o que representa para o futuro de nossa terra a divulgação de seus costumes, seus hábitos, seus usos e tradições para um juízo perfeito do papel que representará na comunidade brasileira.

Só os que já se dedicaram a estudos e pesquisas dessa natureza podem bem avaliar o que eles representam de trabalho, de paciência e de dedicação. Nem sempre o material necessário é encontrado à flor da terra. Não raro terá o pesquisador de descer ao sub-solo de velhos arquivos, velhos jornais, velhos livros, velhas coleções e também a palavra de velhos conhecidos e amigos para colher neles e deles a pepita de ouro preciosa e desejada.

D. Maria da Glória de Freitas Duarte realizou todo esse trabalho com rara dedicação e um grande carinho por sua terra, dedicação e carinho que seriam impossível ocultar ou esconder pois que eles aparecem aqui numa frase delicada, se revelam ali num conceito amistoso e se expressam acolá em palavras de justificado orgulho e compreensiva ufania pela terra em que nasceu e pelos homens do passado, seus conterrâneos, que souberam engrandecê-la e dignificá-la.

Há nesse livro uma nota de tocante amor filial. É quando a autora, na dedicatória inicial, se refere, carinhosamente, a um sábio conselho de sua veneranda e saudosa mãe, ao lhe dizer:- “Escrevam todas as cousas bonitas de Vila Velha antiga, porque, quando eu e os outros velhos desaparecermos, todas essas belezas desaparecerão conosco”.

E ela escreveu. E fê-lo neste belo livro.

Vitória do Espírito Santo, em 05 de agosto de 1973".

 

Apreciação Inicial ao livro: Eurípides Queiroz do Valle 
Livro: VilaVelha de Outrora, 1990
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2012

 

 

>> Costumes da nossa gente
>> O teatro em Vila Velha
>> O Natal e seus festejos
>> Mitos e lendas 
>> Festejos de Natal: Reis
>> Namorados de Vila Velha
>> Antigos festejos de Vila Velha
>> Primeiros Carnavais de Vila Velha
>> Inscrições
>> Pregões em Vila Velha
>> Carnaval antigo de Vila Velha

Folclore e Lendas Capixabas

Mestre Flores artesão da Vida - Por José Carlos Mattedi

Mestre Flores artesão da Vida - Por José Carlos Mattedi

Não é preciso ser um quiromante para ler as mãos de Mestre Flores. São tão calejadas que revelam logo suas duas profissões: Carpinteiro e músico

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo