Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Apresentação do livro do Seu Dedê – Por Estilaque Ferreira dos Santos

Capa do Livro do Seu Dedê

Dentro de mais alguns anos Vila Velha estará completando 500 anos. Cinco séculos terão se passado desde que chegou por aqui a comitiva de Dom Vasco Fernandes Coutinho, o fidalgo português que resolveu empreender por estas bandas do mundo uma de suas últimas aventuras: a de colonizar e povoar a terra que estava sendo conquistada aos seus primitivos habitantes.

É uma longa história e muito digna de ser bem conhecida!

A vila que deu origem ao Espírito Santo deixou de ser o centro político e administrativo da antiga capitania, mas continuou sendo, ao longo dos séculos, importante referência religiosa, cultural e simbólica da região, principalmente por causa do evocativo Convento da Penha — nossa maior relíquia histórica.

Em virtude das ligações que se construíram com a capital e com as cidades vizinhas, nas últimas décadas, Vila Velha é atualmente a maior e mais populosa cidade do Estado e vem passando nas últimas décadas por grandes transformações. Ela cresceu e se modernizou muito rapidamente, apagando, em parte, a memória dos tempos mais antigos. Infelizmente!

Como suas vizinhas, ela é habitada hoje por um grande número de pessoas, como eu, que vieram de outros lugares, pessoas que geralmente conhecem muito pouco a história anterior do lugar que escolheram para viver. E esse é outro motivo que temos para conhecermos melhor a história deste recanto tão encantador que é Vila Velha, mas cuja história é tão pouco conhecida.

O livro de Edward Alcântara é uma bela contribuição neste sentido. Originário da vizinha Guarapari, como ele mesmo conta se estabeleceu aqui com sua família na década de 30 — quando ainda era criança. Com uma memória privilegiada, Edward resgatou esse passado longínquo falando-nos de sua infância, da brincadeira da girica, do jogo de piões, do jogo de ferrinho, do pique e da barra. Mas falou também dos costumes e dos hábitos do povo "canela-verde", das dificuldades e dos problemas.

O autor é um apaixonado pela História, e, embora adotando a profissão de agrimensor, desde cedo revelou uma grande curiosidade pelas coisas de nosso passado.

Neste livro, ele agregou ao trabalho de memorialista a contribuição do historiador meticuloso que correu atrás do documento decisivo, da foto evocativa, e construiu a partir deles um amplo panorama de nossa evolução histórica, desde os tempos de Vasco Fernandes Coutinho até os dias de hoje.

Edward retratou com muita felicidade os múltiplos aspectos da vida cotidiana da cidade: a história dos bondes, que iam da Prainha até Paul, e que deixaram muita saudade nos moradores mais antigos, que ainda se lembram disso; falou dos velhos automóveis, das ruas e das residências antigas, dos carroceiros e dos amoladores de faca, dos vendedores de leite.

Ele descreveu com muita propriedade e detalhes lugares hoje pouco conhecidos: Inhoá, o Cercadinho, a Maxambomba e o Matadouro. Mas falou também de outros lugares ainda hoje muito familiares a todos nós como a Barra do Jucu, a Ponta da Fruta, a Glória e o Morro da Manteigueira.

Mostrou a localização de alguns pontos históricos do município, como a Pedra do Cruzeiro, a Gruta de Frei Pedro Palácios, o Frontal do Portão da Penha, as Timbebas, o Cais dos Padres, a Fonte Milagrosa, o Morro do Moreno, o Rio da Costa, a Pedra da Onça e o Forte São Francisco Xavier.

Edward também deu notícia e informação de personalidades importantes que viveram no município em outros tempos, e que são hoje pouco lembrados e conhecidos: Anselmo José da Cruz, João Ramires da Costa, Antônio Bezerra de Faria (que dá nome ao hospital), Dinorah Louzada, Frei Leopoldo, Denizart Santos, Padre José Ludwin e Antônio Francisco de Athayde (que dá o nome à avenida importante da cidade).

Com uma escrita agradável, elegante e fácil de ser lida, o autor prestou um serviço admirável de resgate de nossa história. Por isto está de parabéns, e em nome do povo e dos leitores de Vila Velha, nós lhe agradecemos.

 

Por Estilaque Ferreira dos Santos

Historiador e morador da Praia de Itaparica/Vila Velha

 

Fonte: Memória do Menino... e de sua Vila Velha - Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha-ES, 2014
Autor: Edward Athayde D’ Alcantara
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2020

Vila Velha

Gil Vellozo - Relatório de Atividades Administrativas (1955-1959) - Parte II (final)

Gil Vellozo - Relatório de Atividades Administrativas (1955-1959) - Parte II (final)

Relatório apresentado à Egrégia Câmara Municipal de Vila Velha, em 30 de Janeiro de 1959, pelo Prefeito Municipal Antônio Gil Vellozo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Apresentação do livro do Seu Dedê – Por Estilaque Ferreira dos Santos

Dentro de mais alguns anos Vila Velha estará completando 500 anos

Ver Artigo
A enchente de 1960 em Vila Velha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ponte da Barra do Jucu – Na foto o momento que antecedeu a sua destruição quando a ponte foi levada pelas águas da enchente de 1960

Ver Artigo
Festa da Penha – Por Edward Athayde D’Alcântara

A dispersão do povo residente em Vitória ou ao longo da linha de bondes ia até a madrugada; o bonde funcionava 24h

Ver Artigo
Cruz do Campo – Por Edward Athayde D’Alcântara

Começava logo no final da Rua Luciano das Neves e atravessava o pontilhão do Córrego Corre Água (Canal Bigossi)

Ver Artigo
Apicum do Poço - Edward Athayde D’Alcântara

De lagoa em lagoa a água foi se juntando até chegar a lagoa maior conhecida como Apicum do Poço, e principal braço (braço sul) do Rio da Costa

Ver Artigo