Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Araribóia X Villegagnon

Estátua do índio Araribóia, na Curva do Saldanha - Década de 1970

De Araribóia,(4)  comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon, não é necessário dizer mais que isto: ele e os frecheiros que tinha junto de si decidiram da sorte dos intrusos.

Além do auxílio em homens, a capitania forneceu a Estácio de Sá, de início, mantimentos
(5) e, mais tarde, quando minguavam os recursos materiais da expedição, Belchior de Azeredo foi mandado ao Espírito Santo, no navio Santa Clara, com a missão de, “como Provedor da Fazenda Real della, se provêsse ali do necessario em auxilio da nova Cidadella e sua defensão”.(6)

 

NOTAS

(4) - MÁRIO ARISTIDES FREIRE diz: “Há quem afirme Ararigboia, ou Arariboia, nascido no Espírito Santo” (Capitania, 26). Coube-lhe vingar a afronta sofrida por sua tribo da parte dos tamoios, vendo-se obrigada a emigrar para o Espírito Santo em 1555 (ver p. 82). Em reconhecimento aos grandes serviços prestados às armas portuguesas, foram-lhe concedidos o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo e o posto de capitão-mor da sua aldeia (atual Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro). Ao que informa frei VICENTE DO SALVADOR (Hist. Brasil, 197), Araribóia foi batizado em 1530, tendo servido de padrinho Martim Afonso de Sousa. Daí o nome usado pelo valente temiminó – Martim Afonso de Sousa, ou Martim Afonso Araribóia – o primeiro figurando na petição cujo traslado existe na Prefeitura de Niterói (FREIRE, op. cit., 27).

– “Nos cronistas, o nome Araryboia, Ararigbóia, ou melhor, Araigbóia, vem como significando ‘cobra feroz’; mas, decompondo-se o vocábulo tupi, acha-se araib, tempo mau, tempestade, tormenta, e bói, cobra: cobra do mau tempo ou da tempestade, que assim chamavam os índios uma serpente aquática, esverdeada e de cabeça escura, cujo grunhir para eles prenunciava mau tempo” (GARCIA, Notas aos Tratados, 358).

(5) - Estudando esta passagem da História do Brasil, Varnhagen assim se expressou: “com o reforço que conseguiu no Espírito Santo, e que foi de consideração” (HG, I, 394).

(6) - SILVA LISBOA, Anais, I, 101.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

História do ES

Princesa saqueava navios

Princesa saqueava navios

Um fato curioso foi marcante ma história do norte do Espírito Santo, em São Mateus e Itaúnas. No final do século dezessete e início do século dezoito, viveu na região a princesa angolana Zacimba Gaba, da nação de Cabinda, que foi capturada e trazida para o Brasil como escrava.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Auguste François Biard

Na relação dos principais viajantes estrangeiros ilustres que estiveram em nosso país, no segundo meado do século dezenove, sem muito destaque, inclui-se o nome do pintor francês — Auguste François Biard

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES (Cap. I) - Por Bruno César Nascimento

Capítulo I - Brasil: entre o real e o imaginado

Ver Artigo
Introdução do livro Viagens à Capitania do ES

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
Viagens à Capitania do ES - Por Bruno César Nascimento

Expedições às terras capixabas feitas pelo príncipe Maximiliano de Wied-Neuwied, em “Viagem ao Brasil” (1820), e pelo botânico e naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em viagem por aqui em 1818

Ver Artigo
República, a grande transformação - Por Cristina Dadalto

No governo de Florentino Avidos várias edificações importantes para o Centro foram iniciadas: a construção do Viaduto Caramuru

Ver Artigo