Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Araribóia X Villegagnon

Estátua do índio Araribóia, na Curva do Saldanha - Década de 1970

De Araribóia,(4)  comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon, não é necessário dizer mais que isto: ele e os frecheiros que tinha junto de si decidiram da sorte dos intrusos.

Além do auxílio em homens, a capitania forneceu a Estácio de Sá, de início, mantimentos
(5) e, mais tarde, quando minguavam os recursos materiais da expedição, Belchior de Azeredo foi mandado ao Espírito Santo, no navio Santa Clara, com a missão de, “como Provedor da Fazenda Real della, se provêsse ali do necessario em auxilio da nova Cidadella e sua defensão”.(6)

 

NOTAS

(4) - MÁRIO ARISTIDES FREIRE diz: “Há quem afirme Ararigboia, ou Arariboia, nascido no Espírito Santo” (Capitania, 26). Coube-lhe vingar a afronta sofrida por sua tribo da parte dos tamoios, vendo-se obrigada a emigrar para o Espírito Santo em 1555 (ver p. 82). Em reconhecimento aos grandes serviços prestados às armas portuguesas, foram-lhe concedidos o hábito de cavaleiro da Ordem de Cristo e o posto de capitão-mor da sua aldeia (atual Niterói, cidade do Estado do Rio de Janeiro). Ao que informa frei VICENTE DO SALVADOR (Hist. Brasil, 197), Araribóia foi batizado em 1530, tendo servido de padrinho Martim Afonso de Sousa. Daí o nome usado pelo valente temiminó – Martim Afonso de Sousa, ou Martim Afonso Araribóia – o primeiro figurando na petição cujo traslado existe na Prefeitura de Niterói (FREIRE, op. cit., 27).

– “Nos cronistas, o nome Araryboia, Ararigbóia, ou melhor, Araigbóia, vem como significando ‘cobra feroz’; mas, decompondo-se o vocábulo tupi, acha-se araib, tempo mau, tempestade, tormenta, e bói, cobra: cobra do mau tempo ou da tempestade, que assim chamavam os índios uma serpente aquática, esverdeada e de cabeça escura, cujo grunhir para eles prenunciava mau tempo” (GARCIA, Notas aos Tratados, 358).

(5) - Estudando esta passagem da História do Brasil, Varnhagen assim se expressou: “com o reforço que conseguiu no Espírito Santo, e que foi de consideração” (HG, I, 394).

(6) - SILVA LISBOA, Anais, I, 101.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, maio/2017

História do ES

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Batismo da terra de Vasco e as primeiras construções

Basílio Daemon arrola, entre as construções iniciais, “um forte no lugar onde hoje [1879] se acha a Fortaleza de Piratininga”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Capitanias Hereditárias

Quando Vasco Fernandes Coutinho chegou à sua capitania, 35 anos após o descobrimento, todo o litoral brasileiro já era conhecido pelos principais navegadores europeus. Em 1501, o rei D. Manoel organizou uma frota de três caravelas com a missão de fazer a primeira exploração de todo o litoral das terras enunciadas por Cabral, cujo comando principal entregou ao experiente navegador português , Gonçalo Coelho...

Ver Artigo
A Reforma do Ensino Público na era Muniz Freire

Em substituição ao Colégio Nossa Senhora da Penha e ao Ateneu Provincial foram criadas em Vitória duas novas Escolas Normais

Ver Artigo
Entre a Militância e o Clientelismo - Por Geet Banck (Parte IV)

Em 1977 um grupo de 34 famílias invadiu o manguezal e construiu em São Pedro barracos improvisados

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte I)

Uma análise dos resultados um tanto surpreendentes das eleições de 1988 para o cargo de prefeito de Vitória

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte II)

As eleições de 1988 para as prefeituras municipais brasileiras redundaram num notável avanço do Partido dos Trabalhadores

Ver Artigo