Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aribiri

Rio Aribiri, foto aérea

A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal.

A palavra Aribiri vem da língua tupi. Para uns ela quer dizer barata pequena, devido à grande quantidade de baratinhas existentes nas pedras do rio. Para outros, significa sardinha, ou ainda peixe pequeno, que se encontravam nas águas do rio.

Aribiri começou a ser um bairro residencial graças aos bondes. Era principalmente de bonde que os seus moradores iam para Vila Velha ou para Paul, de onde passavam a Vitória.

Quando os bondes acabaram, a estrada de rodagem se tornou o principal meio de ligação entre Aribiri e as outras partes de Vila Velha. Ônibus e outros veículos motorizados passaram a ser usados pelos moradores do bairro. A estrada Jerônimo Monteiro e a avenida Carlos Lindenberg adquiriram importância crescente para Aribiri.

O bairro transformou-se. Entre a foz do rio Aribiri e o morro do Penedo foi construído um terminal portuário. Através dele importam-se e exportam-se vários produtos. Em seu cais atracam navios com até 250 metros de comprimento.

Nessa região localizam-se também o parque ecológico Espera-Maré ou parque Morro da Mantegueira.

Fonte: Vila Velha: Nosso Município
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Léa Brígida Rocha de Alvarenga Rosa/ Renato José Costa Pacheco
Vitória – 2003

LINKS RELACIONADOS:

>> Bairros da Grande Vitória
>>
 
Bonde



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Rua 23 de Maio

Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães, então um dos homens mais prósperos do Estado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Ver Artigo
Rua Cristóvão Colombo (desaparecida) – Por Elmo Elton

Da antiga Cristóvão Colombo resta um trechinho de nada, ao lado da Barão de Monjardim, sendo que uma escadaria, ao término da extinta rua, tem, agora, o nome do descobridor. A escadaria, estreita, em rampa íngreme, dá subida para o morro do Vigia

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo