Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aristeu Borges de Aguiar

Massacre de 13 de fevereiro

O presidente capixaba, Aristeu Borges de Aguiar (1928-1930), seguiu a tradição da polícia de “troca de favores” entre os governos estadual e federal: apoiou a candidatura de Júlio Prestes à Presidência da República em 1930. Em razão disso, organizou-se, no Espírito Santo, uma seção da Aliança Liberal, com o objetivo de fazer-lhe oposição.

Os aliancistas capixabas eram liderados por Jerônimo Monteiro, que, desde a crise sucessória de 1920, estava afastado do poder central do Estado. Oportunistas, os jeronimistas viam, na vitória de Getúlio Vargas, a chance de retornar ao governo estadual.

Para a campanha eleitoral de 1930, o núcleo estadual da Aliança Liberal realizou um comício, em Vitória, com a participação estimada de 3 mil pessoas. Discursos inflamados e denúncias de corrupção no Palácio Anchieta provocaram a reação da força policial destacada para a segurança do evento. Segundo a versão mais aceita, a polícia abriu fogo contra a multidão, para dispersá-la. O pânico e a tragédia instalaram-se: tiroteio, tumulto, correria, pisoteamentos, muito feridos e alguns mortos – quatro, cinco ou dez, conforme cada versão. Tal episódio é conhecido como o Massacre de 13 de fevereiro e contribuiu para abalar ainda mais a imagem já desgastada do impopular Aristeu de Aguiar.

Invasão Militar no Estado

Quando a Revolução de 30 foi detonada em Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, a reação em cadeia foi instantânea. Era preciso derrubar todos os presidentes estaduais que haviam apoiado a vitória eleitoral de Júlio Prestes e que, por conseguinte, eram fiéis ao presidente Washington Luiz.

O Espírito Santo, por isso, foi invadido por tropas militares revolucionárias provenientes do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Sem forças armadas suficientes para resistir à altura, o presidente Aristeu de Aguiar abandonou o cargo e embarcou para o exílio em um navio cargueiro italiano que estava no porto de Vitória. Seus aliados políticos refugiaram-se em localidades próximas à capital.

As colunas militares percorreram o Estado. Substituíam, nas cidades por onde passavam, os prefeitos que tivessem alguma ligação política com as lideranças estaduais ou federais que estavam sendo afastadas do poder.

Para governar o Espírito Santo, Getúlio Vargas nomeou, por decreto, um militar-interventor: o capitão João Punaro Bley – leia suas Memórias, em texto que abre este capítulo.

Os jeronimistas, por terem apoiado a Revolução, passaram a ter participação na administração do interventor federal. O monteirismo continuava vivo.

Fonte História do Espírito Santo - Uma Abordagem Didática e Atualizada 1935 a 2002 
Autor: José P. Schayder

Personalidades Capixabas

Personalidades Capixabas

Personalidades Capixabas

De nascimento ou de coração, as pessoas listadas abaixo tem um lugar especial na cidade de Vila Velha e no Estado do Espírito Santo. Conheça melhor alguns destes homens e mulheres que ajudaram a fazer nossa história.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Moacyr Dalla

Participou da criação do "Corredor de Exportações" do Porto de Vitória, seu reaparelhamento e a construção do Porto de Capuaba

Ver Artigo
Manoel Moreira Camargo

Eclético, não se atendo a uma só opinião ou a uma única filosofia, MOREIRA CAMARGO encontrou um destacado lugar entre as legítimas e autênticas personalidades do Espírito Santo

Ver Artigo
Marcílio Toledo Machado

Meu pai disse para meu irmão mais velho quando nasceu o seu primeiro filho: "Agora sim, você vai ter uma idéia de quanto gosto de você"

Ver Artigo
Nicanor Francisco de Azevedo Paiva

Nascido na Vila do Arrozal do Pirai, em terras da Fazenda Pau D'Alho, no dia 17 de agosto de 1901

Ver Artigo
Laerce Bernardes Machado

A História de um Homem é sempre algo interessante de se saber e de se conhecer

Ver Artigo