Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Aristides Armínio Guaraná

Aristides Armínio Guaraná

Nasceu em Laranjeiras (Sergipe) em 25/12/1843, filho de Leopoldo José Martins Guaraná e Ursulina Francisca dos Santos Guaraná. Começou seus estudos na Bahia e continuou em seu estado-natal, de onde foi para o Rio de Janeiro, em 1859, para ingressar como cadete na Escola Militar.

Quando começou a Guerra do Paraguai (11/12/1864), ele estudava “tirocínio de armas e engenharia”, indo imediatamente para o fronte. Foi ferido várias vezes e perdeu o braço direito na batalha de Lomas Valentinas (21/12/1868), mas também recebeu inúmeras condecorações, citações em ordens do dia e promoções. Ao fim da guerra (1/3/1870) já era coronel, mas foi logo promovido a general.

Devido à nova patente, passou a ser conhecido como “General Guaraná”, mas já era apelidado de “Engenheiro Guaraná”, pois já exercia esta profissão até antes da guerra, quando era apenas um estudante. Mas o apelido mais difundido era mesmo o de “Caboclo Guaraná”, utilizado por amigos e contemporâneos.

Foi depois da guerra que ele se bacharelou em Matemática e Ciências Físicas e Naturais e concluiu seu curso de Engenharia Civil. Trabalhou como engenheiro da Estrada de Ferro Dom Pedro II (hoje Central do Brasil) e, também como engenheiro, à disposição das Províncias de Sergipe e Espírito Santo.

O Caboclo Guaraná também atuou em diversas outras áreas, como o jornalismo e a política, sendo até eleito deputado provincial duas vezes (1880-81 e 1882-83). Falava fluentemente francês, espanhol, italiano e guarani.

 

Capixaba

 

Aristides Guaraná veio para o Espírito Santo por ter sido nomeado, em 7 de setembro de 1877, diretor da Colônia de Santa Leopoldina, que então abrangia os hoje município de Aracruz e Ibiraçu, região por que tinha muito carinho.

Aqui, seu maior empenho sempre foi pela implantação de novas povoações, para o que contava com o apoio dos imigrantes italianos. Um dos mais destacados núcleos criados por ele foi o que batizou de Conde d’Eu (hoje Ibiraçu), em homenagem ao marido da Princesa Isabel e seu companheiro de armas na Guerra do Paraguai. Quando o lugar ganhou foros de vila, recebeu o nome de seu criador: Vila de Guaraná.

Em 1879, o Caboclo Guaraná casou com Duverlina Gabrielli, filha do imigrante italiano Eduardo Gabrielli, que se tornou grande fazendeiro na região e foi o primeiro intendente do município de Guaraná (Ibiraçu), quando se separou do de Santa Cruz (Aracruz), em 11/9/1891. Aristides Guaraná e Duverlina tiveram quatro filhos e quatro filhas.

Por volta de junho de 1880, o General Guaraná passou o cargo de diretor da Colônia de Santa Leopoldina ao engenheiro Luís Cavalcanti de Campos Melo, para montar o “Engenho Central Guaraná”, de fabricação de açúcar, na Fazenda das Palmas, em Córrego Fundo, às margens do Rio Piraqueaçu.

As terras tinham sido adquiridas de seu sogro, que por sua vez, as tinha comprado de Pietro Tabacchi. O local era passagem obrigatória dos italianos que chegavam de seu país e Guaraná encontrou muitos deles, inclusive de expedições anteriores, vivendo pessimamente. Ofereceu-lhes melhores condições de vida e sobrevivência, como trabalhadores de sua indústria.

Como o projeto de indústria de açúcar não deu o resultado esperado, em 1912, após hipotecar a Fazenda das Palmas, Guaraná transferiu residência para o Rio de janeiro, até porque era mais apropriado para a educação dos filhos.

Ele tinha recebido convite para administrar o Cartório de Protesto de Letras, sendo nomeado “serventuário vitalício” pelo Marechal Deodoro da Fonseca (proclamador da República Brasileira em 15/11/1889), ao lado de quem também tinha combatido no Paraguai.

E foi no Rio de Janeiro que o notável herói brasileiro aracruzense faleceu, em 28 de dezembro de 1927.

 

Macacos

 

Guaraná instalou a residência de sua família a dois quilômetros do local onde ficava o Engenho Central, no local denominado Cachoeira do Barro, tudo dentro do perímetro da Fazenda das Palmas.

Como foi encarregado de instalar a linha telegráfica, ia constantemente ao local conhecido como Ribeirão (hoje Vila de Guaraná, em sua homenagem), onde ficava o barracão de seus operários.

Pelo itinerário que utilizava, passava sempre pelo local onde hoje fica a sede do Município de Aracruz (Cidade de Aracruz), que naquele tempo, era mais fechada. Conta-se que era atraído pela algazarra que faziam muitos macacos de grande porte, que tinham seu ninho na região. Pelo tamanho dos bichos, batizou o local da Sauaçu (em tupi-guarani: macaco grande).

As histórias que contava sobre os macacos atraíram a atenção de muitos dos trabalhadores de Córrego Fundo, principalmente imigrantes italianos, movidos pela curiosidade de conhecer tal bicho (macaco), não existente em seu país de origem.

Progressivamente, os curiosos foram construindo casas e instalando suas famílias na região do ninho dos tais macacos. Foram os primeiros movimentos de seres humanos no local onde hoje está a Cidade de Aracruz, sede do Município de Aracruz.

 

“Gigantesca” fábrica de açúcar

 

Guaraná montou um dos maiores empreendimentos industriais já registrados na história do Espírito Santo, com o objetivo de fabricar açúcar para abastecer até mesmo o mercado externo. Pelos registros existentes, se pode deduzir que o engenho, montado sob encomenda na França, deve ter começado a funcionar no segundo semestre de 1891 e falido por volta de 1910.

Uma detalhada descrição do projeto foi feita pelo padre Otávio das Chagas, secretário do bispo Dom João Batista Correa Nery, durante uma viagem pastoral à região, em 16 de junho de 1900:

“(...) Francamente, não pensávamos que houvesse, por estas alturas, um homem bastante corajoso para levar a cabo uma Empresa tão gigantesca.

Ao entrarmos no ranchão das máquinas, grande foi a impressão que sentimos. Imagine-se qual não seria, se o vapor, enchendo centenares de tubos, imprimisse movimento àquelas enormes rodas e complicada correagem, no meio da azáfama de 103 empregados!

Sinto que as ligeiras e deficientes notas que coligi não possam dar sequer uma idéia do que seja esse estabelecimento industrial, primeiro no Espírito Santo e que sem dúvida não encontra muitos competidores nos outros estados do Brasil.

A primeira coisa que vê o visitante, logo à entrada, é uma comprida esteira de taboas, dispostas horizontalmente e encaixadas nos elos de duas grandes correntes.

Esta esteira se prolonga para fora da casa e nela se deposita a cana que até aí é conduzida dos canaviais em vagonetes.

Estando a esteira em movimento como de correia, conduz logo a cana para uma moenda de oito cilindros, onde se extrai todo o caldo, que é logo chupado por uma bomba, subindo por grosso tubo até os 3 defecadores, de 26 hectolitros de capacidade cada um.

Aí recebe o caldo a primeira purificação, por meio de serpentina de vapor, descendo a clarificar-se em 2 grandes filtros.

Dos filtros sobe de novo para os três aparelhos chamados de tríplice efeito, onde se reduz a xarope.

Estes aparelhos apresentam a forma de três enormes garrafas de pé e postas em linha e têm 200 metros quadrados de superfície de evaporação.

O aparelho seguinte é o cozinhador no vácuo, de forma de um gigantesco garrafão e com capacidade para 9 toneladas de massa cozida. Aí se cristaliza o xarope, passando para o mexedor, que consta de 8 grandes depósitos.

5 turbinas, enfim, apuram o açúcar, que vai classificado para os diferentes depósitos.

A produção diária é de 200 a 300 sacos de açúcar cristalizado.

Há um depósito que comporta 30.000 sacos.

A parte azeda da cana passa para a destilaria, em uma casa à parte. Só se acha montando por enquanto um alambique ‘ALEGRIA’, com capacidade de 6 pipas de aguardente.

O vapor que movimenta todos estes aparelhos é fornecido por três caldeiras tubulares, de 80 tubos cada uma, com cinco atmosferas de vapor e força total de 375 cavalos.

É ainda digna de nota a bomba hidráulica que conduz uma coluna d’água de 20 centímetros de grossura, acumulando na caixa 2 metros cúbicos por minuto.

Está tudo disposto para que se possa trabalhar mesmo de noite, á claridade de 60 lâmpadas de luz elétrica.

É diretor do Engenho o Sr. Francisco Janotta, hábil mecânico austríaco.

O nome dos fabricantes de todos os aparelhos consta da seguinte inscrição que se lê numa das faces da grande chaminé de 30 metros de altura, gravada em uma chapa de ferro: ‘Engenho Central – fundado pelo Coronel Dr. Guaraná – BRISSONEAU DÉROUALLE & ALSE LUTZ – Construtores, Nantes, França, Ano 1890 – 1891’.

Já sobe a 1.200 contos a quantia dispendida na montagem do Engenho. É de se esperar que breve comece o laborioso Sr. Coronel Guaraná a tirar o desejado fruto do grande capital empregado.

Depois de termos tudo examinado, procedeu o Bispo à benção do estabelecimento, finda a qual foram o Sr. Coronel e seus filhos muito cumprimentados pelos assistentes (...)”.

 

 

Fonte: Faça-se Aracruz! (Subsídios para estudos sobre o município),1997
Organizador: Maurilen de Paulo Cruz
Acervo: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

O pescador de sons - Por Marien Calixte

O pescador de sons - Por Marien Calixte

Para chegar a Varsóvia, Maurício de Oliveira contou com o apoio decisivo dos médicos Aldemar de Oliveira Neves e José Leão Borges, este, presidente do Partido Socialista Brasileiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Moacyr Checon fundador do Grupo União - Por Luciana Maximo

Um empreendedor nato, natural de Iconha, o empresário Moacyr Checon, hoje é um dos sócios do Grupo União, que nasceu da união de 15 sócios, proprietários de 15 pequenos caminhões

Ver Artigo
Ainda Eleições Diretas – Por Eurico Rezende

Senador Itamar Franco o primeiro a estimular de modo lúcido o racional, o chamado movimento "Diretas Já"

Ver Artigo
Suspensão do AI-5 – Por Eurico Rezende

Nesse período, o País viverá sob o regime da Constituição de 1967, distante do império do Ato 5

Ver Artigo
Minha posição revolucionária – Por Eurico Rezende

Desde os primeiros preparativos, tive participação efetiva no esquema pró-Revolução

Ver Artigo
Em favor da Magistratura e do Ministério Público – Por Eurico Rezende

A União prestará a cooperação que for necessária a assegurar aos juízes e membros do Ministério Público dos Estados remuneração correspondente à relevância de suas funções

Ver Artigo