Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arquitetos, Pintores e Artistas – Por Serafim Derenzi

Crepúsculo, Óleo sobre tela, 54,5 x 81 cm. Sem data - Autor: Levino Fanzeres - Placa frontal: “Tem também a natureza suas horas de ternura” Fonte: Acervo do Palácio Anchieta

Dois erros foram cometidos pelos responsáveis dos "Melhoramentos de Vitória": falta de plano diretor e ausência de arquiteto, para delineamento morfológico do projeto propriamente a se cumprir. Os engenheiros patrícios, até a terceira década desta centúria, tinham, na maioria, mentalidade ferroviária. Era o ramo de maior aplicação no Brasil. Quando chamados para intervir em serviços urbanos, sua preocupação se voltava para os alinhamentos, circulação e economia.

A distribuição das massas a construir, o aproveitamento dos valores naturais, o sentido verdadeiramente estético do conjunto, muitas vezes, escapavam aos projetistas. No estudo dos traçados de melhoria e expansão das cidades, o orçamento deve ser considerado em relação ao maior benefício resultante, nunca do tesouro, que se renova ano a ano. A economia feita hoje poderá ser ruinosa no amanhã próximo.

A ausência de arquiteto foi lacuna marcante na reconstrução dos prédios. Poucas fachadas justificam sua presença nas paredes, que arrematam. Salva-se meia dúzia de edifícios, particulares e públicos, projetados pelo tchecoslovaco Joseph Pitilick, arquiteto e boêmio, que veio ao Brasil para construir o pavilhão de sua pátria, na exposição internacional, comemorativa do nosso primeiro centenário. Projetou para o governo o Grupo Escolar "Gomes Cardim"(1) e o edifício da Imprensa Oficial. O escultor Waldemar Bogdanoff  fez tetos pesados e, anos depois, dirigiu a decoração interna da Catedral. Era um curioso esse refugiado russo, de muita cultura geral e inteligente. Ótimo modelador em gesso. Não teve grandes oportunidades, como também não a teve Pitilick. A cultura artística do capixaba cingia-se a ouvir certos recitais de piano e, de quando em quando, a uma exposição de pinturas de Levino Fanzeres, na sua melhor fase criadora, e que sabia convencer seus coestaduanos do talento incontestável que possuía. Deixou telas magníficas nos salões de honra do Palácio e do Congresso. Foi ele quem despertou a procura repetida de Vitória pelos cultores do pincel. Gagarin, Pedro Bruno e, o maior de todos, Garcia Bento expuseram quadros esplêndidos. Tornaram-se freqüentes as visitas de declamadores, virtuosos do piano e do violão, quase sempre encaminhados pelo jornalista terrantez Abner Mourão, redator do "Correio Paulistano", ex-membro da Assembléia Legislativa do Estado e então deputado federal, a comandar o liderança da maioria, honra para o Espírito Santo, que o galardoaria com uma Senatória, em 1928.

A administração Ávidos, com as obras portuárias e a construção das duas pontes, a de Vitória e a de Colatina, transpunha as fronteiras. O preço do café atingia a fabulosa cifra dos setenta mil réis a saca (!) A receita do Estado oscilava pela casa dos trinta milhões de cruzeiros; o dólar valia pouco mais de oito cruzeiros. O Espírito Santo era de fato a terra da promissão. O Canaan, descrito por Graça Aranha, já não era ficção, era a realidade eloqüente, que o craque de 1929, entretanto, apagaria numa simples abertura de bolsa, naquele trágico pregão de outubro fatídico. 

 

NOTAS


(1) Hoje Escola de Filosofia.


Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Personalidades Capixabas

Saudação ao Novo Sócio – Des. Hélio Gualberto Vasconcellos

Saudação ao Novo Sócio – Des. Hélio Gualberto Vasconcellos

Na Presidência do Egrégio Tribunal e Justiça o nosso novel consócio revelou-se o administrador impar, criterioso, humano, e em constante desenvoltura procurando criar e dar ao Poder Judiciário a sustentação pessoal e material necessária a melhor cumprir as suas finalidades

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vitória cidade ganglionar – Presidente Avidos

Vitória pertence ao tipo, que os urbanistas modernos denominam de cidade linear, unindo gânglios atrofiados entre o mar e as montanhas

Ver Artigo
O que não se vê – Presidente Florentino Avidos

Grande parcela não é visível: as drenagens, os esgotos, as canalizações de água, porque são subterrâneas

Ver Artigo
Os Cooperadores de Florentino Avidos

Do secretariado faziam parte os doutores Antônio Lopes Ribeiro e Carlos Xavier Barreto, secretários do Interior e Justiça e da Presidência, Mirabeau da Rocha Pimentel

Ver Artigo
Fale os sábios das escrituras – Presidente Avidos

Abstraindo-se da afoiteza, com que algumas obras foram executadas, a crítica aos dois Avidos, por jornalistas anônimos e políticos preteridos, não teve justificativa recomendável

Ver Artigo
Últimos dias do Melpômene

A natureza física de Vitória, pela sua característica topográfica e geológica, é alérgica ao urbanismo a curto prazo e de recursos limitados

Ver Artigo
Inovação na Vida Urbana de Vitória no início do Século XX

Os Serviços de Melhoramentos introduziram certas normas técnicas, que marcaram diretrizes novas em Vitória

Ver Artigo
Florentino Avidos

O povo tem qualquer coisa de feminino nas suas opiniões e no seu modo de apreciar uns tantos fatos da vida social. 

Ver Artigo