Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arquitetura Moderna Capixaba

Arquiteto Élio de Almeida Vianna, o primeiro da direita

Conheça aqui algumas obras do arquiteto Élio Vianna, um dos pioneiros da arquitetura moderna no Espírito Santo.

Colégio Estadual em Vitória, seguindo o estatuto modernista: uso de pilotis, implantação de espaços de convivência e com uso cuidadoso da topografia.

Antiga Escola Politécnica (atual Casa do Cidadão), na região de Maruípe.

Fábrica Real Café em Viana, para a qual elaborou diversos estudos.

Prefeitura de Vila Velha, onde atualmente é o Teatro Municipal de Vila Velha - 1960.

Sede da LBA (Legião Brasileira de Assistência), Centro de Vitória - 1952.

Neste projeto observa-se a combinação de superfícies curvas, no tratamento da esquina, e retas, na composição das fachadas.

A utilização de elementos vazados com várias formas lembram os muxarabis árabes. Estes elementos proporcionam efeitos de claro e escuro dando textura à fachada. O brise soleil, quase sempre presente nas obras de Élio Vianna, tem a função de proporcionar conforto ambiental, além da plasticidade.

Os muros com pedras são comuns em obras modernas capixabas, no entanto é uma característica local. O volume desloca-se diagonalmente em relação ao terreno, proporcionando dinâmica, e amolda-se à topografia, criando diferentes efeitos de perspectiva, como na esquina trabalhada em curva combinada com o declínio do terreno.

      

EDIFÍCIO ÁLVARES CABRAL, Praça Costa Pereira - 1952.

O edifício apresenta-se como um pesado bloco único de fachadas moduladas compostas por elementos verticais e horizontais.

O Moderno aqui evidencia-se pela utilização de pilotis de grande dimensão, que destacam-se na obra e criam um corredor no térreo, na pequena parte que avança sobre a calçada, e pela preocupação com a composição das fachadas moduladas e do emprego dos quebra-sóis.

implantação do edifício acompanha o alinhamento do terreno, valorizando a esquina através de uma suave curva entre as duas fachadas. O pavimento térreo é utilizado para uso comercial.

Situado entre as Modernas e as antigas edificações da Praça Costa Pereira, este edifício destaca-se ainda mais pela preocupação com o caráter urbano da obra, explicitado na sua continuidade com o edifício vizinho: o Centro do Comércio do Café, outra obra de Élio Vianna.

 


CENTRO DO COMÉRCIO DO CAFÉ, Centro de Vitória - 1962

Neste edifício a verticalidade é marcante pelas suas próprias proporções, de base estreita e altura elevada. Esta verticalidade é acentuada através dos elementos de concreto verticais que compõem a fachada, elevando o olhar e em seguida limitando-o pela trama quadriculada na parte superior.

A preocupação com o caráter urbano fica ainda mais evidente nesta obra, na qual o uso dos pilotis possibilitou a criação de uma galeria que atravessa todo o edifício, ligando a Praça Costa Pereira à Avenida Jerônimo Monteiro. 

 

MINISTÉRIO DA FAZENDA, Centro de Vitória.

Apresenta pureza formal na sua composição e é um dos poucos exemplos da arquitetura Moderna capixaba em que a plasticidade da obra é trabalhada tridimensionalmente, compondo-se volumes de alturas e formas diferentes.

A horizontalidade é marcada pelas janelas em seqüência e pelos elementos de concreto que cortam a fachada. Percebe-se a diferenciação entre estrutura e vedação.

A semelhança com o edifício do Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro é marcante, sendo composto por um volume vertical destacado sobre pilotis, o que permite a liberação parcial do térreo, contrapondo-se ao volume horizontal, mais baixo e perpendicular ao primeiro.

A monumentalidade desta obra vem a ser condizente com o seu uso governamental. Destacando-se na paisagem, ocupa a quadra inteira e insere-se no amplo terreno articulando os dois volumes em “L”, o que resulta em um grande pátio.



 

 

Fonte: www.arquiteturamodernacapixaba.hpg.ig.com.br

Compilado em: 16/11/2009

História do ES

Divisão administrativa, população e Justiça na República

Divisão administrativa, população e Justiça na República

No ano em que se fez a República, o Espírito Santo estava dividido em catorze municípios, e contava quatro cidades e dez vilas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo