Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Arquivo Ultramarino

Dom Pedro II - 1880

As informações encontradas no Arquivo Ultramarino de Lisboa são tão valiosas que D. Pedro II pagou um historiador para ir a Portugal copiar a mão os documentos. Coube a pesquisadores ilustres, entre eles Gonçalves Dias e Capistrano de Abreu, a função de viajar para a Europa, como bolsista do Imperador, em busca de documentos relativos ao Brasil. Desfazer esse emaranhado de registros sempre foi tarefa difícil.

O trabalho, aparentemente inesgotável, acabou se tornando realidade. Para que isso acontecesse criou-se, em 1995, a Comissão Luso-Brasileira para Salvaguarda e Divulgação do Patrimônio Documental. O objetivo da comissão foi identificar, organizar, microfilmar e trocar entre os dois países os documentos de interesse comum. Assim evitou-se que os pesquisadores precisassem cruzar o oceano ou viajar pelo vasto território brasileiro para obter informações.

Mesmo percorrendo todo o Brasil, a maioria das informações foram encontradas em Portugal, precisamente no Arquivo Ultramarino de Lisboa, que compreende mais de 250 mil documentos. O arquivo ocupa o prédio do Palácio da Ega, originalmente pertencente a família nobre dos Saldanha. O núcleo original da edificação é do século XVI e o palácio teve seus dias de grande glória nas primeiras décadas do século XIX.

Em 1919, foi adquirido pelo governo de Portugal e, a partir de 1926, passou a receber outros arquivos do Ministério das Colônias. Em 1973, foi denominado Arquivo Histórico Ultramarino, integrando-se ao Instituto de Investigação Científica Tropical. O arquivo compõe-se basicamente da documentação originária do antigo Conselho Ultramarino, formado pelo Brasil e outros países que foram colônia de Portugal: Índia, Macau, Timor, Angola, Moçambique, Guiné, Cabo Verde, São Tomé e a Ilha da Madeira.

Até o ano 2000, Brasil e Portugal trocaram cópias de toda a rica documentação histórica de seus principais acervos, facilitando o acesso de pesquisadores à informação. Os portugueses se interessam principalmente por documentos do período de 1808 a 1821, que corresponde à permanência de Dom João VI no Brasil. No caso do Brasil, interessou a documentação anterior a esse período, que registra a própria origem de sua formação e os primórdios de seu desenvolvimento. O Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro já tem todo o levantamento de documentos de seu acervo de interesse de Portugal. O mesmo trabalho está sendo realizado por outras oito instituições brasileiras, entre elas a Biblioteca Nacional, o Museu Imperial de Petrópolis, o Arquivo Histórico de Exército e o Serviço de Documentação Geral da Marinha.

Fonte: JORNAL A GAZETA DE 20/07/1998

LINKS RELACIONADOS:

>> Estranhos hábitos Portugueses 
>> 
Antônio de Ataíde: o homem que mandava no Rei  
>> 
Os pioneiros: Degredados
>> 
Visita de D. Pedro II ao ES
>> 
D. Pedro II e o Rio da Costa
>> 
Bem vestidos, mas fedorentos!
>> 
200 Anos da Família Real no Brasil
>> 
Imperador por um dia 

História do ES

Passeando pela história capixaba – Por Nelson Abel de Almeida

Passeando pela história capixaba – Por Nelson Abel de Almeida

Quatrocentos anos se estão completando, neste ano de 1961, da morte de Vasco Fernandes Coutinho

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo