Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Artigo do jornal O PHAROL (de 1925)

Vista da reserva de mata atlântica mencionada na matéria do Jornal O Pharol - Acervo: Gether Lima

O pharol
Jornal Independente.
ANO II Cidade do Espírito Santo, 9 de Março de 1925 N. 7
DIRETOR: Miguel Aguiar
GERENTE: Alvino Simões
Semestre............3$500
Trimestre............2$000

 

A CAIPIRADA EM ACÇÃO

Existia nas proximidades da casa de residência do ilustre jurisconsulto Ferreira Coelho, nesta cidade, uma belíssima árvore, cheia de musgos em longas tranças pendentes de sua farta ramagem, que, na opinião de nossos antigos e modernos habitantes, era um atestado glorioso do que foi a nossa floresta há séculos atrás e da fertilidade do nosso solo.

O vandalismo, a falta de amor a natureza e a ignorância induziram os nossos caipiras a derrubá-la com a aquiescência criminosa do proprietário do terreno.

Não houve também, infelizmente, no momento quem advertisse aos nossos impiedosos lenhadores de capoeira que o tronco, que tão furiosamente golpeavam na ânsia de vê-lo tombar estrepitosamente, era o depositário dos queixumes e alegrias, dos planos guerreiros dos nossos famosos indígenas, que fugiam aos meandros das grutas da Penha, quando mais forte, mais intensa e heróica se tornou a luta dos nossos destemidos missionários da instrução e civilização.

Ainda hoje grande é o numero de pessoas que comentam, indignadas a selvageria de “nossos fazedores de deserto”.

Abaixo transcrevemos, de uma das primorosas produções do grande literato patrício Coelho Neto, poder-se-á avaliar o crime praticado pelos inconscientes devastadores de nossa floresta.

“A cerimônia que realizais com tão lidas hóstias verdes, infantes anunciadores da renascença florestal, é o culto da Terra criadora e a mesma árvore que plantais, crescendo, alteando a fronde, vos levará os olhos para as alturas como a ensinar-vos o caminho da Graça. As suas raízes são da terra, como nosso corpo mas suas franças são do Céu, como nossa alma. Fazei com elas o que Deus fez convosco; dai-lhes o vosso amor e elas responderão com a Força, com Fertilidade, com a Saúde, os três aspectos da Beleza ideal, que é o Amem das árvores agradecidas”.

Que o exemplo não venha a ser imitado por outros tantos vândalos que por aqui perambulam, são os votos que fazemos.

Observação: Somente o nome do jornal “Pharol”, e o título do artigo “a caipirada em acção”, mantiveram a ortografia original.

 

Artigo de Miguel Aguiar, publicado no Jornal "O Pharol" em 1925
Transcrito por: Edward A. D’Alcantara,2011 

Ecologia

Monos

Monos

Hoje, só há um lugar para onde poderia ser levado um casal de monos com alguma possibilidade de crescer e multiplicar-se na paz da mata, é no Parque Sooretama, ao norte do município de Linhares. Levá-los para o outro lado do rio, onde eles possam viver livres desses outros monos estranhos e rasteiros que somos nós humanos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Descida Ecológica do Rio Jucu

Ela foi a grande motivadora para a criação do Consórcio Jucu-Santa Maria e é o primeiro movimento do Estado a mobilizar a sociedade para discutir os problemas das águas

Ver Artigo
Empresa utiliza água da chuva captada de enxurradas da Pedra Azul

A propriedade capta a água da chuva no momento que ela cai pela Pedra Azul, na forma de enxurradas, por meio de dois lagos e quatro reservatórios

Ver Artigo
Estações biológicas de Santa Lúcia e de São Lourenço

Elas estão numa região marcada pela diversidade florística. Situadas no município de Santa Teresa

Ver Artigo
A Extração da Madeira de Lei - Venda Nova do Imigrante

Fracassando a tentativa de diversificação de culturas, o período entre 1930 e 1955 foi favorável a extração de madeira. Essa atividade concentrou-se numa só espécie, o cedro, abundante em toda região do Alto Castelo que, na época, junto com o jacarandá, foram as espécies comercialmente econômicas

Ver Artigo
O ciclo das águas e a falência do Rio Muqui

Agora, as águas desse rio são vistas como escoamento para os dejetos. Ele não serve mais para a pesca, nem para as brincadeiras infantis, dos meninos do Entre Morros, pobre rio! 

Ver Artigo