Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Artista do Moreno: Guilherme Merçon

Tela de Guilherme Merçon

Guilherme Merçon é capixaba de Muniz Freire, tem se especializado em pintar paisagens, e teve a iniciativa de retratar vistas maravilhosas a partir do Morro do Moreno.

Dessa forma, ele nos agracia com vistas do Convento da Penha, da Praia da Costa, Mestre Álvaro, ou um singelo mamoeiro em flor no próprio Morro do Moreno.

O artista, que também é músico, dos bons (toca flauta transversa e teclado nas noites capixabas), já expôs individualmente na Galeria Atual, na Casa do Governo do Espírito Santo, na Galeria Eugênio Pacheco Queiróz e participou de coletivas em outras exposições.

Amigo do site Morro do Moreno, Guilherme Merçon mostra para nós algumas de suas obras mais recentes. Conheça as pinceladas do Artista do Moreno, clicando nas imagens ao lado.



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Por favor, respeitem o velho senador - Por Rogério Medeiros

Por favor, respeitem o velho senador - Por Rogério Medeiros

Dirceu é o melhor símbolo de honradez de caráter deste Estado. Pode-se discordar dele politicamente em vários pontos de sua trajetória, mas jamais no campo da dignidade. Neste, ninguém a dignificou tanto como ele

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Centro de Vitória e sua revitalização - Por Gabriel Bittencourt

Muito do patrimônio histórico-arquitetônico, de que vale a pena preservar para a memória capixaba, localiza-se no Centro de Vitória

Ver Artigo
Surge ao longe a estrela prometida – Jerônimo Monteiro

No Campinho, brejo e mangue, o quartel de Polícia mostrava-se imponente

Ver Artigo
Carlos Fernando Monteiro Lindenberg (Nêni) e os Monteiro

Nêni recebeu da avó Riqueta, em 1919, uma função: “fazer o levantamento da escrita” da Fazenda Monte Líbano

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro - Capítulo III

Nasceu Jerônimo a 4 de junho de 1870, na casa-grande inaugurada em 1869, no batizado de Helena

Ver Artigo
Zacimba Gaba – Princesa, Escrava e Guerreira

Zacimba, que havia, “ainda mocinha”, cruzado o Atlântico naquelas precárias embarcações que traziam até 500 escravos, sabia muito bem o que devia representar a liberdade para o seu povo

Ver Artigo