Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As aldeias e os jesuítas no ES – Por Celso Perota

Acervo UFES - Arquivo - 10/01/1994

Um tema que está para ser estudado com maior profundidade é a atuação dos jesuítas na Capitania do Espírito Santo.

O Instituto Histórico e Geográfico publicou, em sua revista de número 13, em 1940, o artigo do bispo João Baptista Nery sobre as anotações a respeito da obra inédita do padre Pires Martins, que na realidade é considerado o Livro Tombo de Itapemirim. Essa obra, em que o referido padre faz um relato da organização jesuítica na Capitania do Espírito Santo, foi sistematizada pelo mesmo bispo.

Por essa sistematização, sabemos que os jesuítas tinham uma série de missões que são referidas como "Missões da Companhia de Jesus" (no Sul do Espírito Santo). Estruturalmente elas se parecem com as missões jesuíticas do Sul do Brasil. Ao contrário de Serafim Leite, que privilegiou a estrutura econômica (que existiu), o outro autor deu ênfase às fazendas jesuíticas (de Muribeca, de Araçatiba, de Itapoca e de Carapina).

Pelos relatos do padre Pires Martins, no Sul da Capitania do Espírito Santo as missões estavam organizadas em uma igreja, que funcionava como o centro do trabalho, e uma relação de aldeias que estavam sob a sua jurisdição. A técnica de catequização consistia em manter os índios em suas aldeias. Assim, recebiam os ensinamentos da religião e continuavam produzindo bens de consumo para a sua subsistência. Eles só vinham à missão, ou seja, à igreja sede, para receber o sacramento do batismo.

São relacionadas as seguintes missões:

Missão de Guarapary

Fundada em 1585.

Estimativa de habitantes: 6.000 índios.

Aldeias que pertenciam à Missão de Guarapary:

Aldeia de Guarapary (sede), Aldeia do Campo, Aldeia do Una, Aldeia de Perocão, Aldeia de Meahype e Aldeia de Mãe-bá.

Missão de Rerigtiba

Fundada em 15 de agosto de 1579.

Estimativa de população: 7.000 índios.

Aldeias que pertenciam à Missão de Rerigtiba:

Aldeia de Rerigtiba (sede), Aldeia de Cutinga ou Quatinga, Aldeia de Jabaquara, Aldeia de Araquara, Aldeia de Monte-Urubu, Aldeia das Salinas, Aldeia de Obu e Aldeia de Iriri.

Missão de Orobó

Fundada em maio de 1.580.

Estimativa de população: 5.000 índios.

Aldeias que pertenciam à Missão de Orobó: Orobó (sede), Piúma, Iconha, Tapuama ou Itapuama, Itinga, Imbitiba, Agha, Taipaba ou Itaipava, Taoca ou Itaoca e Piabanha.

Missão de Muribeca

Fundada em 1581.

Estimativa de população: 5.000 índios.

Aldeias que perteciam à Missão de Muribeca: Muribeca (sede), Tapemirim ou Itapemirim, Marathayzes, Calculucage, Siri e Camapuam ou Itabapoana.

Missão de Montes Castelo

Fundada em novembro de 1625.

Estimativa de população: 3.000 índios.

Aldeias que pertenciam à Missão de Montes Castelo: Montes de Castello (sede), Caxixa ou Caxixe, Ribeirão, Barra do rio Castelo e Salgado.

Além das citadas aldeias, para a catequese, os jesuítas mantinham no Espírito Santo uma estrutura econômica: fazendas de Muribeca, em Presidente Kennedy, onde havia criação de gado; Araçatiba, em Viana (cana-de-açúcar); de Itapoca, provavelmente em Cariacica, que produzia farinha de mandioca; e a de Carapina, para legumes. E as grandes igrejas e residências, como N. S. de Assunção, em Anchieta, N. S. da Conceição, em Guarapari, N. S. da Ajuda, em Araçatiba (Viana), e igreja de São Tiago, em Vitória.

 

Fonte: Jornal A Gazeta, A Saga do Espírito Santo – Das Caravelas ao século XXI – 19/08/1999
Pesquisa e texto: Neida Lúcia Moraes
Edição e revisão: José Irmo Goring
Projeto Gráfico: Edson Maltez Heringer
Diagramação: Sebastião Vargas
Supervisão de arte: Ivan Alves
Ilustrações: Genildo Ronchi
Digitação: Joana D’Arc Cruz    
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2016

História do ES

Brigadeiro José Joaquim Machado de Oliveira – Por Levy Rocha

Brigadeiro José Joaquim Machado de Oliveira – Por Levy Rocha

Vitória, naquele ano, da primeira tipografia comprada pelo fazendeiro, proprietário e ex-alferes de 1ª linha, Alfredo Ayres Vieira de Albuquerque Tovar

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

No Mapa Capixaba, uma herança dos primeiros habitantes

Os topônimos indígenas que identificam os nomes de rios, montanhas, serras, povoados e cidades no ES

Ver Artigo
A Igreja de São Tiago e a lenda do tesouro dos Jesuítas

Um edifício como o Palácio Anchieta devia apresentar-se cheio de lendas, com os fantasmas dos jesuítas passeando à meia-noite pelos corredores

Ver Artigo
Há sete mil anos os índios já habitavam o Espírito Santo

Foi o que constaram pesquisas feitas nos objetos encontrados nos locais onde moraram os índios, os chamados sítios arqueológicos

Ver Artigo
O Franciscano Frei Pedro Palácios trouxe a devoção da Penha

Frei Pedro Palácios nasceu na Espanha, filho de nobres e desde muito cedo mostrou sua inclinação para as doutrinas da fé

Ver Artigo
José de Anchieta e o Espírito Santo

O jesuíta visitou mais de uma vez o Espírito Santo quando em trabalho de inspeção aos colégios dos padres e seminários de instrução

Ver Artigo
Capitania melhora com a vinda de missionários

Primeiro foi Frei Pedro Palácios, franciscano. Depois vieram os padres jesuítas, o rei pediu sua ajuda para civilizar colonos e índios no Brasil

Ver Artigo
Padre Brás Lourenço, o pioneiro

Entre os jesuítas que atuaram no Espírito Santo, destacaram-se Brás Lourenço, Diogo Jácome, Pedro Gonçalves e Manuel de Paiva, além do Padre José de Anchieta 

Ver Artigo
Anchieta, Cultura e Santidade

Ele veio para o Brasil com 19 anos, na companhia do segundo governador-geral, Duarte da Costa 

Ver Artigo
Jesuítas fundam o primeiro colégio

Afonso Brás foi assim o fundador do primeiro colégio da Capitania do Espírito Santo e também o primeiro professor de letras

Ver Artigo
Os Botocudos – Por Celso Perota

Os botocudos surgem na região Norte do Espírito Santo, nos vales dos rios Doce, Cricaré e Itaúnas

Ver Artigo
Os vários grupos de índios – Por Celso Perota

Habitaram a área do atual Estado do Espírito Santo representantes de dois troncos lingüísticos: o tupi-guarani e o jê

Ver Artigo