Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Ordens Religiosas concluem seus Conventos – Por Serafim Derenzi

Palácio Anchieta, antiga Igreja de São Tiago, Século XXI

No correr do setecentos, os jesuítas, em suas cartas ânuos, quando se referem a casa e a igreja de sua ordem em Vitória, chamam-nas de Colégio Santiago e igreja de S. Maurício. A edificação não sofre mais acréscimo. Os frades franciscanos também concluem tanto o próprio convento, como o de Nossa Senhora da Penha. O aspecto arquitetônico com o qual esses testemunhos de convicções religiosas chegaram aos nossos dias, não sofreram mudanças em suas linhas externas.

O convento do Carmo, com a igreja e a Capela da Ordem Terceira, também varou os anos até aos albores deste século, sem obras que lhes modificassem a primitiva vestimenta externa.

A igreja de S. Maurício, ou porque suas paredes não tivessem sido bem galgadas ou porque o vão fosse exagerado em relação às tesouras do telhado, ameaçou ruir em 1666. Fez-se outra que ficasse segura, no dizer do Podre Serafim Leite.

Em 1694, já era nova e grande a sacristia com objetos necessários ao culto, escrevem os padres. O Irmão Domingos Trigueiro, entalhador de mérito, ornou-lhe os altares venerandos. Em 1754 foi a igreja enriquecido com belíssima imagem da Virgem, vinda da Bahia. Os ossos do Venerável Anchieta, desde 1739, repousavam em suntuoso cofre de prata.

O Colégio Santiago, onde por duzentos anos se manteve a escola de ler, teve também Curso de Humanidades e Congregação de Estudantes, pelo espaço de um século.

O edifício sofreu reformas e ampliações diversas. Em 1742, construiu-se grande enfermaria e, cinco anos depois, edificou-se a ala contígua à igreja, dando-lhe o tom final de beleza e majestade.

O Colégio prestou os mais relevantes serviços, não só à instrução, como à saúde e à subsistência do povo de Vitória, em épocas sucessivas. Foi hospital nas epidemias, foi distribuidor de panos e víveres nas secas e calamidades, foi centro cívico de pregação e conselhos aos colonos, quando desavindos com as autoridades enfraquecidas.

Consternou-se a população, quando se viu privada dos irmãos de Anchieta, pela Ordem Régia, que os baniu da Capitania e do Brasil.

Da escada de acesso, com seus patamares e muros protetores e de arrimo, não há informação. Mas presume-se que são obras do século.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2017

Religiosos do ES

Carta de Pe. Anchieta sobre Frei Pedro Palácios

Carta de Pe. Anchieta sobre Frei Pedro Palácios

Ao pé do Convento fez uma casinha pequenina à honra de São Francisco, na qual morreu com mostras de muita santidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Inacianos trabalham sempre

Os intervalos de paz eram eficientemente aproveitados, principalmente pelos jesuítas

Ver Artigo
Cronologia do Convento da Penha

Cronologia da história do Convento da Penha

Ver Artigo
Os Jesuítas chegam – Por Serafim Derenzi

Inácio Lopes de Recalde, como se chamava no mundo, fora capitão do exército de Navarro. Trocou a espada de guerreiro pela cruz

Ver Artigo
As Ordens Religiosas concluem seus Conventos – Por Serafim Derenzi

No correr do setecentos, os jesuítas, em suas cartas, quando se referem a casa e a igreja de sua ordem em Vitória, chamam-nas de Colégio Santiago e igreja de S. Maurício

Ver Artigo
Expulsão dos Jesuítas – Por Luiz Serafim Derenzi

No cenário do Brasil Colônia, a Capitania do Espírito Santo foi sempre obscura, por isso, não constituía problema para o governo metropolitano. 

Ver Artigo