Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Ruínas do Convento

Subindo os degraus do convento, logo após o patamar do Museu e da Sala dos Milagres, um portão no muro mostra uma surpreendente paisagem: Vila Velha na altura da Praia da Costa, a vegetação atlântica, a subida da ponte que liga o município a Vitória e logo ali, aos pés do visitante, uma área gramada com ruínas.

Uma surpresa que intriga. Poderiam ser ruínas de uma antiga ermida. Mas os pilares de pedra que restam, sustentaram a casa dos escravos do Convento.

Entrando nessa área reservada - o que é privilégio apenas dos padres que moram ali - o passado parece aflorar com facilidade. As singelas flores amarelas que brotam próximo às ruínas dão mais encanto ao lugar. A casa dos franciscanos qproveitou parte da estrutura remanescente que fica mais ao lado, onde um antigo tanque de pedra lembra a pia batismal que está em exposição no museu.

Olhando as ruínas e fechando os olhos, é como se a visita acontecesse nos séculos XVI, XVII.

Fonte: Nossa Senhora da Penha - Padroeira do Espírito Santo, 2005.
Autora: Sandra Medeiros

Convento da Penha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Gruta de Frei Pedro Palácios, Oratório e Frontal do Portão - Por Seu Dedê

Na época da jurisdição do capelão Padre José Ludwin, a missa do domingo, véspera da Festa da Penha, era celebrada às nove horas em frente ao oratório

Ver Artigo
Fonte Milagrosa do Convento da Penha

Localizada no terraço inferior do Convento de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
O genial Vitor Meireles no Convento da Penha no ano de 1871

Os pincéis mágicos que imortalizaram as grandes telas históricas também estiveram na Penha, manejados pelo genial Vitor Meireles

Ver Artigo
A Penha do meu tempo – Por Areobaldo Lellis Horta

Via-se a senzala, em ruínas, composta de pequeno número de casebres, quase destelhados uns, outros de paredes fendidas e atacadas pela hera

Ver Artigo
O Convento da Penha – Por Maria Stella de Novaes

Peregrino, contempla o augusto monumento  da terra capixaba. Ali, vive a rezar, em hosanas de glória, ou rudez do tormento, o coração de um povo!

Ver Artigo