Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

Av. Marcos de Azevedo - Google Maps

Rua aberta ao tempo em que a Companhia Torrens dava prosseguimento ao aterro do Campinho, sendo que a mesma empresa, durante o andamento de seus trabalhos, dividiu a área em lotes, vendendo-os indevidamente. O presidente Jerônimo Monteiro, diante das flagrantes irregularidades praticadas por essa firma, requereu, por aforamento, ao Patrimônio da União, toda a gleba, legítimos terrenos da Marinha, "contratando o advogado Dr. João Thomé Alves Guimarães para tratar das desapropriações", com resultados positivos.

A avenida Marcos Azeredo, cuja respectiva placa registra erradamente o nome do patrono como sendo Marcos de Azevedo, chamou-se, por muito tempo, avenida José Carlos, referência ao nome do engenheiro José Carlos de Carvalho, um dos possíveis dirigentes da irresponsável Companhia Torrens. A avenida, porque pavimentada, sem infra-estrutura, "transformava-se, então, em córrego caudaloso, com sua meia dúzia de chalés, alinhados contra o morro de Santa Clara".

A partir do governo de Jerônimo Monteiro, essa artéria se enfeitou de belas residências, dentre as quais o palacete de Anísio Fernandes Coelho, construído em 1914, ainda de pé, embora sem a conservação desejada.

A Marcos de Azeredo era arborizada, silenciosa, essencialmente residencial, sendo que, atualmente, conta com movimento crescente de carros e pedestres, seus antigos imóveis, quase todos, postos abaixo, ali se construindo, já agora, edifícios de apartamentos.

A artéria começa na Rua 23 de Maio e se alonga até o Mercado da Vila Rubim, nela funcionando a benemérita Liga Espírito-santense contra a Tuberculose.

O patrono, Marcos (Antônio) de Azeredo (Coutinho), levantou, em 1612, a primeira Carta Geográfica do Espírito Santo, na qual assinalou todos os lugares povoados. Era conhecido como o descobridor da Serra das Esmeraldas, sendo que seus filhos Antônio e Domingos de Azeredo se apresentaram, em 1644, para realizar novas entradas pelos sertões espírito-santenses, o que foi aceito pelas Coroas Portuguesas.

Outra informação: Marcos de Azeredo era irmão do capitão-mor Miguel de Azeredo, a quem a donatária Luísa Grimaldi passara as rédeas do governo da Capitania, quando de seu regresso a Portugal (1593, onde se fez monja no Convento do Paraíso, em Évora).

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Praia do Canto ontem e hoje (1998)

Praia do Canto ontem e hoje (1998)

Entrevista feita pelo jornal da AMPC em 1998 com Chrisógono Teixeira da Cruz que nasceu no coração de Vitória,na rua Barão de Monjardim, num tempo em que a Praia do Canto era um lugar tão distante do centro quanto Guarapari. 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Muito interessante é o caso da rua do Grito, uma inversão política da liderança comunitária, o povo foi sempre oprimido, mas agora chegava  a hora da “nossa” independência, do “nosso” grito: do “grito do povo”

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo
Avenida Florentino Avidos (ex-rua do comércio)

A primitiva rua do Comércio, que data do século XVII, tinha começo na General Osório e ia até o cais Schmidt

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo