Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

Av. Marcos de Azevedo - Google Maps

Rua aberta ao tempo em que a Companhia Torrens dava prosseguimento ao aterro do Campinho, sendo que a mesma empresa, durante o andamento de seus trabalhos, dividiu a área em lotes, vendendo-os indevidamente. O presidente Jerônimo Monteiro, diante das flagrantes irregularidades praticadas por essa firma, requereu, por aforamento, ao Patrimônio da União, toda a gleba, legítimos terrenos da Marinha, "contratando o advogado Dr. João Thomé Alves Guimarães para tratar das desapropriações", com resultados positivos.

A avenida Marcos Azeredo, cuja respectiva placa registra erradamente o nome do patrono como sendo Marcos de Azevedo, chamou-se, por muito tempo, avenida José Carlos, referência ao nome do engenheiro José Carlos de Carvalho, um dos possíveis dirigentes da irresponsável Companhia Torrens. A avenida, porque pavimentada, sem infra-estrutura, "transformava-se, então, em córrego caudaloso, com sua meia dúzia de chalés, alinhados contra o morro de Santa Clara".

A partir do governo de Jerônimo Monteiro, essa artéria se enfeitou de belas residências, dentre as quais o palacete de Anísio Fernandes Coelho, construído em 1914, ainda de pé, embora sem a conservação desejada.

A Marcos de Azeredo era arborizada, silenciosa, essencialmente residencial, sendo que, atualmente, conta com movimento crescente de carros e pedestres, seus antigos imóveis, quase todos, postos abaixo, ali se construindo, já agora, edifícios de apartamentos.

A artéria começa na Rua 23 de Maio e se alonga até o Mercado da Vila Rubim, nela funcionando a benemérita Liga Espírito-santense contra a Tuberculose.

O patrono, Marcos (Antônio) de Azeredo (Coutinho), levantou, em 1612, a primeira Carta Geográfica do Espírito Santo, na qual assinalou todos os lugares povoados. Era conhecido como o descobridor da Serra das Esmeraldas, sendo que seus filhos Antônio e Domingos de Azeredo se apresentaram, em 1644, para realizar novas entradas pelos sertões espírito-santenses, o que foi aceito pelas Coroas Portuguesas.

Outra informação: Marcos de Azeredo era irmão do capitão-mor Miguel de Azeredo, a quem a donatária Luísa Grimaldi passara as rédeas do governo da Capitania, quando de seu regresso a Portugal (1593, onde se fez monja no Convento do Paraíso, em Évora).

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2017

Bairros e Ruas

Rua Santa Clara

Rua Santa Clara

No governo de Nestor Gomes construiu-se, ali, um palacete, para residência presidencial, a que chamaram "Palácio das Águias", visto que, no alto de sua frontaria, via-se, esculpida, uma grande águia, de asas abertas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vila Rubim

A Cidade de palha, sítio do Dr. Leopoldo Cunha, era composta de casas de sapé. Talvez a primeira favela de Vitória

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo