Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu. Depois de proclamada a República, voltou a ser conhecida como Rua da Alfândega, embora as plantas da cidade, pelo menos, até a de 1917, a registrassem com o nome do conde. Sua primitiva extensão ia apenas do Cais do Imperador ao Edifício Nicoletti, de onde, em diagonal, ficava a Rua Pereira Pinto, ali os Correios postando cartas a cem réis. A Rua da Alfândega era estreita, com as fachadas das casas mal alinhadas, ainda que suficientemente reta. "Era rua de futuro, central, plana, com a Praça Santos Dumont a dividí-la ao meio". Aí as firmas importadoras, tais como a Viana Leal, Manoel Evaristo Pessoa, a Casa Garantia, J. Zinzen, a Antenor Guimarães tinham sede, o mar a bater-lhes nas portas de fundo, por onde recebiam as cargas desembarcadas dos saveiros e alvarengas. A J. Zinzen tinha armazém de café em prédio em que funcionou, mais tarde, o Cine-Central. Esse cinema, com orquestra de câmera, funcionou até fins da década de 20, tendo Angela Vargas nele realizado, com grande assistência, um de seus recitais de declamação, a 25 de novembro de 1925. Junto do cinema, a mesma firma dispunha de outro prédio (onde depois se instalou o Hotel Miramar), no qual se adquiriam finos artefatos importados.

O Banco do Brasil teve, aí, sua sede primitiva, inaugurada a 2 de abril de 1917, no prédio n° 78, sendo seu primeiro gerente o Sr. Salvador Pena. Também, na mesma artéria, inaugurou-se, em 1934, a sede dos Correios e Telégrafos, exatamente no local em que, antes, existira o velho Mercado Municipal. A Western funcionava em prédio ao lado.

A partir de 1920 a rua da Alfândega passou a denominar-se avenida Jerônimo Monteiro, alongando-se, já então, da Escadaria do Palácio até a praça Costa Pereira.

No governo de Nestor Gomes, a avenida Capixaba, que outra não era senão o prolongamento da Jerônimo Monteiro, ficou perfeitamente definida, com os alinhamentos marginais desembaraçados do casario da rua Cristóvão Colombo, da Praça Marechal Floriano Peixoto, da rua Pereira Pinto e do prolongamento das colonialíssimas ruas do Sacramento, São Miguel e General Câmara, abrindo-se aos olhos, desde o Cais do Imperador até a chácara dos Monjardim.

Na Jerônimo Monteiro, entre os anos de 1915 a 1940, existiram diversos armarinhos, bancos, bares, hotéis, cinemas, farmácias, padarias, armazéns de secos e molhados, botequins, além de outros ramos de negócio, e os cito aqui, salteadamente: A Queimadeira (tecidos), Casa Centenário (tecidos), Casa Garantia, de Ayres & Coelho (artigos de eletricidade), Irmãos Batista (café), Casa Cypreste (tecidos), Loja Esperança (tecidos), Flor de Maio (chapéus e malas); Empório Capixaba, Hotel Universal, Hotel Europa, A Vidrália, Casa Morgadinha (calçados e chapéus), Alfaiataria Resimini, Alfaiataria Júlio Lima, A Singer (máquinas de costura), Loja Silva & Irmão, Pan-Americano, Caio Noronha (armazém de secos e molhados), Armazén São José (idem), A Mimosa (armarinho), A Principal (calçados), Casa das Meias, Casa das Linhas, Farmácia Silveira, Farmácia Confiança, Conferlaria Colono, Rolaria Cruzeiro, A Hidrolito (dos irmãos Benezath), Casa Ramos (roupas), Bar OK, Charutaria de Manoel Braz, Papelaria Santa Presdiona„ Papelaria' e Tipografia Gentil, os estúdios fotográficos de Otávio Paes, Mazzei, Merjane e Quintas, a Casa Morgado Horta, ostentando tabuleta com estes dizeres: Nesta casa se fazem grandes compras com pouco dinheiro, as casas lotéricas de Justino e Delfim Nunes, Agência Copolilo (jornais e revistas), os trapinches de Antenor Guimarães e Mesquita & Cia, a Bolsa do Café, situada no andar térreo do Teatro Glória etc..

Presentemente, a Jerônimo Monteiro dispõe de diversos edifícios de porte, é asfaltada, tem melhores calçadas, comércio amplo, variadíssimo, já não é a mesma de antes. De tráfego sempre congestionado, poluída pela fumaça de ônibus e pelo vozerio dos que ali negociam clandestinamente, essa artéria, à noite, depois das 20 horas, torna-se deserta, meio escura, ao contrário de antigamente, quando quase todas as suas casas comerciais deixavam acesas artísticas vitrines, o que servia de pretexto para que a sociedade fosse admirá-las, até as 22 horas, quando então se apagavam os letreiros e se fechavam suas portas.

 

Fonte: Revista do instituto histórico e geográfico do Espírito Santo – Nº44, ano 1994 
Autor: Elmo Elton  
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2014

Bairros e Ruas

Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Ruas de Vitória

Somente em 1908, sob o governo Jerônimo Monteiro, Vitória inicia sua fase de urbanização

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo