Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bairro Glória – Por Edward Athayde D’Alcântara

Bairro Glória, Soteco e Cristóvão Colombo

Dentre os viajantes ilustres que por ali passaram destacamos o renomado naturalista e zoólogo, o príncipe alemão Maximiliano de Wied Newied, no dia 19 de dezembro de 1815, que pernoitou na cabana de um antigo morador enquanto esperava por transporte para a margem oposta.

Em 10 de dezembro de 1818 o naturalista ftrancês Auguste de Saint Hilaire, ali passando, registrou observações sobre a extensão da baía e suas ilhas internas, o Morro do Moreno, o Monte do Convento da Penha, o Morro de Jaburuna com o Sítio de Santinho, a pujante elevação do Mestre Álvaro, as inúmeras choupanas na margem oposta e a bela residência do Capitão-Mor Francisco Pinto o recebeu com alegria e prometeu alojá-lo em sua casa, porém, sugeriu que retornasse ao Sítio Santinho e que, no dia seguinte mandaria buscá-lo com toda sua gente e bagagem. Nesta oportunidade o proprietário do sítio revelou grande ódio aos Botocudos dizendo: “São como os franceses, só gostam de guerra”. Até então não conhecia a identidade do ilustre visitante.

O Sítio Pedra D’água (onde está a Penitenciária Estadual), fica a cerca de meia légua do centro urbano. O nome Pedra D’água originou-se da grande pedra isolada que aflora a margem da baía. Desde o tempo das  Capitanias a região ficou sendo parada obrigatória dos viajantes que aqui passavam com destino ao norte e ao sul  do país. No ano de 1848 o Vice Presidente da Província lamentou o desconforto dos viajantes que perdiam tempo aguardando por uma embarcação que os ajudasse na travessia, razão pela qual sugeriu a criação de um sistema de barcaça apropriada, tipo daquela usada no Rio Paraíba.

O Bairro Glória primeiramente conhecido como “A Fábrica” por ter ali recebido, de Vila Velha, a transferência da fábrica de bombons Garoto, pertencia ao Estado e às famílias Freitas, Laranja, à Hard Rand & Cia e outros.

Antes da construção da primeira fábrica destinada à produção de telhas e manilhas com materiais sílicos calcários, a Fábrica era conhecida como região da penitenciária estadual, onde algumas famílias de presidiários passaram a residir na intenção de permanecer próximo a seus parentes.

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Bairros e Ruas

Rua José Marcelino (ex-Rua Grande) – Por Elmo Elton

Rua José Marcelino (ex-Rua Grande) – Por Elmo Elton

Contava, até fins da década de 20, com vários sobrados, enfileirados, "as sacadas guarnecidas de gradis de ferro batido, apainelados, cujos parapeitos se rematavam com pinhas de vidro colorido”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua 13 de Maio (ex-rua do Piolho) – Por Elmo Elton

Esse caminho, sinuoso passou a ser a Rua do Piolho, que, já neste século, trocaria de nome para rua Treze de Maio

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Ponte da Fruta – Por Edward Athayde D’Alcântara

Até os anos 40 era pequena e conhecida ainda como vila de pescadores e era considerada área rural do município

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Aribiri

A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal

Ver Artigo